Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Os Impactos da Agricultura Urbana na Qualidade da Água na Nascente do Igarapé do Mindu - Comunidade Nova Esperança (Manaus – AM)

DOI: http://dx.doi.org/10.17552/2358-7040/bag.v2n4p1-9

http://boletimamazonicodegeografia.ufpa.br/index.php/revista 

downloadpdf

Samara A. Maia1, Flávio Wachholz2, Robson G. Santos3 & João C. Ferreira Júnior4

 

Resumo: O homem modifica a natureza, principalmente com a prática da agricultura e a instalação/expansão das áreas urbanas. Com essas transformações tem alterado significativamente os cursos d’água, ressaltando os problemas de erosão das margens, assoreamento e deterioração da qualidade da água. O objetivo do trabalho foi de identificar os impactos ambientais em uma das nascentes do igarapé do Mindu, localizada na Zona Leste (Comunidade Nova Esperança) da área urbana de Manaus – AM. A metodologia consistiu na realização de trabalho de campo para a identificação dos usos antrópicos do igarapé e de sua bacia hidrográfica. O levantamento dos dados de campo foi realizado em onze pontos amostrais para coleta de amostras de água para a realização das seguintes medidas: temperatura, pH, condutividade elétrica, turbidez, oxigênio dissolvido. A temperatura da água foi crescente de 29,6 a 30,6 no sentido do igarapé, devido à ausência de mata ciliar e a realização da dragagem do canal no baixo curso. As variáveis pH e condutividade elétrica aumentaram no sentido do igarapé, com valores de 6,6 a 7,7 e 0,16 a 0,32 mS/cm, respectivamente; associado possivelmente a ampliação das áreas de horticultura que se utilizam de fertilizantes. O oxigênio dissolvido apresentou valores com pouca variação pois oscilaram entre 4,2 a 4,8 mg/L. A turbidez foi menor na nascente com 9 NTU e oscilou no curso de acordo com a presença de barragens, visto que onde está estava ausente o valor foi de 68 NTU. Conforme as variáveis de qualidade da água analisadas, a maioria delas sofre influência antrópica pelas áreas de horticultura, retirada de mata ciliar, dragagem e a construção de pequenas barragens no igarapé.

Palavras-chave: Impactos ambientais, ação antrópica, bacia hidrográfica.

 

Abstract: Man changes the nature, especially with the agriculture practicing and the establishment expansion of urban areas. With these changes has significantly changed the waterways, highlighting problems of margins erosions, silting and deterioration of water quality. The objective was to identify the environmental impacts of the creek's headwaters of Mindu, located in the East Side (Nova Esperança Community) the urban area of Manaus - AM. The methodology consisted of field work to identify the anthropogenic uses of the stream and its watershed. The survey of field data was carried out in eleven sampling points for collecting water samples to carry out the following measures: temperature, pH, conductivity, turbidity, dissolved oxygen. The water temperature was increased in the amount of 29.6 sense and 30, 6ºC in the downstream of the stream, in the absence of riparian vegetation and the realization of the channel dredging in the lower course. The pH and conductivity increased in the direction variables of the stream, with values of 6.6 the 7.7 and the 0.16 0.32 mS/cm, respectively; possibly associated with the expansion of horticultural areas that use fertilizers. The dissolved oxygen values showed little variation since ranged from 4.2 to 4.8 mg/L. Turbidity was lower in the east with 9 NTU and fluctuated in the course according to the presence of dams, since that is where he was absent the value was 68 NTU. As the water quality variables, most of which is influenced by anthropogenic horticultural areas, removal of riparian vegetation, dredging and the construction of small dams on the stream.

Key words: Environmental impacts, human action, watershed.

 

1 Bolsista PAIC/FAPEAM, Curso de Geografia, Escola Normal Superior, Universidade do Estado do Amazonas – UEA. E-mail: samara.geouea@gmail.com
2 Professor Doutor, Curso de Geografia, Escola Normal Superior, Universidade do Estado do Amazonas – UEA. E-mail: fwalemao@gmail.com
3 Bolsista CENSIPAM/ CR, Curso de geografia, Escola Normal superior, Universidade do Estado do Amazonas – UEA. E-mail: robson.santos@simpam.gov.br
4 Aluno do Curso de geografia, Escola Normal superior, Universidade do Estado do Amazonas – UEA. E-mail: jrfenty@gmail.com

 

Literatura Citada

ALMEIDA, Otávio Álvares de. Qualidade da água de irrigação. Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura, 2010.

BERTONI, Joaquim; LOMBARDI, Francisco. Conservação do solo. 4. ed. São Paulo: Ícone, 1999.

DREW, David. Processos Interativos: homem – meio ambiente. 7. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

HORBER, A. M. C, OLIVEIRA, L. G. S. Química de igarapés de água preta do nordeste do Amazonas - Brasil v.38, n4. Acta Amazônica, 2008.

IDAM, Instituto de desenvolvimento agropecuário e florestal do Estado do Amazonas. Levantamento para diagnóstico da Comunidade Nova Esperança, 2009.

MERTEN, Gustavo e MINELLA, Jean. Qualidade da água em bacias hidrográficas rurais: um desafio atual para a sobrevivência futura. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, v. 3, n. 4, 2002.

ROESE, A. D. & dos REIS, V. D. A. Pré-diagnóstico da situação da horticultura em Puerto Suarez, Bolívia. EMBRAPA Pantanal, 2003.

SEINFRA, Estudo prévio de impacto ambiental: diagnóstico ambiental, 2012.

TUCCI, Carlos Eduardo Morelli. Plano diretor de drenagem urbana: princípios e concepção. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 2, n. 2, p. 5-12, 1997.