Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Indústria Cultural e o Trabalho Docente: Caminhos para Compreender os Processos de Criação em Arte na Educação Infantil1

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v22n3p49-60

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacao 

downloadpdf

Anilde T. T. da Silva2 & Cândida A. de C. Bittencourt3

 

Resumo: O propósito deste trabalho é refletir sobre a relação entre a Indústria Cultural, processos de criação e o Trabalho docente na Educação Infantil, buscando definir a influência e a imposição de estereótipos nos processos criativos pela contribuição de Fayga Ostrower e de reprodução da Indústria Cultural por meio da revisão da literatura e pela contribuição de Theodor Adorno e Max Horkheimer. Argumentamos que a essência da indústria cultural não só permanece atual e interfere nos processos criativos e nas relações de consumo na sociedade contemporânea, como no processo de universalização da semiformação que permeia o Trabalho Docente voltado para a infância. Em contrapartida, acreditamos que o profissional que atua na educação infantil tem o duplo desafio de articular os conhecimentos e leituras de mundo nas práticas pedagógicas e desconstruir as subjetividades impostas pela indústria cultural, ressignificando e a resistência e intervenção crítica dos educadores. Dessa forma, a apropriação de uma teoria e das práticas cotidianas permite uma leitura para além da utilidade e padronização humana, e devolve, efetivamente, aos espaços de educação infantil e, especificamente, ao educador o exercício de sua atividade intelectual e criativa.

Palavras-chave: Indústria Cultural; Processos de Criação; Trabalho Docente.

 

Abstract: The aim of this paper is to reflect about the relation between cultural industry, creation process and teaching work in early childhood education, trying to define the influence and imposition of steriotypes in creative process by the contribution of Fayga Ostrower and the reproduction of the cultural industry by revising the literature and with the contribution of Theodor Adorno and Max Horkheimer. We discussed that the essence of cultural industry is not just actual, but also interfere creative process and consumism relations in the contemporary society as in the universalization process from semi formation that permeate teaching work facing infancy. On the other hand, we believe that a professional that acts in early childhood education has a double challenge in articulate knowledge and world’s reading in pedagogic practice in deconstructing the subjectivities imposed by cultural industry giving a new meaning to the resistance and critical intervention from educators. This way, the appropriation of a new theory and daily practices allow to read beyond human utility and standardization, returning, actually, to early childhood spaces and, specifically, to the educator the use of his/her intelectual activity and creativity.

Key words: Cultural Industry; Creat ion Process; Teaching Work.

 

1 Texto elaborado a partir de estudos realizados no GEPEI – Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação e Infância e do projeto de pesquisa: INDÚSTRIA CULTURAL E RELAÇÕES DE CONSUMO: CAMINHOS PARA COMPREENDER OS PROCESSOS DE CRIAÇÃO E O TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL do Departamento de Educação e do Departamento de Arte Visual da Universidade Estadual de Londrina.
2 Universidade Estadual de Londrina- UEL – Departamento de Educação
3 Universidade Estadual de Londrina- UEL – Departamento de Arte Visual

 

Literatura Citada 

ADORNO, Theodor W. Teoria da semicultura. Educação e sociedade, Campinas: CEDES, n. 56, p. 388-411, dez. 1996.

COHN, Gabriel (Org.). Comunicação e Indústria Cultural. 4.ª ed. São Paulo: EDUSP, 1977.

DUARTE, Rodrigo. Teoria Crítica da Indústria Cultural. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

HORKHEIMER, Max; ADORNO. Dialética do esclarecimento. Fragmentos filosóficos. 2. ed. Tradução Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

OSTROWER, Fayga. Acasos e criação artística. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. Petrópolis: Vozes, 2002.

ZUIN, Antonio A. S. Sobre a atualidade do conceito de Indústria Cultural. In: CEDES, ano XXI, n.54, p. 9 a 18, ago /2001.

ZUIN, Antonio A. S. Indústria Cultural e Semiformação: a atualidade da educação após Auchwitz. In: Revista Educação e Filosofia. Uberlândia, v. 25, n. 50, p. 607-634, jul./dez. 2011.