Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Resistência Natural da Madeira de Três Espécies Amazônicas Submetidas ao Ataque de Fungos Apodrecedores

DOI: http://dx.doi.org/10.12953/2177-6830.v04n01a02

http://www.ufpel.tche.br/revistas/index.php/cienciadamadeira/index 

downloadpdf

Diego M. Stangerlin1, Alexandre F. da Costa2, Alencar Garlet3 & Tereza C. M. Pastore3

 

Resumo: O objetivo desse trabalho foi monitorar a perda de massa das madeiras de marupá, jequitibá e cumaru submetidas ao ataque de fungos de podridão branca e parda. Além disso, estabelecer períodos de tempo, em semanas, para execução de ensaios de apodrecimento acelerado. Para tanto, corpos de prova, de cada espécie amazônica, foram submetidos a ensaios de apodrecimento acelerado, de acordo com a ASTM D2017, durante 20 semanas. A madeira de cumaru apresentou a maior resistência natural, sendo classificada como muito resistente durante as 20 semanas de apodrecimento acelerado. O fungo de podridão parda proporcionou as maiores perdas de massa para as madeiras de cumaru e jequitibá, por sua vez o fungo de podridão branca atacou mais intensamente a madeira de marupá. O período de 8 a 12 semanas, de acordo com a ASTM D2017, não foi suficiente para caracterização da resistência natural, por meio da perda de massa, das três espécies amazônicas. O período de tempo necessário para caracterização da resistência natural ao fungo de podridão branca foi de 20, 14 e 12 semanas, enquanto para o fungo de podridão parda foi de 20, 18 e 14 semanas para as madeiras de marupá, jequitibá e cumaru, respectivamente.

Palavras-chave: biodeterioração, podridão branca, podridão parda, perda de massa, madeira tropical

 

Abstract: This study aimed to evaluate the mass loss of marupá, jequitibá and cumaru wood submitted to white and brown rot. In additionally, were established periods of time, weeks, for the execution of accelerated decay tests. For this purpose, specimens of each Amazon wood species were submitted to accelerated decay tests, according to ASTM D2017, for 20 weeks. Cumaru wood showed higher natural resistance, being classified as very resistant during the 20 weeks of accelerated decay tests. Brown rot resulted in higher mass loss for cumaru and jequitibá wood, whereas white rot attacked more intensely marupá wood. The period 8-12 weeks, according to the testing standards of ASTM D2017, was not sufficient for characterization of the natural resistance by mass loss of the three Amazon wood species. The period required for the characterization of natural resistance to white rot was 20, 14 and 12 weeks, while to brown rot was 20, 18 and 14 weeks for marupá, jequitibá and cumaru wood, respectively.

Key words: biodeterioration, white rot, brown rot, mass loss, tropical wood

 

1 Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais, Universidade Federal de Mato Grosso, Sinop, MT, stangerlin@ufmt.br
2 Departamento de Engenharia Florestal, Faculdade de Tecnologia, Universidade de Brasília, Brasília, DF, lucate@unb.br
3 Laboratório de Produtos Florestais, Serviço Florestal Brasileiro, Brasília, DF, alencar.garlet@florestal.gov.br, tereza.pastore@gmail.com

 

Literatura Citada

ALVES, M.V.S.; COSTA, A.F.; ESPIG, D.S.; VALE, A.T. Resistência natural de seis espécies de madeiras da região amazônica a fungos apodrecedores, em ensaio de laboratório. Ciência Florestal, Santa Maria, v.16, n.1, p.17-26, 2006.

AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS (ASTM). ASTM D2017: Standard method for accelerated laboratory test of natural decay resistance for woods. West Conshohocken: ASTM International, 2005.

ARCHER, K.; LEBOW, S. Wood preservation. In: WALKER, J.C.F. (Org.). Primary wood processing: principles and practice. Dordrecht: Springer, 2006. p.297-338. doi

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 11941: Determinação da densidade básica. Rio de Janeiro: ABNT, 2003a.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 13999: Papel, cartão, pastas celulósicas e madeira - Determinação do resíduo (cinza) após a incineração a 525 ºC. Rio de Janeiro: ABNT, 2003b.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 14660: Madeira - Amostragem e preparação para análise. Rio de Janeiro: ABNT, 2003c.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 14853: Madeira - Determinação do material solúvel em etanol-tolueno e em diclorometano. Rio de Janeiro: ABNT, 2003d.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 7989: Pastas celulósicas e madeira - Determinação de lignina insolúvel em ácido. Rio de Janeiro: ABNT, 2003e.

CANUTO, K.M.; SILVEIRA, E.R. Constituintes químicos da casca do caule de Amburana cearensis A.C. Smith. Química Nova, São Paulo, v.29. n.6, p.1241-1243, 2006. doi

CARNEIRO, J.S.; EMMERT, L.; STERNADT, G.H.; MENDES, J.C.; ALMEIDA, G.F. Decay susceptibility of Amazon wood species from Brazil against white rot and brown rot decay fungi. Holzforschung, Berlin, v.63, n.6, p.767-772, 2009.

COSTA, M.A.; COSTA, A.F.; PASTORE, T.C.M.; BRAGA, J.W.B.; GONÇALEZ, J.C. Caracterização do ataque de fungos apodrecedores de madeiras através da colorimetria e da espectroscopia de infravermelho. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 21, n.3, p.565-575, 2011.

DIROL, D.; DEGLISE, X. Durabilité de bois et problèmes associés. Paris: Hermès Science Publications, 2001. 415p.

EATON, R.A.; HALE, M.D.C. Wood: decay, pests and protection. Londres: Chapman & Hall, 1993. 546p.

FINDLAY, W.P.K. The nature and durability of wood. In: ______. Preservation of timber in the tropics. Dordrecht: M. Nijhoff; W. Junk, 1985. p.1-15.

GOUVEIA, F.N.; GARLET, A.; COSTA, A.F.; CORRÊA, A.A.; PRATES, E.B. Efeito de tratamentos térmicos sobre a variação dimensional e resistência biológica de madeiras Amazônicas. In: CONGRESSO IBERO-LATINOAMERICANO DA MADEIRA NA CONSTRUÇÃO - CIMAD, 11, 2011, Coimbra, Portugal. Anais... Coimbra: Departamento de Engenharia Civil da FCTUC, 2011. p.1-6.

HILLIS, W.E. Wood extractives and their significance to the pulp and paper industries. New York: Academic Press, 1962. 513p.

JESUS, M.A.; MORAES, J.W.; CARDIAS, M.F.C.; ABREU, R.L.S. Durabilidade natural de 46 espécies de madeira amazônicas em contato com o solo em ambiente florestal. Scientia Forestalis, Piracicaba, v.54, p.81-92, 1998.

JESUS, M.A.; ABREU, R.L.S. Durabilidade natural da madeira de pupunha (Bactris gasipaes Kunth). I Fungos. Acta Amazonica, Manaus, v.32, n.4, p.663-675, 2002.

KLOCK, U.; MUÑIZ, G.I.B.; HERNANDEZ, J.A.; ANDRADE, A.S. Química da madeira. 3. ed. Curitiba: FUPEF, 2005. 86p.

KOLLMANN, F. Tecnologia de la madeira y sus applicaciones. Madrid: Gráficas Reunidas S.A., 1959. 674p.

MORI, F.A.; MENDES, L.M.; TRUGILHO, P.F.; CARDOSO, M.G. Utilização de Eucaliptos e de madeiras nativas no armazenamento da aguardente de cana-de-açúcar. Boletim da Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v.23, n.3, p.396-400, 2003. doi

PAES, J.B.; MELO, R.R.; LIMA, C.R. Resistência natural de sete madeiras a fungos e cupins xilófagos em condições de laboratório. Cerne, Lavras, v.13, n.2 p.160-169, 2007.

PANSHIN, A.J.; DE ZEEUW, C. Text book of wood technology. 4. ed. New York: Mc Graw Hill, 1980. 722p.

SANTANA, M.A.E.; OKINO, E.Y.A. Chemical composition of 36 Brazilian Amazon forest wood species. Holzforschung, Berlin, v.61, n.5, p.469-477, 2007.

SCHMIDT, O. Wood and tree fungi: biology, damage, protection and use. Berlim: Springer-Verlag, 2006. 329p.

STANGERLIN, D.M.; MELO, R.R.; GARLET, A.; GATTO, D.A. Durabilidade natural de painéis aglomerados confeccionados com Eucalyptus grandis e Bambusa vulgaris em ensaio de apodrecimento acelerado. Ciência Rural, Santa Maria, v.41, n.8, p.1369-1374, 2011.

TORELLI, N. CUFAR, K. Comparative decay resistance of 43 Mexican tropical hardwoods. Holz als Roh- und Werkstoff, Berlin, n.52, p.394-396, 1994.

ZABEL, R.A.; MORRELL, J.J. Wood microbiology: decay and its prevention. San Diego: Academic Press, 1992. 476p.WALKER, J.C.F. Basic wood chemistry and cell wall ultrastructure. In: ______. Primary wood processing: principles and practice. Dordrecht: Springer, 2006. p.23-67.