Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Problematizando o Cuidado em Saúde Mental: A Profissionalização do Care a Partir dos Serviços Residenciais Terapêuticos

DOI: http://dx.doi.org/10.19180/1809-2667.v17n315-10

http://essentiaeditora.iff.edu.br/index.php/vertices 

downloadpdf

Rachel G. Passos1

 

Resumo: O presente artigo pretende apresentar o modo de operar o care nas práticas das residências terapêuticas. Busca retratar a influência da experiência da reforma psiquiátrica democrática italiana na realidade brasileira, destacando as dimensões interventivas e os serviços substitutivos construídos. Aponta as diretrizes e estratégias constituídas para a promoção do cuidado da pessoa em sofrimento psíquico no processo de desinstitucionalização, além de abordar e trazer para o debate a profissionalização e a atuação das cuidadoras nos serviços residenciais terapêuticos. Nesse sentido, retrata, por meio de revisão bibliográfica, alguns questionamentos para se pensar os caminhos traçados na construção e constituição do fazer profissional dos cuidadores em saúde mental.

Palavras-chave: Care. Cuidadores. Mulheres. Reforma Psiquiátrica. Saúde Mental.

 

Abstract: This article aims to present how to operate home health care practices. It describes the influence of the experience given by the Italian psychiatric reform in democratic societies, with emphasis on the intervening dimensions and replacement services. The study indicates the guidelines and strategies established for the promotion of health care in individuals under psychological distress in the deinstitutionalization process. It also addresses the professionalization and the performance of caretakers in home services. Based on a review of the literature, this paper poses some questions to guide the ways outlined for the construction and establishment of professional practices by mental health caregivers.

Key words: Care. Caregivers. Women. Psychiatric Reform. Mental Health.

 

1 Doutoranda em Serviço Social pela PUC/SP. Mestre em Política Social pela UFF. Especialista em Saúde Mental e Atenção Psicossocial pela ENSP/FIOCRUZ. Assistente Social – Brasil. E-mail: rachel.gouveia@gmail.com.

 

Literatura Citada

AlVES, Domingos Sávio; GUlJOR, Ana Paula. O Cuidado em Saúde Mental. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (Orgs.) Cuidado: as fronteiras da integralidade. Rio de Janeiro: Hucitec/ABRASCO, 2004.

AMARANTE, Paulo Duarte de Carvalho. (Org.). Loucos pela Vida: Trajetória da Reforma Psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: SNE / ENSP, 1995.

AMARANTE, Paulo Duarte de Carvalho. Saúde Mental e Atenção Psicossocial. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2007.

AMARANTE, Paulo Duarte de Carvalho. O Homem e a Serpente: outras histórias para a loucura e a psiquiatria. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2008.

BARROS, Denise D. Jardins de Abel: desconstrução do manicômio de Trieste. São Paulo: EDUSP/lemos, 1994.

BARROS, Regina B.; JOSEPHSON, Silvia. lares Abrigados: dispositivo clínicopolítico no impasse da relação com a cidade. Revista Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 25, n. 58, p. 57-69, maio/ago. 2001.

BASAGlIA, Franco. Escritos Selecionados: em saúde mental e reforma psiquiátrica. Organização Paulo Amarante; tradução Joana Angélica d’ ávila Melo. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

BElMONTE, Pilar. O Campo da Atenção Psicossocial: formar e cuidar no curso de qualificação diária em saúde mental (CBAD). Revista Trabalho, Educação e Saúde, v. 4, n. 1 , p. 187-198, 2006. Disponível em: <http://www.revista.epsjv.fiocruz.br/index.php?Area=NumeroAnterior&Num=133&Idioma=pt-br&Esp=26>. Acesso em: 20 maio 2013.

BRASIl. Ministério da Saúde. Residências Terapêuticas: o que são, para que servem. Brasília, DF, 2004.

BRASIl. Ministério da Saúde. Portaria GM n.º 336/2002: Estabelece os CAPS enquanto modalidades de serviços ao atendimento das pessoas portadoras de transtorno mental. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 2002.

BRASIl. Ministério da Saúde. lei n.º 10216/2001: Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 2001.

BRASIl. Ministério da Saúde. Portaria GM n.º 106/2000: Cria os serviços residenciais terapêuticos, moradias ou casas inseridas na comunidade destinadas a cuidar dos portadores de transtornos mentais, egressos de internações psiquiátricas de longa permanência. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 2000.

BRASIl. Ministério da Saúde. Portaria GM n.º 1220/2000: Cria nas tabelas de serviços e de classificação de serviços SAI/SUS os serviços residenciais terapêuticos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 2000.

BRASIl. Ministério da Saúde. Diretrizes para a área da Saúde Mental. Brasília, DF: Divisão Nacional de Saúde Mental, Ministério da Saúde, 1980.

COMBA, l. J. “C-mulheres”: o último setor fechado. In: BASAGlIA, Franco (Org.). A Instituição Negada. Tradução Heloisa Jahn. 3. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

COSTA, J.F. A História da Psiquiatria no Brasil: um corte ideológico. 5. ed. Rio de Janeiro: Garamound Universitária, 2007.

FERREIRA, Gina. Desinstitucionalização e Integralidade: um estudo do processo da Reforma Psiquiátrica no Brasil. In: GUlJOR, A. P.; GOMES, A.; MATTOS, S. A. (Orgs.). Desinstitucionalização na Saúde Mental: contribuições para estudos avaliativos. Rio de Janeiro: CEPESC/IMS/ABRASCO, 2007.

FERREIRA, Gina. A Reforma Psiquiátrica no Brasil: uma análise sócio-política. Psicanálise e Barroco: Revista de Psicanálise, [S.l.], v. 4, n. 1, p. 77-85, jun. 2006. Disponível em: < http://www.psicanaliseebarroco.pro.br/revista/revistas/07/REFORMA.pdf>. Acesso em: 09 jan. 2014.

FREIRE, Flávia Helena Miranda de Araújo. Residência Terapêutica: inventando novos lugares para se viver. In: Banco de Textos da Micropolítica do Trabalho e o Cuidado em Saúde. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008. Disponível em: <http://www.medicina.ufrj.br/micropolitica/pesquisas/atencaodomiciliar/textos/residencia_terapeutica.pdf>. Acesso em: 09 jan. 2014.

GUIMARÃES, Nadya Araujo; HIRATA, Helena Sumiko. “Cuidado e Cuidadoras: o trabalho do CARE no Brasil, França e Japão”. Revista Sociologia e Antropologia, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 151-180, 2011. Disponível em: <http://revistappgsa.ifcs.ufrj.br/pdfs/ano1v1_artigo_nadya-guimaraes-helena-hirata-kurumi-sugita.pdf>. Acesso em: 10 set. 2013.

HIRATA, H. Teorias e Práticas do CARE: estado sucinto da arte, dados de pesquisa e pontos em debate. In: FARIA, Nalu; MORENO, Renata (Org.). Cuidado, Trabalho e Autonomia das Mulheres. São Paulo: SOF, 2010. (Coleção Cadernos Sempreviva. Série Economia e Feminismo, 2). Disponível em: <http://br.boell.org/downloads/SOF_cuidado_trabalho_e_autonomia_das_mulheres.pdf>. Acesso em: 18 out. 2013.

lEAl, Eroltides Maria; DElGADO, Pedro Gabriel. Clínica e Cotidiano: o CAPS como dispositivo de desinstitucionalização. In: GUlJOR, A.P.; GOMES, A.; MATTOS, S.A. (Orgs.) Desinstitucionalização na Saúde Mental: contribuições para estudos avaliativos. Rio de Janeiro: CEPESC/IMS/ABRASCO, 2007.

lOPES, M.J. Divisão do trabalho e relações sociais: pensando a realidade das trabalhadoras do cuidado de saúde. In: lOPES, M.J.M.; MEYER, D.E.; WAlDW, V.R. (Orgs.) Gênero e Saúde. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

NICáCIO, M. F. “Da Instituição Negada à Instituição Inventada”. In: lANCETTI, A. (Org.). 3. ed. São Paulo: Ed. Hucitec, 1989. (Saúde loucura, n. 1).

PASSOS, Rachel Gouveia. Mulheres, Cuidados e Maternalismos na Reforma Psiquiátrica Brasileira: o lado oculto da história. 2011. Dissertação (Mestrado em Política Social) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2011.

RIBEIRO NETO, Pedro Machado; AVEllAR, luziane Zacché. “Conhecendo os cuidadores de um serviço residencial terapêutico”. Revista Mental, Barbacena, v.7, p. 109-126, 2009 . Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_artt ext&pid=S167944272009000200008>. Acesso em: 06 jan. 2014

ROSA, l. Provimento do cuidado doméstico à pessoa com transtorno mental: a questão de gênero em evidência. In: VASCONCElOS, E. M. (Org.) Abordagens Psicossociais: perspectivas para o Serviço Social. São Paulo: Editora Hucitec, 2009a. v. 3.

ROSA, l. A família como usuária de serviços e como sujeito político no processo de reforma psiquiátrica. In: VASCONCElOS, E. M. (Org.) Abordagens Psicossociais: perspectivas para o Serviço Social. São Paulo: Editora Hucitec, 2009a. v. 3.

ROTEllI, F. (Org.) Desinstitucionalização uma Outra Via: a reforma psiquiátrica italiana no contexto da Europa Ocidental e dos ‘Países Avançados. In: ROTEllI, F.; lEONARDIS, O.; MAURI, D. Desinstitucionalização. São Paulo: Ed. Hucitec, 1990.

SPRIOlI, Neila; COSTA, Maria Cristina. Cuidar em Novo Tempo: o trabalho de cuidadores com pacientes psiquiátricos em moradias. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 19, n. 5, set./out., 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010411692011000500013&script=sci_arttext&tlng=pt>. Acesso em: 06 jan. 2014.

YASUI, S. Rupturas e Encontros: desafios da Reforma Psiquiátrica Brasileira. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2010.