Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Dose de Cal Hidratada e Características Químicas de Um Lodo de Esgoto Doméstico Submetido à Caleação

DOI: http://dx.doi.org/10.13083/1414-3984.v20n04a08

http://www.seer.ufv.br/seer/index.php/reveng/index 

downloadpdf

Mateus P. de Matos1 & Antonio T. de Matos2

 

Resumo: O lodo de esgoto doméstico, após ter sido higienizado com a adição de cal, pode ter aproveitamento agrícola efetuado como corretivo de acidez e de fertilidade. Entretanto, pouco se conhece das características do lodo de esgoto após ter sido submetido à caleação. Por esta razão, objetivou-se, com a realização deste trabalho, definir as doses de cal para higienização de um lodo gerado no tratamento primário de esgoto doméstico, apresentar suas características químicas, após executada a caleação, além de obter as doses para aplicação em áreas de parques e jardins. O lodo analisado foi coletado no leito de secagem da ETE José Cirilo, Muriaé, MG, e após ser peneirado (malha 2 mm), foi obtida a sua curva de incubação, adicionando-se diferentes doses (0, 25, 50, 100, 150, 200 e 250 kg m-3) de cal hidratada, Ca(OH)2. Para se manter o pH ligeiramente superior a 12, por mais de 2 h após ter sido realizada a mistura, a dose de cal a ser aplicada deve ser de 43,2 kg m-3, e por 72 h deve ser de 71,2 kg m-3. Aplicada a dose de 71,2 kg m-3 no lodo, o material foi submetido à digestão nítrico-perclórico para quantificação das concentrações totais de N, P, K, Ca, Fe, Na, Mg, Cr, Ni, Cd, Pb, Cu, Mn e Zn. Os valores obtidos, em g kg-1, foram de 10,08 de N; 3,63 de P; 2,80 de K; 3,16 de Ca; e 52,53 de Fe, enquanto que, em mg kg-1, foram de 268,75 de Mg; 33,50 de Ni; 2,25 de Pb; 119,75 de Cu; 499,00 de Mn; e 395,50 de Zn. O Cd e o Cr não foram detectados.

Palavras-chave: higienização, resíduos sólidos, tratamento sanitário

 

Abstract: The sewage sludge, after being sanitized with the addition of lime, can be used to correct soil acidity and improve fertility. However, little is known about the post-liming characteristics of sewage sludge. This work was done to define the dose of lime for hygienization of sludge generated during the primary treatment of domestic sewage, determine chemical characteristics after liming, and determine application rate for use in parks and gardens. The sludge was collected from sewage drying bed of treatment Plant José Cirilo, Muriaé, MG. After sieving (2 mm mesh) an incubation curve was generated by adding different doses (0, 25, 50, 100, 150, 200 and 250 kg m-3) of hydrated lime. The data revealed that to keep the pH slightly above 12 for more than 2 h, liming dose should be 43.20 kg m-3 and if this pH is to be maintained for 72 h the application rate should be increased to 71.20 kg m-3. The sludge treated at the rate of 71.2 kg m-3, was subjected to nitric-perchloric digestion to quantify total N, P, K, Ca, Fe, Na, Mg, Cr, Ni, Cd, Pb, Cu, Mn and Zn. The values, in g kg-1, were 10.08 of N, 3.63 of P, 2.80 of K, 3.16 of Ca and 52.53 of Fe, while, in mg kg-1, 268.75 of Mg, 33.50 of Ni, 2.25 of Pb, 119.75 of Cu, 499.00 of Mn and 395.50 of Zn. The Cd and Cr were not detected.

Key words: sanitation, solid waste, sanitary treatment

 

1 Engenheiro Agrícola e Ambiental, Doutorando em Saneamento, UFMG, Belo Horizonte-MG:, mateus.matos@ufv.br
2 Engenheiro Agrícola, Prof. Associado, Depto. de Engenharia Agrícola, UFV, Viçosa - MG

 

Literatura Citada

APHA, AWWA, WEF - American Public Health Association. Standard methods for the examination of water and wastewater. 21st. ed. Washington: APHA, AWWA, WEF, 2005. s.n.p.

ANDREOLI, C.V. (Coord.) Resíduos sólidos do saneamento: Processamento, reciclagem e disposição final. Rio de Janeiro: Rima, ABES, 2001. 282p.

BRASIL. CONAMA. Ministério do Meio Ambiente. Deliberação Normativa 375, 2006. 32p. Disponível em: <http://www.comitepcj.sp.gov.br/download/Res-CONAMA-375-06.pdf>, Acesso em setembro de 2011.

EMBRAPA/CNPS. Manual de métodos de análise de solo. Rio de Janeiro: Centro Nacional de Pesquisa de Solos, 2. ed., 1997 212 p. (EMBRAPACNPS. Documentos; 1)

FIA, R.; MATOS, A.T. de; AGUIRRE, C.I. Características Químicas de solo adubado com doses crescentes de lodo de esgoto caleado. Engenharia na Agricultura, Viçosa, MG, v.13, n.4, p.287-299, 2005.

FIA, R.; MATOS, A.T. de; AGUIRRE, C. I. Produtividade e concentração de nutrientes e metais pesados em milho adubado com doses crescentes de lodo de esgoto caleado. Engenharia na Agricultura, Viçosa, MG, v.14, n.1, p.287-299, 2006.

MATOS, A.T. Qualidade do Meio Físico Ambiental: Práticas de Laboratório. Viçosa: Ed. UFV, 2012. 150p.

MATOS, A.T. Poluição ambiental – Impactos no meio físico. Viçosa, MG: Ed. UFV, 2010. 260p.

MOREIRA D.A.; FARAGE, J. A. P., CHAGAS, R. C.; LIMA, C. R. C. MATOS, A. T. Curva de incubação do lodo primário de esgoto doméstico. Simpósio Mineiro de Engenharia Ambiental, Viçosa, 2006. Anais..., Viçosa, 2006 (CD-Rom)

PINTO, M.T. Higienização de lodos. In: ANDREOLI, C.V.; von SPERLING, M.; FERNANDES, F. Lodo de esgotos: tratamento e disposição final. Belo Horizonte: DESA/UFMG; SANEPAR. 2001. 484p. (Princípios do tratamento biológico de águas residuárias; 6).

SANEPAR – Companhia de Saneamento do Paraná. Manual técnico para utilização agrícola do lodo de esgoto no Paraná. Curitiba: SANEPAR, 1997. 96p.