Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Divisão Digital Existe Mesmo?

DOI: http://dx.doi.org/10.20423/1807-4960/rif.v12n26p19-34

http://www.revistas.uepg.br/index.php/folkcom 

downloadpdf

Teresa C. Alves1

 

Resumo: Os primeiros anos da segunda década do século XXI têm-se caracterizado pela proliferação de protestos populares de índole política por parte de grupos sociais de origem apartidária. A crise financeira e econômica mundial foi apenas o início de um período de inquietação social à escala global que parece ter-se instalado sob a égide de práticas sobre as quais urge refletir. Neste artigo, com base na teoria da Divisão Digital de Castells (2000), refletir-se-á sobre o uso dado às tecnologias da informação e comunicação por parte dos movimentos sociais recentemente envolvidos em protestos populares, tanto num contexto de país desenvolvido (Portugal e EUA) como em vias de desenvolvimento (Brasil). Quais as tecnologias mais utilizadas pelos ativistas? Quais as novas plataformas a que recorrem, ou a que novas práticas se dedicam no uso de tecnologias já existentes? Estes questionamentos serão aprofundados através da realização de entrevistas a ativistas de movimentos sociais como o Occupy e os Indignados.

Palavras-chave: Movimentos sociais - Tecnologias de comunicação - Sociedade em Rede - Norte - Sul.

 

Abstract: The first years of the 21st century’s first decade were characterized by political demonstrations organized by nonpartisan social groups. The financial and economic world crisiswere merely the beginning of a global restlessness period with practices that it is urge to reflect. In this article, based on Castells Digital Division theory (2000), it is discussed the use of information and communication technologies by social movements that were recently involved in protests – both in the context of developed and developing countries (USA, Portugal and Brazil will be the given examples). What do technology genders activists most use? What new platforms do they recur to, or what new practices they use among the existing technologies? These topics will be addressed recurring to interviews of activists from social movements such as ‘Busy’ and ‘Wroth’.

Key words: Social movements - Communication technologies -Network Society - North - South.

 

1 Pesquisadora doutoranda do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade na Universidade (CECS) da Universidade do Minho em Braga, Portugal. Graduada em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa, Mestre em Tradução de Culturas pela mesma. Apresentadora e produtora de rádio desde 2003 no Grupo r/com – Renascença, comunicação e multimédia, em Lisboa. teresa.costa.alves@gmail.com

 

Literatura Citada

Bryman, A (2001). Social Research Methods. Oxford: Oxford University Press.

Benzaquen, J. (2012). A universidade popular dos movimentos sociais: entrevista com o prof. Boaventura de Sousa Santos. In Revista Educação e Sociedade. vol. 33, nº 120.

Carvalho, A. et all (2010). Estado e politicas públicas Brasil e Portugal: novas configurações e desafios do presente. In Revista de Políticas Públicas, vol.14. Disponível em http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rppublica/article/view/405/810. Último acesso a 25/04/14.

Carvalho, M. (1995). Participação social no Brasil hoje. São Paulo: Instituto Pólis.

Castells, M. (2013). Redes de Indignação e de Esperança: movimentos sociais na era da Internet. Rio de Janeiro: Zahar.

Castells, M. (2006). The Theory of The Network Society. Bodmin: MPG Books.

Castells, M. (2003). A Galáxia Internet: reflexões sobre a Internet, negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar.

Castells, M. (2000). The Rise of The Network Society: The Information Age: Economy, Society and Culture. New York: John Wiley & Sons.

Castells, M. and Cardoso, G., eds., (2005). The Network Society: From Knowledge to Policy. Washington, DC: Johns Hopkins Center for Transatlantic Relations.

Drache, D. e Froese, M. (2004). The growing global Communications Grid: shrinking the North-South divide? In http://www.yorku.ca/drache/academic/papers/gcf_growing.pdf.

Freire, P. (1995). Constituição de uma nova cultura política. In Villas-Boas, R.; Telles, V. Poder local, participação popular, construção da cidadania. São Paulo: Instituto Cajamar.

Gohn, M. (2013). Movimentos sociais e redes de mobilizações civis no Brasil Contemporâneo. Petrópolis, RJ: Vozes.

Harvey, D., Zizek, S., et all (2012). Occupy. São Paulo: Boitempo Editorial.

Harvey, D. (2009). Cidades Rebeldes. São Paulo: Boitempo Editorial.

Jacobson, T. (1994). “Modernization and post-modernization approaches to participatory communication for development”. In White (1994), Participatory communication: working for change and development. Thousand Oaks: Sage Publications.

Lera, F. e Billón, M. (2004). The North and South Digital Divide in Information and Communication Technologies Development: the Spanish Regions Case. Disponível em http://www-sre.wu-wien.ac.at/ersa/ersaconfs/ersa04/PDF/307.pdf, último acesso a 25/04/14.

Melkote, S. (2003). “Theories on development communication. In Mody, B., International and development communication: a 21st century perspective. Thousand Oaks: Sage Publications.

Melkote, S. & Steeves, J. (2001). Communication for development in the third world: theories and practices for empowerment (2ª ed.). Thousand Oasks: Sage Publications.

Miranda, J. (1994). Analítica da Atualidade. Lisboa: Veja.

Nordenstreng (2001). ‘Media and Democracy: Do we know what to do’, In Television & New Media, 2: 57–63.

Peruzzo, C (1998). Comunicação nos movimentos populares. Petrópolis: Vozes. Pochman, M. (2014). “Desenvolvimento e Mudanças Sociais em Contexto de Crise“ (palestra). V Seminário Nacional de Sociologia e Política, Curitiba, 15 maio 2014. Reis, C. (2011). Os Bastidores da Mídia e os Movimentos Sociais: o caso do MST. Coimbra: Universidade de Coimbra.

Santos, B. (2013). Pela Mão de Alice: O Social e o Político na Pós-Modernidade. Coimbra: Almedina.

Santos, J. (2012) Media e Poder: O poder mediático e a erosão da democracia representativa, Lisboa: Vega.

Santos, Milton (2000). Por uma Outra globalização: do pensamento único à consciência universal. São Paulo: Record.

Trappel, J. & Maniglio, T. (2008) ‘Media and Democracy’, artigo apresentado no Media 08 Communication and Humanity Conference LSE, Department of Media and Communication. London, 21-23 setembro 2008.

Vizer, E. (2007). Mídia e Movimentos Sociais: linguagens e coletivos em ação. São Paulo: Paulus.

Van Djik, J. (2010). Review of Manuel Castells (2009), Communication Power, Oxford, New York: Oxford University Press. In Communications, The European Journal of Communication ISBN 978-0-19-956-701-1.

Van Djik, J. (1991). The Network Society: Social Aspects of New Media. De netwerkmaastchappij Bohn Staflen Van Loghum, Houten: De netwerkmaastchappij Bohn Staflen Van Loghum.

Warschauer, M. (2002). Technology and Social Inclusion: Rethinking the Digital Divide, Cambridge: MIT Press.

Winocur, R. (2002). Ciudadanos mediáticos: La construcción de lo público en la radio. Barcelona: Editorial Gedisa. Zizek, S. (2011). “Discurso de Slavoj Zizek aos manifestantes do Occupy Wall Street”. Disponível em http://blogdaboitempo.com.br/2011/10/11/a-tinta-vermelha-discurso-deslavoj-zizek-aos-manifestantes-do-movimento-occupy-wall-street.