Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

O Paradoxo da Água na Amazônia Brasileira: Uma Análise Sobre a Problemática de Abastecimento de Água no Bairro do Algodoal em Abaetetuba/PA

DOI: http://dx.doi.org/10.17552/2358-7040/bag.v2n4p10-21

http://boletimamazonicodegeografia.ufpa.br/index.php/revista 

downloadpdf

Érika R. F. Ribeiro1, Carlos A. L. Bordalo2, Jones R. B. Vale3 & Juan P. H. Rojas4

 

Resumo: A disponibilidade de água doce é um dos principais problemas enfrentados pela comunidade mundial no século XXI, a região amazônica tem uma abundancia de recursos hídricos, no entanto, o abastecimento de água doce e potável tem sido um dos principais problemas enfrentados pela sua população. Este artigo tem por objetivo fazer uma análise sobre o paradoxo da água vivenciado pelos moradores do bairro do Algodoal no município de Abaetetuba/PA, que apesar de se localizarem a margens dos rios Maratauíra e Jaquarequara, a população enfrenta problemas referentes ao precário abastecimento de água. Desta forma, primeiramente apresenta-se uma análise sobre a expansão da cidade de Abaetetuba as margens do rio Maratauíra, no segundo momento foi feita uma discussão sobre o paradoxo da água na Amazônia brasileira e por último será analisado o bairro do Algodoal que expressa uma realidade típica da região amazônica, de uma população que vive as margens do rio, mas que não tem acesso à água potável. Para realização do estudo foram realizadas pesquisas bibliográficas e documentais, além de registros fotográficos. Os resultados mostram que mesmo ser uma localidade cercada por água, a população sofre com problemas de abastecimento, principalmente, por conta da ausência de infraestrutura pública, fato que não é exclusivo do bairro de Algodoal, mas de muitas cidades ribeirinhas na Amazônia, ou seja, a disponibilidade hídrica não significa que a população será beneficiada com este recurso.

Palavras-chave: Água; Paradoxo; Amazônia

 

Abstract: The availability of fresh water is a major problem facing the world community in the XXI century, the Amazon region has an abundance of water resources, however, the sweet and drinking water has been one of the main problems faced by the population. This article aims to make an analysis of the water paradox experienced by the residents of Algodoal the neighborhood in the town of Abaetetuba/PA, which despite being located on the banks of Maratauíra and Jaquarequara rivers, the population faces problems related to poor water supply. Thus, first we present an analysis of the expansion of the town of Abaetetuba the banks of Maratauíra river, the second time will be a discussion of the paradox of water in the Brazilian Amazon and lastly will analyze the Algodoal the neighborhood that expresses a typical reality the Amazon region, a population living on the banks of the river, but without access to clean water. To conduct the study were carried out bibliographic and documentary research, as well as photographic records. The results show that even be a location surrounded by water, the population suffers from supply problems, mainly because of the lack of public infrastructure, a fact that is not unique to Algodoal neighborhood, but in many cities river in the Amazon, so, water availability does not mean that the population will benefit from this feature.

Key words: Water. Paradox. Amazon.

 

1 Discente do PPGEO/UFPA erikadearies@yahoo.com.br
2 Docente do PPGEO/UFPA carlosbordalo@oi.com.br
3 Discente do PPGEO/UFPA jonesremo@hotmail.com
4 Discente do PPGEO/UFPA pablo.heredia.rojas@gmail.com

 

Literatura Citada

ALENCAR, Isa Costa.; RIBEIRO, Érika Renata Farias. Análise da ocupação da Chicolândia em Abaetetuba/PA: Uma proposta de gestão ambiental sustentável. In: CONGRESSO DA CONFERÊNCIA LATINO AMERICANA DE GEÓGRAFOS (CLAG), 33., 2015, Fortaleza. Anais... Universidade Federal do Ceará: 2015, p.88.

ALVES, Cledson Nahum. Gestão ambiental e planejamento urbano em Abaetetuba: uma análise a partir das concepções e ações do poder público local. 2007. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal do Pará, Belém.

ANA – Agencia Nacional de Água; CEBDES-Conselho Empresarial para o Desenvolvimento do Brasil. Rumo a mudança: Fatos e Tendências Água . República federativa do Brasil, Ministério de meio Ambiente, Brasília: 2009. Disponível em:<http://arquivos.ana.gov.br/institucional/sge/CEDOC/Catalogo/2006/AguaFatosETendencias.pdf> Acesso em: 13 set. 2015.

ARAÚJO, Glauco et al. Qualidade físico-química e microbiológica da água para o consumo humano e a relação com a saúde: estudo em uma comunidade rural no estado de São Paulo. O Mundo da Saúde, v.35, n.1, p. 98-104, 2011.

BECKER, Bertha. Inserção da Amazônia na geopolítica da água. In: ARAGÓN, Luis.; CLUSENER-GODT, Miguel. (Orgs.) Problemática do uso local e global da água da Amazônia. Belém: NAEA/UFPA/UNESCO. 2003.

BERNARDI, Ewerthon et al. Bacia hidrográfica como unidade de gestão ambiental. DisciplinarumScientia. Série: Ciências Naturais e Tecnológicas, Santa Maria, v. 13, n. 2, p. 159-168, 2012.

BORDALO, Carlos et al. Os desafios da gestão das águas nas metrópoles da Amazônia: uma análise do modelo de gestão pública dos sistemas de abastecimento de água na região metropolitana de Belém-PA. Revista Geonorte, Edição Especial, V.3, N.4, p. 1181-1193, 2012.

BRAGA, Flávia. Paisagem, memória, gestão: o risco como elemento de planejamento. In: TERRA, Carlos (Org). Avesso da paisagem 2:ruptura, desordem e risco no ambiente urbano.Rio de janeiro: Rio Book’s, 2012.

COSTA, Wanderley. Valorizar a água da Amazônia: uma estratégia de inserção nacional e internacional. In: ARAGÓN, Luis.; CLUSENER-GODT, Miguel. (Orgs.) Problemática do uso local e global da água da Amazônia. Belém: NAEA/UFPA/UNESCO. 2003.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional de saneamento básico 2000. Rio de Janeiro, 2002.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Base de informações do Censo Demográfico 2010: Resultados do universo por setor censitário – Documentação do arquivo. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2011.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional de saneamento básico 2008. Rio de Janeiro, 2010.

LARSEN, Daniel. Diagnóstico do saneamento rural através de metodologia participativa. Estudo de caso: bacia contribuinte ao reservatório do rio verde, região metropolitana de Curitiba, PR. 2010. 182 f. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

REBOUÇAS, Aldo. 2003. O Paradoxo brasileiro. Cadernos Le Monde Diplomatique, 3 p.38-41. Disponível em <https://aldeiacomum.files.wordpress.com/2011/06/texto-o-paradoxo-brasileiro.pdf> Acesso em 10 de jun. 2015.

TRINDADE JR., Saint-Clair et.al. Espacialidades e temporalidades urbanas na amazônia ribeirinha: mudanças e permanências a jusante do rio Tocantins. ACTA Geográfica,Ed. Espe. Cidades na Amazônia Brasileira, 2011.pp.117-133. Disponível em:<http://revista.ufrr.br/index.php/actageo/article/view/544> Acesso: 02 de jun. 2015.

VENTURI, Luis Antonio Bittar. Recurso Natural: a construção de um conceito. GEOUSP: Espaço e Tempo, São Paulo, nº 20, pp.09-17,2006.