Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Um Gesto de Leitura Sobre a Produção Acadêmica: Sentidos de Gramática que Emergem

DOI: http://dx.doi.org/10.19180/1809-2667.v17n315-09

http://essentiaeditora.iff.edu.br/index.php/vertices 

downloadpdf

Munick M. H. Tres1

 

Resumo: Desenvolvemos um gesto de leitura e interpretação dos discursos presentes na produção acadêmica, que tomam a relação entre gramática e ensino como objeto de reflexão e estudo, buscando identificar quais representações de gramática e bases teóricas as orientam. Este trabalho é transdisciplinar, partindo da Análise do Discurso de corrente francesa, baseada em Pêcheux, relacionandose com a História das Ideias Linguísticas e a Linguística Aplicada. A bibliografia apresenta o que é a AD, a HIL e a LA; o que é uma produção acadêmica; a história da gramática, dentro e fora do Brasil, e como se dá seu processo de ensino. Para encontrar tais produções, utilizamos as palavras-chave ensino; gramática, e selecionamos para constituir o corpus de análise, quatro artigos de publicações dos últimos cinco anos (2009 a 2013) do site da SciELO. Para analisar, foram selecionadas sequências discursivas dos artigos, as quais apresentaram um constante movimento de ida e vinda entre o velho (ensino tradicional de gramática; língua imaginária) e o novo (gramática do texto; língua fluída). Pela análise concluímos que o ensino de base gramatical passa por uma reconstrução de sentidos e adaptação de métodos, visando à transformação deste processo, tornando-o relevante e contextualizado.

Palavras-chave: Produção acadêmica. Ensino de Gramática. Análise do Discurso. História das Ideias Linguísticas. Linguística Aplicada.

 

Abstract: We developed a gesture of reading and interpreting discourses found in academic productions, which takes the relationship between grammar and teaching as an object of reflection and study, while seeking to identify which representations of grammar and theoretical basis guide them. This is an interdisciplinary work, based on the French Discourse Analysis of Pecheux, related to the History of Linguistic Ideas, as well as Applied Linguistics. The review of the literature presents the AD, HIL and LA concepts; what an academic production is; the history of grammar in and out of Brazil, and its teaching process. To find such productions, we used the keywords "teaching" and "grammar", and selected four articles published within the last five years (2009-2013) on the SciELO site to make up corpus of analysis. For the analysis, we selected discursive sequences of the articles that presented a constant back and forth movement between the old (traditional grammar teaching; imaginary language) and the new (grammar text; fluid language). The analysis concluded that grammar teaching going through a period of rebuilding directions and adaptation of methods aiming at the transformation of this process, thus making it relevant and contextualized.

Key words: Academic production. Grammar Teaching. Discourse Analysis. History of Linguistic Ideas. Applied Linguistics.

 

1 Licenciada em Letras (Língua Portuguesa e Língua Inglesa) pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECO). Professora do Centro Educacional Exponencial, Chapecó/SC – Brasil. E-mail: munick@unochapeco.edu.br 

 

Literatura Citada

ALTMAN, Cristina. A pesquisa Linguística no Brasil (1968-1988). São Paulo: Humanitás/FFLCH/USP, 2004.

ANGELO, Graziela Lucci de. Revisitando o ensino tradicional de língua portuguesa. 2005, 265f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) - Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas.

ANTUNES, Irandé. Aula de Português: encontro e interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

AUROUX, Sylvain. A questão da origem das línguas, seguido de A historicidade das ciências. Campinas: Editora RG, 2008.

AUROUX, Sylvain. A revolução tecnológica da gramatização. Tradução: Eni Puccinelli Orlandi. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1992.

BACHELARD, Gaston. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BALDINI, Lauro José Siqueira. A nomenclatura gramatical brasileira interpretada, definida, comentada e exemplificada. Campinas, SP: [s.n.], 1999.

BAQUERO, Ricardo. Vygotsky e a aprendizagem escolar. Trad. Ernani F. da Fonseca Rosa. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

CELANI, Maria Antonieta Alba. Afinal o que é Linguística Aplicada? In: PASCHOAL, M. S. Z. de; CELANI, M. A. A. Linguística Aplicada: da aplicação da linguística à linguística transdisciplinar. São Paulo: EDUC, 1992. p.15-23.

DICIONÁRIO Priberam da Língua Portuguesa. Disponível em: <http://www.priberam.pt/dlpo/Default.aspx>. Acesso em: 11 maio 2014.

ECKERT-HOFF, Beatriz Maria. O dizer da prática na formação do professor. Chapecó: Argos, 2002. 122 p.

FARACO, Carlos Alberto. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

GERALDI, João Wanderley. Portos de Passagem. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

GIL, Gloria; RAUBER, Andréia Schurt (Orgs.). In: CONGRESSO LATINOAMERICANO SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS, 1., 2007, Florianópolis, UFSC. Anais...

GUIMARÃES, Eduardo. Linguagem e Conhecimento: Produção e Circulação da Ciência. RUA [online],, n. 15, v. 2, 2009. ISSN 1413 – 2109.

GUIMARÃES, Eduardo. Sinopse sobre os Estudos do Português no Brasil: Relatos 1. Campinas. Unicamp, 1994.

HORTA NUNES, José. Uma articulação da análise do discurso com a história das ideias linguísticas. 2007. Disponível em: <http://www.unicamp.br/iel/hil/producao.html#jose_horta> . Acesso em: 29 mar. 2013.

LUZ, Mary Neiva Surdi da. O discurso de entremeio na formação de professores de língua portuguesa. 2010 . Tese (Doutorado em Letras) – UFSM. PPGLetras.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Afinal, o que é Linguística Aplicada? In: MOITA LOPES, L. P. da. Oficina de Linguística Aplicada: A natureza social e educacional dos processos de ensino/aprendizagem. Campinas, SP: Mercado das Letras, 1996.

ORLANDI, Eni P. Análise do discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 4ª edição, 2002.

ORLANDI, Eni P. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes, 2001.

ORLANDI, Eni P. O estado, a gramática, a autoria: língua e conhecimento linguístico. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, v. 4 e 5, p. 19-34, 2000.

ORLANDI, Eni P. Metalinguagem e gramatização no Brasil: gramática-filologia-linguística. ANPOLL, 2000.

ORLANDI, Eni P. O que é linguística. 2ª ed. São Paulo: Brasiliense, 2009.

ORLANDI, Eni P.; SOUZA, Tania C. C. A língua imaginária e a língua fluida: dois métodos de trabalho com a linguagem. In: ORLANDI, Eni P. Política Linguística na América Latina. Campinas, SP: Pontes, 1988.

PIETRI, Emerso de. A formação do professor de língua portuguesa e as propostas de mudança em concepções de linguagem e de ensino. In: CONGRESSO LATINOAMERICANO SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS, 1., 2006 , Florianópolis, SC.

SACCONI, Luiz Antonio. Novíssima gramática ilustrada Sacconi. São Paulo: Nova Geração, 2008.

SciELO - Scientific Electronic Library Online. Disponível em: <http://www.scielo.br/?lng=pt> . Acesso em: 1 dez. 2013.

SERRANI, Silvana. Formações discursivas e processos identificatórios na aquisição de línguas. São Paulo: DELTA, 1997. v. 13, n. 1.

SILVA, Rosa Virgínia Mattos e. Tradição gramatical e gramática tradicional. São Paulo: Contexto, 1989.

SOUSA SANTOS, Boaventura de. Um discurso sobre as ciências. 7ª. ed. Porto: Afrontamento, 1995.

UCHÔA, Carlos Eduardo Falcão. O ensino da gramática: caminhos e descaminhos. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

VALENTE, Wagner Rodrigues. Saber científico, saber escolar e suas relações: elementos para reflexão sobre didática. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 4, n. 10 , p. 57-67,set./dez. 2003.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. Pensamento e Linguagem. Trad. Jefferson Luiz Camargo. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.