Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Notas Preliminares de Geomorfologia Urbana e Meio Ambiente na Cidade de Marabá-PA

DOI: http://dx.doi.org/10.17552/2358-7040/bag.v2n3p105-119

http://boletimamazonicodegeografia.ufpa.br/index.php/revista 

downloadpdf

Abraão L. S. Mascarenhas1 & Maria R. Vidal2

 

Resumo: A geomorfologia aplicada o espaço urbano torna-se útil a sociedade ao passo que auxilia no planejamento urbano, a análise da relação sociedade e natureza deve ser vista a partir das questões metodológicas nutridas pela Teoria Geral dos Sistemas, assim os estudos de sistemas ambientais (Megassistemas e Geossistemas) e sistemas urbanos (Sistemas Ambientais Urbanos – S.A.U) conjuntamente com as técnicas de cartografia amparados pelos trabalhos de Mendonça (2009), Rossi (1999, 2006) e Rodriguez (2004, 2013). Para o conjunto de mapas temáticos (hipsométrico e declividade), que são à base do mapa de Geomorfologia Urbana são utilizadas técnicas de cartografia digital auxiliados pelo uso das ferramentas de geoprocessamento do software Arcgis 10.1 (versão para avaliação), o mapa hipsométrico revela como os núcleos urbanos estão espraiados entre as cotas de 59 metros no núcleo de Marabá Pioneira e, 115 metros nos núcleos da Cidade Nova e Nova Marabá, atingindo áreas propícias aos eventos de inundações dos rios que deram suportes aos assentamentos urbanos Os principais resultados foram à geração de um conjunto de mapas capaz de subsidiar tomadas decisões, como por exemplo, o ordenamento/zoneamento do espaço urbano, além de demonstrar os elementos físico-naturais que compõe o perímetro urbano da cidade.

Palavras-chave: Geomorfologia Urbana, Cartografia e Sistemas

 

Abstract: The geomorphology applied to the urban space becomes useful to society whereas assists urban planning, the analysis of relationship between society and nature should be seen from the methodological issues nourished by the General Systems Theory, as the studies of environmental systems (Mega systems and Geosystems) and urban systems (Urban Environmental Systems) managed jointly by the mapping techniques supported by Mendonça work (2009), Rossi (1999, 2006) and Rodriguez (2004, 2013). For the set of thematic maps (topographic and declivity), which are the basis of the Urban geomorphology map that are used digital mapping techniques supported by the use of geoprocessing tools of software Arcgis 10.1 (evaluation version), the topographic map reveals how urban centers are extended between the altitude of 59 meters in the center of Maraba Pioneira, and 115 meters in the hub of the Cidade Nova and Nova Maraba, achieving appropriated areas to events of flooding of rivers that gave supports to urban settlements. The main results were a generating of a set of maps able of supporting decisions, such as the planning / zoning of urban space, as well demonstrating the physical and natural elements that compose the urban perimeter of the city.

Key words: Urban geomorphology, Cartography and Systems

 

1 Professor Assistente 2b da Faculdade de Geografia-Unifesspa – Coordenador do Laboratório de Geografia Fisica e Recursos Hídricos. Coordenada projetos de extensão sobre a geomorfologia urbana como ferramenta de intervenção pedagógica no ensino de geografia (Programa de apoio a projetos de intervenção metodológica-PAPIM-Unifesspa). Email: abraaolevi@hotmail.com
2 Doutora em Geografia, pesquisadora associada ao Grupo de Estudos Espaço e Ambiente do Sudeste Paraense – GEEASPA-Unifesspa. Tem experiência em consultoria para metodologia de mapeamento e estudos em Unidades de conservação nos estados do Ceará e Pará. email: mritavidal@yahoo.com.br

 

Literatura Citada

AB`SABER. A. N. O Sítio Urbano de São Paulo. In: Aroldo de Azevedo (org): A cidade de São Paulo: estudo de geografia Urbana. São Paulo. Companhia Editora Nacional (Coleção Brasiliana, vol 14),p. 169-243, 1958.

AB`SABER. A. N. Um conceito de Geomorfologia a serviço das pesquisas sobre o Quaternário. In: Geomorfologia, São Paulo, 18:1-23. 1969.

ACSELRAD. H.; COLI. L. R. Disputas territoriais e disputas cartográficas. In: (ORG.) ACSELRAD. H. Cartografias sociais e território, coleção território, meio ambiente, Rio de Janeiro, UFRJ/IPPUR, 2008.

DUARTE, Paulo Araújo. Cartografia básica. Florianópolis, Ed. da UFSC, 2002.

CPRM. Geomorfologia do Brasil. Diretoria de Geologia e Recursos Minerais, Brasília, 2003.

CPRM. Mapa de Declividade em percentual do relevo do Brasil. Centro de Desenvolvimento Tecnológico – CEDES, 2010.

JOLY. F. A cartografia. Trad. Tânica Pellegrini, Campinas-SP, Papirus, 1990.

LOCH, Ruth E. Nogueira. Cartografia: representação, comunicação e visualização de dados espaciais. Florianópolis-SC, EDUFSC, 2006.

MASCARENHAS. A. L. S.; VIDAL. M. R. e SILVA. E. V. O uso do SIG para definição de aspectos geomorfológicos no médio curso do rio Tocantins parte oriental da bacia amazônica. GeoAmazônia, Belém, v. 02, n. 2, p. 68 - 78, jul./dez. 2013.

MENDONÇA. F. A. Geografia, geografia física e meio ambiente: uma reflexão à partir da problemática socioambiental urbana. Revista da ANPEG, V5. 2009

MESERJAKOV. Ju. P. Les concepts de morphostructure et de morphosculpture, un nouvel instrument de l'analyse géomorphologique. In: Annales de Géographie. 1968, t. 77, n°423. pp. 539-552. (1968)

MIRANDA, E. E. de; (Coord.). Brasil em Relevo. Campinas: Embrapa Monitoramento por Satélite, 2005. Disponível em: <http://www.relevobr.cnpm.embrapa.br>. Acesso em: 25 jun. 2014.

MOURA. A. C. M; FONSECA. B. M.; CARVALHO. G. A. Rotina para elaboração de MDE com o uso do ArcView: utilizando a base de dados da “Shuttle Radar Topography Mission” realizada pela NASA. UFMG, Departamento de cartografia, Laboratório de Geoprocessamento, Belo Horizonte, 2006.

RODRIGUEZ. J. M. M.; SILVA. E. V. Planejamento e gestão ambiental: subsídios da geoecologia das paisagens e da teoria geossistêmica. Fortaleza-CE, EDUFC, 2013.

RODRIGUEZ, J. M. M.; SILVA, E. V. A e CAVALCANTI, A. Geoecologia das Paisagens: uma visão geossistêmica da análise ambiental. Fortaleza: EDUFC, 2004.

ROSS. J. L. S. O registro cartográfico dos fatos geomorfológicos e a questão da taxonomia do relevo. Revista do Departamento de geografia, USP, São Paulo, 1992.

ROSS. J. L. S. Ecogeografia do Brasil: Subsídios para planejamento ambiental. São Paulo,Oficina de Textos, 2006.