Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Movimento Social Quilombola: Considerações Sobre Sua Origem e Trajetória

DOI: http://dx.doi.org/10.19180/1809-2667.v17n315-08

http://essentiaeditora.iff.edu.br/index.php/vertices 

downloadpdf

Lacerda Jorge1

 

Resumo: Os remanescentes de quilombos trouxeram para o cenário rural novas perspectivas. Essas comunidades têm procurado o reconhecimento de direitos, tomando como base o Artigo 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT) da Constituição Federal de 1988. Neste artigo apresentaremos as principais questões que giram em torno da emergência desses sujeitos, tendo como ponto de vista sua atuação como um movimento social.

Palavras-chave: Comunidades quilombolas. Movimentos sociais. Direitos coletivos.

 

Abstract: The Quilombolas brought new perspectives to the rural setting. These communities have sought recognition of their rights based on Article 68 of the Temporary Constitutional Provisions Act of the 1988 Federal Constitution.  In this paper, we present the main issues that revolve around the emergence of these individuals, from the point of view of their activities as a social movement.

Key words: Quilombola communities. Social movements. Collective rights.

 

1 Mestra em Desenvolvimento Social pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES), Doutoranda em Politica Social pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói/RJ - Brasil. E-mail: amandalacerdajorge@hotmail.com.

 

Literatura Citada

ALVAREZ, Gabriel Omar. Tradições Negras Políticas Brancas: Previdência Social e Populações Afro-brasileiras. Brasília: Ministério da Previdência Social. MPS, 2006.

ARRUTI, José Maurício. A emergência dos “Remanescentes”: notas para o diálogo entre indígenas e quilombolas. Mana, v.3, n.2, oct. 1997. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-93131997000200001&script=sci_arttext>. Acesso em: 4 ago. 2010.

ARRUTI, José Maurício. Mocambo: antropologia e história do processo de formação quilombola. São Paulo: Edusc, 2006.

ARRUTI, José Maurício. Políticas públicas para quilombos: terra, saúde e educação. In: PAULA, M.; HERINGER, R. (Orgs). Caminhos convergentes: Estado e sociedade na superação das desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Boll/Action AID, 2009. p.75-110.

BARTH, Fredrik. Os grupos étnicos e suas fronteiras. In: BARTH, Fredrik. O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2000.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

BRANDÃO, André. Comunidades quilombolas no Brasil: características socioeconômicas, processos de etnogênese e políticas sociais. Rio de Janeiro: Eduff, 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2005.

BRASIL. Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Quilombos no Brasil República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2004. Disponível em: <http://www.seppir.gov.br/copy_of_acoes/Principal.2007-11-18.5002>. Acesso em: out. 2011.

CARDOSO, Lourenço; GOMES, Lilian. Movimento social negro e movimento quilombola: para uma teoria da tradução. In: CONGRESSO LUSO AFRO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS 11., ago. 2011, Salvador Disponível em: <http://www.xiconlab.eventos.dype.com.br/resources/anais/3/1307638313_ARQUIVO_artigo_conlab_ultimaversao5.pdf>. Acesso em: 2011.

CONVENÇÃO Nacional do Negro pela Constituinte. Brasília: 26 e 27 de agosto de 1986. Disponível em: <http://www.institutobuzios.org.br/documentos/CONVEN%C3%87%C3%83O%20NACIONAL%20DO%20NEGRO%20PELA%20CONSTITUTINTE%201986.pdf>. Acesso em: maio 2014.

DAGNINO, Evelina.¿Sociedade civil, participação e cidadania: de que estamos falando? In: MATO, Daniel (Coord.). Políticas de ciudadanía y sociedad civil en tiempos de globalización. Caracas: FACES, Univ. Central de Venezuela, 2004. p. 95-110.

FIABANI, Aldemir. Os novos quilombos: luta pela terra e afirmação étnica no Brasil (1988-2008). . Dissertação (Mestrado) - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2008.

GOHN, Maria da Glória. Teorias dos movimentos sociais na contemporaneidade. In: GOHN, Maria da Glória; BRINGEL, Breno M. (Orgs.). Movimentos sociais na era global. Petrópolis: Vozes, 2012.

LACLAU, Ernesto. Os novos movimentos sociais e a pluralidade do social. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 32., 2008, Caxambu, MG. Disponível em: <http://www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_02/rbcs02_04.htm>. Acesso em> 2011.

LEITE, Ilka Boaventura. Os quilombos no Brasil: questões conceituais e normativas. Revista Etnográfica, Florianópolis, v.4, n.2p. 333-354, 2000.

O’DWYER, Eliane Cantarino. Os quilombos e a prática profissional dos antropólogos. In: O’DWYER, Eliane Cantarino (Org). Quilombos: identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2002.

OLIVEIRA, Frederico Menino Bindi de. Mobilizando oportunidade: estado, ação coletiva e o recente movimento social quilombola. Dissertação (Mestrado) - Universidade de São Paulo, 2009.

SILVÉRIO, Valter Roberto. Evolução e contexto atual das políticas públicas no Brasil: educação, desigualdade e reconhecimento. In: PAULA, M.; HERINGER, R. (Orgs). Caminhos convergentes: Estado e sociedade na superação das desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Boll/Action AID, 2009. p. 14-38.

SOUZA, Barbara Oliveira. Movimento quilombola: reflexões sobre seus aspectos político-organizativos e identitários. In: REUNIÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA, 26., jun. 2008, Porto Seguro, Bahia. Disponível em: <http://www.abant.org.br/conteudo/ANAIS/CD_Virtual_26_RBA/grupos_de_trabalho/trabalhos/GT%2002/barbara%20oliveira%20souza.pdf>. Acesso em: 2011.

WARREN, Ilse. Movimentos sociais e geração de novos direitos em tempos globais: o caso brasileiro. In: GOHN, M. da Glória; BRINGEL, Breno M. (Orgs.). Movimentos sociais na era global. Petrópolis: Vozes, 2012.