Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Escrita de João de Barros no Reinado de Dom João III

DOI: http://dx.doi.org/10.21491/2237-3217/mnemosine.v6n1p8-31

http://mnemosinerevista.wix.com/ppgh-ufcg 

downloadpdf

Rubens L. Panegassi1

 

Resumo: O objetivo deste artigo é contextualizar a produção do humanista português João de Barros. Tendo em vista a multiplicidade de seus escritos, nosso interesse é compreendê-los em paralelo a um posicionamento político consciente do autor. Diante disso, primeiramente apresentamos uma descrição sumária de sua obra e, em seguida, procuramos articulá-la à experiência política experimentada pelo reino português ao longo do governo de Dom João III.

Palavras-chave: João de Barros; Política; Dom João III.

 

Abstract: The purpose of this article is to contextualize the writings of Portuguese humanist João de Barros. Given the multiplicity of his writings, our interest is to understand them in parallel on a conscious political positioning of the author. To do this, first we present a brief description of the work of João de Barros. Then we try to articulate his writings with the political experience of the Portuguese kingdom in the reign of Dom João III.

Key words: João de Barros; Politics; Dom João III.

 

1 Graduado, Mestre e Doutor em História pela Universidade de São Paulo (USP). Professor do Departamento de História da Universidade Federal de Viçosa (UFV). E-mail: rubenspanegassi@gmail .com

 

Literatura Citada

ANDRADE, António Alberto Banha de. João de Barros: historiador do pensamento humanista português de quinhentos. Lisboa: Academia Portuguesa da História, 1980.

BAIÃO, António. Introdução. In: BARROS, João de. Ásia de Joam de Barros: dos feitos que os portugueses fizeram no descobrimento e conquista dos mares e terras do oriente. 4. ed. rev. e prefaciada por António Baião. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1998. Edição fac-similar.

BARROS, João de. Ásia de Joam de Barros: dos feitos que os portugueses fizeram no descobrimento e conquista dos mares e terras do oriente. 4. ed. rev. e prefaciada por António Baião. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1998. v. 1-3. Edição fac-similar.

BARROS, João de. Ásia de João de Barros. Oxford: Centre for the Study of the PortugueseDiscoveries, 1992. Eletronic edition.

BARROS, João de. Cartinha com os preceitos e mandamentos da Santa Madre Igreja: ou Gramática da Língua Portuguesa. Organizado por Gabriel Antunes de Araujo. São Paulo: Humanitas; Paulistana, 2008.

BARROS, João de. Chronica do emperador Clarimundo, donde os reys de Portugal descendem. 4. impr. Lisboa: Officina de Francisco da Sylva, 1742.

BARROS, João de. Décadas da Ásia de João de Barros: dos feitos que os portugueses fizeram no descobrimento dos mares e terras do Oriente. Lisboa: Régia Officina Typografica, 1777-1788. v. 1-6.

BARROS, João de. Dialogo da viçiosa vergonha. Olyssipone: Lodouicum Rotorigiu[m], 1540.

BARROS, João de. Dialogos de preceitos moraes co[m] prática delles, em módo de iogo. Lisboa: L. Rodriguez, 1540.

BARROS, João de. Diálogo em louvor da nossa linguagem. In: Diálogos em defesa e louvor da Língua Portuguesa. Edição, introdução e notas de Sheila Moura Hue. Rio deJaneiro: 7 Letras, 2007, p. 39-84.

BARROS, João de. Diálogo evangélico sobre os artigos de fé contra o Talmud dos judeus. Introdução e notas de I. S. Révah. Lisboa: Studium, 1950.

BARROS, João de. Grammatica da Lingua Portuguesa. Olyssipone: Lodouicum Rotorigiu Typographum, 1540.

BARROS, João de. ‘Grammatices rudimenta’ (1540). In: BUESCU, Maria Leonor Carvalhão. Os ‘Grammatices rudimenta’ de João de Barros. Paris: Fundação Calouste Gulbenkian, 1972, p. 93-140. (Arquivos do Centro Cultural Português, v. 4).

BARROS, João de. Panegíricos (Panegírico de D. João III e da Infanta D. Maria). Texto restituído, prefaciado e notas pelo prof. M. Rodrigues Lapa. Lisboa: Sá da Costa, 1943.

BARROS, João de. Ropicapnefma. Reprodução fac-similada da edição de 1532. Leitura modernizada, notas e estudo de I. S. Révah. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1983. v. 2.

BATAILLON, Marcel. Études sur le Portugal au temps de l’humanisme. Coimbra: Acta Universitatis Conimbrigensis, 1952.

BIEDERMANN, Zoltán. Nos primórdios da antropologia moderna: a Ásia de João de Barros. Anais de História de Além-Mar, v. 4, p. 29-61, 2003.

BOXER, Charles R. João de Barros, portuguese humanist and historian of Asia. New Delhi: Concept Publishing Company, 1981.

BUESCU, Ana Isabel. João de Barros: humanismo, mercancia e celebração imperial. Oceanos. Lisboa: Comissão Nacional para a Comemoração dos Descobrimentos Portugueses, n. 27, p. 10-24, 1996.

COELHO, António Borges. João de Barros: vida e obra. Lisboa: Grupo de Trabalho do Ministério da Educação para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1997.

COELHO, António Borges. Tudo é mercadoria: sobre o percurso e obra de João de Barros. Lisboa: Caminho, 1992.

COELHO, António Borges. Tópicos para o estudo da relação Universidade/Inquisição (séculos XVIXVII). In: TENGARRINHA, José (Coord.). A historiografia portuguesa hoje. São Paulo: Hucitec, 1999, p. 101-115.

CONTI, Lígia Nassif. Um projeto pedagógico às margens da expansão: João de Barros e seu ideal moralizador. Franca, 2005. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual Paulista.

COUTO, Aires do. Panegíricos de D. João III de dois humanistas de quinhentos: João de Barros e Inácio de Morais. Máthesis, n. 9, p. 37-67, 2000.

FARIA, Manuel Severim de. Vida de João de Barros por Manuel Severim de Faria e indice geral das quatro décadas da sua Ásia (1624). Lisboa: Régia Officina Typografica, 1777-1788.

FEITLER, Bruno. O catolicismo como ideal: produção literária antijudaica no mundo português da Idade Moderna. Novos Estudos CEBRAP, n. 72, p. 137-158, 1975.

FILORAMO, Giovanni. Monoteísmos e dualismos: as religiões de salvação. Trad. Camila Kintzel. São Paulo: Hedra, 2005.

FONTANA, Josep. História: análise do passado e projeto social. Trad. Luiz Roncari. Bauru, SP: EDUSC, 1998.

GÓIS, Damião de. Chronica do felicissimo rei Dom Manuel. Lisboa: Casa de Francisco Correa, 1566.

HAHN, Fábio André. A pureza da fé: o antijudaísmo pacífico de João de Barros no Portugal Quinhentista. Rio de Janeiro, 2009. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade Federal Fluminense.

HIRSCH, Elisabeth Feist. Damião de Góis. Trad. Lia Correia Raitt. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1987.

HUE, Sheila Moura. Introdução. In: Diálogos em defesa e louvor da Língua Portuguesa. Edição, introdução e notas de Sheila Moura Hue. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2007, p. 9-35.

MEGIANI, Ana Paula Torres. O jovem rei encantado: expectativas do messianismo régio em Portugal, século XIII a XVI. São Paulo: Hucitec, 2003.

MARCOCCI, Giuseppe. A consciência de um império: Portugal e o seu mundo (sécs. XV-XVII). Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2012.

MARIGUELA, Adriana Duarte Bonini. Circularidade no século dezesseis: emergência da similitude na Cartinha de João de Barros e no Cathecismo de Dom Diogo Ortiz. Campinas, 2010. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas.

MENDES, António Rosa. A vida cultural. In: MAGALHÃES, Joaquim R. (Coord.). História de Portugal: no alvorecer da modernidade. Lisboa: Estampa. 1998, p. 333-371.

O’MALLEY, John W. Os primeiros jesuítas. Trad. Domingos Armando Donita. São Leopoldo, RS: Editora UNISINOS; Bauru, SP: EDUSC, 2004.

OLIVEIRA, António de. A infanta D. Maria e o senhorio de Viseu: uma precisão cronológica. Revista Portuguesa de História, v. 27, p. 215-220, 1992.

PAES, Maria Paula Dias Couto. ‘De Romatinas a Christianitas’: o humanismo à portuguesa e as visões sobre o reinado de Dom João III, O Piedoso. Varia História, Belo Horizonte, v. 23, n. 38, p. 500-514, 2007.

PRODI, Paulo. Uma história da justiça: do pluralismo dos foros ao dualismo moderno entre consciência e direito. Trad. Karina Jannini. São Paulo: M. Fontes, 2005.

RAMALHO, Américo da Costa. Para a história do humanismo em Portugal. Coimbra: Fundação Calouste Gulbenkian; Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica, 1994. v. 2.

RAMINELLI, Ronald. Viagens ultramarinas: monarcas, vassalos e governo a distância. São Paulo: Alameda, 2008.

REBELO, Luis de Sousa. A tradição clássica na literatura portuguesa. Lisboa: Horizonte, 1982.

RÉVAH, I. S. João de Barros. In: BARROS, João. Diálogo evangélico sobre os artigos de fé contra o Talmud dos judeus. Introdução e notas de I. S. Révah. Lisboa: Studium, 1950, p. 27-48.

RODRIGUES, Rui Luis. Entre o dito e o maldito: humanismo erasmiano, ortodoxia e heresia nos processos de confecionalização do Ocidente, 1530-1685. São Paulo, 2012. Tese (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo.

RODRIGUES, Rui Luis. Reflexões sobre o humanismo português no alvorecer da época confessional. Revista Angelus Novus n. 2, p. 51-80, jul. 2011.

SCHWARTZ, Stuart B. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial, 1550-1835. Trad. Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia da Letras, 1988.

SERRÃO, Joaquim Veríssimo. História de Portugal: o século de Ouro (1495-1580). Lisboa: Verbo, 1980. v. 3.

SKINNER, Quentin. As fundações do pensamento político moderno. Trad. Renato Janine Ribeiro e Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SOUZA, Laura de Mello e. O diabo e a Terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.