Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Análise sobre Atenção Multiprofissional em Situação de Negligência com Criança

DOI: http://dx.doi.org/10.19180/1809-2667.v17n215-10

http://essentiaeditora.iff.edu.br/index.php/vertices 

downloadpdf

Debora H. do Nascimento1 & Rosana M. Paiva2

 

Resumo: Sabe-se que o profissional de saúde é um dos responsáveis pela identificação, acompanhamento, notificação e articulação de mecanismos de proteção de crianças e adolescentes vítimas de maus-tratos. O principal objetivo deste estudo é analisar a abordagem do profissional de saúde, em situações de negligência com a criança. É um estudo descritivo e interpretativo, que foi realizado no Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira. O público-alvo são os profissionais de saúde que atuam nas enfermarias pediátricas. Entre os resultados apontados, está a falta de preparação dos profissionais com relação ao tema abordado tanto durante quanto após a graduação.

Palavras-chave: Violência. Negligência com a criança. Profissional de saúde.

 

Abstract: It is known that the health care professional is the one responsible for identifying, monitoring, reporting and coordinating protection mechanisms for children and adolescents as victims of abuse. The main objective of this study is to analyze the health care professional approach in child neglect situation. It is a descriptive and interpretive study conducted at the Martagão Gesteira Institute of Pediatrics. The target audience are health care professionals who work in the pediatric wards. Among the results, the lack of professional training in the area is identified both during and after graduation.

Key words: Violence. Child neglect. Health care professional.

 

1 Assistente Social especialista em Serviço Social em Oncologia e Mestranda em Serviço Social no Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro/RJ - Brasil. E-mail: deboranascimento_80@hotmail.com
2 Assistente Social. Professora associada da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro/RJ - Brasil. E-mail: rmorgadopaiva@hotmail.com

 

Literatura Citada

BRASIL. Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente, Rio de Janeiro: Câmara Municipal do Rio de Janeiro, 2010.

BRASIL. Resolução nº 218 de 06 de março de 1997. Regulamentação das Profissões de Saúde, Brasília: Conselho Nacional de Saúde, 1997.

BRASIL. Ministério da Saúde. Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências. Brasília, 2010. Orientação para gestores e profissionais de saúde.

BRASIL. Ministério da Saúde. Painel de indicadores do SUS: prevenção de violências e cultura de paz. Brasília, v. 3, n. 5, nov. 2008.

DELFINO, V. et al. A identificação da violência doméstica e da negligência por pais de camada média e popular. Texto Contexto Enferm., Florianópolis, n. 14, p. 38-46, 2005. Edição especial.

FERREIRA, A. L.; SCHRAMM, F. R. Implicações éticas da violência doméstica contra a criança para profissionais de saúde. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 34, n. 6, dez. 2000.

FERREIRA, A. L. Acompanhamento de crianças vítimas de violência: desafios para o pediatra. Jornal de Pediatria, Sociedade Brasileira de Pediatria, p. 173-180.

FEUERWERKER, L. C. M. Educação dos profissionais de saúde hoje: problemas, desafios, perspectivas e as propostas do Ministério da Saúde. Rev. ABENO, v. 3, n. 2, jan./dez. 2003.

FOLLARI, R. A. Interdisciplina e dialética: sobre um mal-entendido. In.: JANISCH, A. P.; BIANCHETTI, L. Interdisciplinaridade: para além da filosofia do sujeito. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

GUIA de atuação frente a maus-tratos na infância e na adolescência. Sociedade Brasileira de Pediatria; Centro Latino-Americano de Estudos de Violência e Saúde Pública; Escola Nacional de Saúde Pública; Secretaria de Estado dos Direitos Humanos; Ministério da Justiça. 3. ed. Rio de Janeiro. jun. 2005.

MARTINELLI, M. L. Serviço social em hospital: escola: um espaço diferenciado de ação profissional. Serviço Social & Comunidade, Campinas, SP, v. 1, n. 1, p. 1-11, 2002.

MINAYO, C. DE S. (Org.); Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 27. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

MINAYO, M. C. de S. Violência: um tema que a realidade social impõe à atenção médica. Revista Digital de Educação Permanente em Saúde, v. 1, n. 1, set./dez. 2004.

MONTEIRO, F. de O. Plantão social: espaço privilegiado para identificação/notificação de violência contra crianças e adolescentes. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 103, jul./set. 2010.

MORGADO, R. Família(s) e relações de gênero. Praia Vermelha, n. 5, 2. sem. 2001.

NEVES, A. S; ROMANELLI, G. A violência doméstica e os desafios da compreensão interdisciplinar. Estudo de Psicologia, Campinas, v. 23, n. 3, jul./set. 2006.

PEREIRA, A. L. de F. As tendências pedagógicas e a prática educativa nas ciências da saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, n. 5, p. 1527-1534, set./out. 2003.

PESSOA, J. H. L. Os pediatras e os maus-tratos na infância e na adolescência. Rev. Paul Pediatr., v. 29, n. 2, p. 136-137. 2011.

SALIBA, O et al. Responsabilidade do profissional de saúde sobre a notificação de casos de violência doméstica. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 41, n. 3, jun. 2007.

SILVA, C. C. da. Contextualizando a questão da violência no âmbito familiar. In: BARROS, N. V; SOCHACZEWSKI, J. (Org.). Violência: múltiplas abordagens. Niterói: UFF, 1999. p. 89-90.