Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Usos do Território e Modo de Vida Riberinho na Amazônia Paraense: O Caso da Comunidade Menino Deus em Portel-PA

DOI: http://dx.doi.org/10.17552/2358-7040/bag.v2n3p138-152

http://boletimamazonicodegeografia.ufpa.br/index.php/revista 

downloadpdf

Geovani G. Farias1, Edinael P. Silva2 & Gilson B. Correia3

 

Resumo: O objetivo deste trabalho foi a análise e compreensão da realidade dos moradores da comunidade Menino Deus, sua cultura, forma de ocupação do território e suas formas de existência, ou seja, o modo de vida ribeirinho da Comunidade Menino Deus. Analisou-se o modo de vida ribeirinho dos moradores da Comunidade a partir dos usos do território. Partiu-se do pressuposto de que um modo de vida é construído ao longo do tempo, por meio de um conjunto de técnicas e saberes que são repassados hereditariamente de geração para geração. Assim, detectou-se que o modo de vida desta comunidade está baseado no uso material e/ou simbólico do território, que materializado nas práticas cotidianas, seja no trabalho ou nos festejos religiosos e culturais que ocorrem no seio da comunidade, fazem do seu território tanto um objeto de recursos à existência como um abrigo para esse povo.

Palavras-chave: Território, modo de vida, comunidade Menino Deus.

 

Abstract: The objective of this study was to analyze and understand the reality of the residents of the Community Menino Deus, their culture, the occupation of the territory and its forms of existence, ie the way of life of the riverside Community. It was analyzed the way of life of residents of the riverside Community from the territory uses. The analysis started from the assumption that a way of life is built over time through a set of techniques and knowledge that are passed on hereditarily from generation to generation. Thus, it was found that the way of life of this community is based on the use of material and/or symbolic use of the territory, which materialized in daily practices, whether at work or in religious and cultural festivities that occur within the community, make their territory both a resource object to the existence as a shelter for these people.

Key words: Territory, way of life, Community Menino Deus.

 

1 Mestrando em Geografia (PGGEO/UFPA). e-mail: fariasgggeo@yahoo.com.br
2 Licenciado em Geografia. Professor da rede pública de ensino do município de Melgaço (Pará). e-mail: dizinho150@yahoo.com.br
3 Mestrando em Geografia (PGGEO/UFPA). e-mail: gilsonbento19@gmail.com

 

Literatura Citada

CABRAL, Josélia Fontenele Batista. Olhares Sobre a Realidade do Ribeirinho: Uma Contribuição ao Tema. Revista de Educação, Cultura e Meio Ambiente. Mai.n°24, Vol. VI. Disponível em: http://www.revistapresença.unir.br/.../24joseliaf... Acesso: 11/07/2014, 10:45hs.

CARVALHO, Maria do Carmo Brandt e J.P Neto. Cotidiano: Conhecimento e crítica. São Paulo, Cortez, 1994.

ICMBIO. Plano de Manejo da Floresta Nacional de Caxiuanã. Vol. I – Diagnóstico. Brasília, 2012. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/flonas. Acesso em: 15 de junho de 2015.

FLY, Peter. “Uma carta de Moçambique”. Religião e Sociedade, Vol. 18 (2): 29 – 42. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, (1997).

FREIRE, Paulo. “Educação como prática da liberdade”. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1981.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 9ª edição, Rio de Janeiro. Editora Paz e Terra, 1981.

LA BLACHE, Paul Vidal de. Princípios de geografia humana. (Tradução Fernando Martins). 2. Ed. Cosmos, 1954.

LIMA, Deborah de Magalhães. Ribeirinhos, Pescadores e a Construção da Sustentabilidade nas Várzeas dos Rios Amazonas e Solimões. In: Boletim Rede Amazônia: Diversidade Cultural e Perspectivas Socioambientais. Ano 3, n. 1, 2004.

MARQUES, Marta Inez Medeiros. O modo de vida camponês sertanejo e sua territorialidade no tempo das grandes fazendas e nos dias de hoje em ribeira – PB. São Paulo, 1994. Dissertação (mestrado em geografia), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo, 1994.

MOREIRA, Ruy. O que é Geografia. 14. Ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Coleção Primeiros Passos n. 48).

NASCIMENTO SILVA. Maria das Graças. O Espaço Ribeirinho. São Paulo. Terceira Margem. 2000.

QUIROGA, Ana Maria. “Caridade, filantropia e justiça e os modelos de ação”. (2001).

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

SACK, R. D. Territorialidade Humana: sua teoria e história. Cambrige University Press, 1986.

SAQUET, M. A. As diferentes abordagens do território e a apreensão do movimento e da (i) materialidade. Geosul, Florianópolis, v. 22 n 43, p. 55-76, jan./jun. 2007.

SANTOS, Milton; SILVEIRA, María Laura. O Brasil. Território e sociedade no início do século XXI. São Paulo: Editora Record. 2001.

SANTOS, Milton. O retorno do territorio. En: OSAL: Observatorio Social de América Latina. Año 6 no. 16 (jun. 2005). Buenos Aires: CLACSO, 2005 - ISSN 1515-3282. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/libros/osal/osal16/D16Santos.pdf. Acessado no dia 18/06/2015.

SILVA, C. N. Territorialidades e modo de vida de pescadores do rio Ituquara, Breves- PA. Dissertação (Mestrado em Geografia) Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Pará, Belém, 2006.

SILVA, Josué da Costa & SOUZA FILHO, Theóphilo Alves de. O viver ribeirinho. In: Nos Banzeiros do Rio: Ação Interdisciplinar em busca da sustentabilidade em Comunidades Ribeirinhas da Amazônia. Porto Velho/RO: EDUFRO, 2002.

SORRE, Max. Geografia. (Tradução Januário F. Megale, Maria Cecília França e Moacyr Marques). São Paulo: Ática, 1984.

SUZUKI, Júlio Cézar. De povoamento a cidade: A transição do rural ao urbano em Rondonópolis. 1996. Dissertação (mestrado em geografia) faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo, 1996.