Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Aproximações entre a Cultura Underground e os Grupos Culturalmente Marginalizados da Folkcomunicação1

DOI: http://dx.doi.org/10.20423/1807-4960/rif.v12n26p35-46

http://www.revistas.uepg.br/index.php/folkcom 

downloadpdf

Andréa K. A. Maia2

 

Resumo: Luiz Beltrão (1980)3 definiu três grupos na teoria da Folkcomunicação: os grupos culturalmente marginalizados, urbanos ou rurais. Este artigo lança um olhar sobre a cultura underground, pois a mesma adota estratégias de resistência e contestação ao status quo, assim como, os grupos culturalmente marginalizados. Aborda-se o histórico da cultura underground visando compreender suas características. A pesquisa bibliográfica é adotada como metodologia. Os participantes da cultura underground são considerados culturalmente marginalizados, pois combatem o sistema social vigente, através de instrumentos de comunicação próprios que reforçam o seu caráter marginal.

Palavras-chave: Folkcomunicação – Contracultura - Cultura underground.

 

Abstract: In the Folkcommunication o theory, Luiz Beltrão (1980) defined three groups: the culturally marginalized, the urban or the rural. This paper looks at the underground culture because it adopts resistance and challenge strategies against the status quo, as well as the culturally marginalized groups. Bibliographical research is the methodological source for approaching the underground culture historical aspects. The underground culture participants are considered socially marginalized, since they fight against the current social system by using their own communication instruments, which reinforce their marginal character.

Key words: Folkcommunication – Counterculture - Underground culture.

 

1 Artigo premiado em 3º lugar na categoria “Artigo Científico – Pós-Graduação” da XVI Conferência Brasileira de Folkcomunicação, apresentado no GT 1 (Teoria da Folkcomunicação – Fundamentos e Metodologia) da referida conferência.
2 Professora Substituta da Universidade Federal da Paraíba. Mestre em Comunicação e Culturas Midiáticas, Jornalista e Relações Públicas, pela referida instituição. Possui MBA em Gestão Estratégica de Pessoas na Administração Pública, pela Universidade Estadual da Paraíba. Pesquisadora da Rede Folkcom e do Grupo de Pesquisa sobre o Cotidiano e Jornalismo (GRUPECJ-UFPB). E-mail: andreakarinne@gmail.com
3 BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação: a comunicação dos marginalizados. São Paulo: Cortez. 1980.

 

Literatura Citada

BELTRÃO, Luís. Folkcomunicação: a cultura dos marginalizados. São Paulo: Cortez. 1980.

GOFFMAN, Ken; JOY, Dan. Contracultura através dos tempos – Do mito de Prometeu à cultura digital. Rio de Janeiro: Ediouro, 2007.

JANOTTI JÚNIOR, Jeder Silveira; CARDOSO FILHO, Jorge. A música popular massiva, o mainstream e o underground: trajetórias e caminhos da música na cultura midiática. In: INTERCOM –- XXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – UnB – 6 a 9 de setembro de 2006. Disponível em: < http://migre.me/eZIWw >. Acesso em 06/06/2013.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro. Forense Universitária, 1998.

MAGALHÃES, Henrique. Indigestos e sedutores: o submundo dos quadrinhos marginais. In: Culturas Midiáticas - Revista do Programa de Pós-Graduação de Comunicação da UFPB. Vol. II, n. 1 – jan./jun./2009. Disponível em: <http://migre.me/eZISI>. Acesso em 10/06/2013.

MARTINO, Luís Mauro Sá. Teoria da Comunicação: Ideias, Conceitos e Métodos. Petrópolis: Vozes, 2009.

PEREIRA, Carlos Alberto M. O que é contracultura? 6.ed. São Paulo: Brasiliense, 1988.

SANTOS, José Luiz dos. O que é Cultura? 16 ed. São Paulo: Brasiliense, 1996.

WILLIAMS, Raymond. Cultura. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.