Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Importância da Transferência de Tecnologia Realizada nas Universidades Brasileiras para a Alavancagem da Competitividade do País no Cenário Econômico Mundial

DOI: http://dx.doi.org/10.13084/2175-8018.v04n08a08

http://www.incubadora.ufsc.br/index.php/IJIE/index 

downloadpdf

Vinícius B. Roman1 & Marco T. P. Lopes2

 

Resumo: A aquisição de conhecimentos tecnológicos pelas empresas tem se tornado uma prática comum em todas as partes do mundo, principalmente em países desenvolvidos e emergentes, como é o caso do Brasil. Essa prática torna-se um diferencia, uma vez que permite às empresas não somente sobreviver, como também evoluir perante um mercado cada vez mais dinâmico. Ela impulsiona ciclos cada vez menores de proteção, divulgação e comercialização de tecnologias oriundas de universidades. Neste contexto, os escritórios de transferência de tecnologia representam um elo Universidade-Empresa, isto é, auxiliando as empresas na geração de um desenvolvimento tecnológico sustentável capaz de alterar a posição insatisfatória que o Brasil ocupa em rankings de competitividade. Este artigo visa analisar criticamente a tríplice Universidade-Governo-Empresa, ressaltando o papel destes atores na alavancagem da competitividade brasileira no cenário econômico mundial. O documento utilizado como base na elaboração do presente artigo, por meio de indicadores adequados, aponta o país como a 53ª economia mais competitiva em escala global. Indica, também, que há ainda grande possibilidade de evolução em aspectos como infraestrutura, capacitação de mão de obra, além da proteção de propriedade intelectual e mecanismos mais eficientes de transferência de tecnologia.

Palavras-chave: inovação, transferência de tecnologia, competitividade, Brasil

 

Abstract: Technological knowledge acquisition made by companies has become a common practice all around the world, especially in developed countries and emerging countries such as Brazil. Such practice turns into an advantage to countries, given that it allows companies not only to survive but also to evolve inside an increasingly dynamic market. For technologies arising from universities, it also leads to shorter cycles in fields such as technology protection, dissemination and commercialization. In this context, Technology Transfer Offices (TTO) represent a University-Industry link, by helping companies generate a sustainable technological development capable of changing the unsatisfactory position that Brazil occupies in global-competitiveness rankings. This article aims to analyze critically the University-Industry-Government trine by highlighting the role played by these components in boosting Brazilian competitiveness in global economy. The document used by this article as a basis, through suitable indicators, presents Brazil as the 53rd most competitive economy on a global scale. It also indicates that there is potential development in areas such as infrastructure, work force training, intellectual property protection and technology transfer mechanisms.

Key words: innovation, technology transfer, competitiveness, Brazil

 

1 Graduando, Curso de Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Minas Gerais, CTIT/UFMG. viniciusbr@eng-pro.grad.ufmg.br
2 Graduando, Curso de Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Minas Gerais, CTIT/UFMG. marcotuliolopes@ufmg.br

 

Literatura Citada

BARRETO, A. de A. A informação e a transferência tecnológica: mecanismos de absorção de novas tecnologias. Brasília: IBICT/SENAI, 1992. 64 p.

BRISOLLA, S. et al. As relações universidade-empresa-governo: Um estudo sobre a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Revista Educação & Sociedade, Campinas, n. 61, p. 187-209, Dez. 1997.

BRISOLLA, S. O projeto “Universidade e empresa, ciência e tecnologia”. Revista Educação & Sociedade, Campinas, v. 17, n. 56, p. 543-550, Dez., 1996.

BURGELMAN, R.A.; CHRISTENSEN, C. H.; WHEELWRIGHT, S. C. Strategic management of technology and innovation. 4. ed. Boston: McGraw Hill, 2004.

CASTELLANO, S. Proposição de um modelo para planejamento e desenvolvimento de projetos em empresas de alta tecnologia. Florianópolis, 1996. Originalmente apresentada como dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em <http://www.eps.ufsc.br/disserta96/castellano/index/index.htm>. Acesso em: 20/12/2011.

CRIBB, A. Y. Determinantes da Transferência de Tecnologia na Agroindústria Brasileira de Alimentos: Identificação e Caracterização. Journal of Technology Management & Innovation, Santiago, v. 4, n. 3, p. 89-110, Out., 2009.

DAHLMAN, C.J.; AUBERT, J. China and the knowledge economy: Seizing the 21st Century. Washington: The World Bank, 2001. doi

FLEURY, A. Capacitação Tecnológica e Processo de Trabalho: Comparação Entre o Modelo Japonês e o Brasileiro. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 30, n. 4, p. 23-30, Out-Dez 1990.

GILBERT, M.; Cordey-Hayes, M. Understanding the process of knowledge transfer to achieve successful technological innovation. Technovation, v. 16, n. 6, p. 301-312, Jun., 1996. doi

GONÇALVES, J. E. L.; GOMES, C. A. A. Tecnologia e a Realização do Trabalho. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 33, n. 1, p. 106-121, Jan-Fev., 1993. doi

GOODMAN, P. S. et al. Technology and organizations. San Francisco: Jossey Bass, 1990.

KENSKI, V. M. Tecnologias e ensino presencial e a distância. Campinas: Papirus, 2008.

LAMANA, S., KOVALESKI, J. L. Patentes e o desenvolvimento econômico. In: Convibra Administração, 7., 2010, virtual. Disponível em <http://www.convibra.com.br/upload/paper/adm/adm_1518.pdf>. Acesso em: 10/04/2012.

LASTRES, H.M.M. et al. Desafios e oportunidades da era do conhecimento. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 16, n. 3, p. 60-66, jul-set., 2002.

MORRIS-SUZUKI, T. Capitalism in the computer age and afterworld. In: DAVIS, J.; HIRSCHL, T.; STACK, M. (orgs.). Cutting edge: technology, information, capitalism and social revolution. Nova York: Verso, 997.

NUCHERA, A. H., SERRANO, G. L.; MOROTE, J. P. La gestión de la innovación y la tecnología en las organizaciones. Madrid: Ediciones Pirámide, 2002.

PLONSKI, G. A. Cooperação empresa-universidade no Brasil: um novo balanço prospectivo. In:______. (Coord.). Interação universidade-empresa. Brasília, DF: IBICT, v. 1, p. 9-23, 1998.

ROGERS, E. M., TAKEGAMI, S.; YIN, J. Lessons learned about technology transfer. Technovation, v. 21, n. 4, p. 253-261, Dez., 2001.

SÁBATO, J.; BOTANA, N. La ciência y La tecnologia en el futuro de América Latina. Revista de La integración, p. 15-36, nov., 1968.

SANTANA, E. E. P. S.; PORTO, G. S. E agora, o que fazer com essa tecnologia? um estudo multicaso sobre as possibilidades de transferência de tecnologia na USP-RP. RAC, Curitiba, v. 13, n. 3, art. 4, p. 410-429, jul-ago., 2009.

SIEGEL, D. S.; WALDMAN, D. A.; LINK, A. N. Assessing the impact of organizational practices on the relative productivity of university technology transfer offices: an exploratory study. Research Policy, v. 32, n. 1, p. 27-48, Jan., 2003. doi

UNCTAD - UNITED NATIONS CONFERENCE ON TRADE AND DEVELOPMENT. Technology, competitiveness, and industrial policies. In: ______. Fostering technological dynamism: evolution of thought on technological development processes and competitiveness: a review of the literature. New York: United Nations, 1996. p. 53-99.

VEDOVELLO, C. Firms’ R&D activity and intensity and the university-enterprise partnerships. Technological Forecasting and Social Change, v. 58, n. 3, p. 215-226, jul., 1998. doi

VELLOSO, J. P. R. O Brasil e a economia do conhecimento – o modelo do tripé e o ambiente institucional. In: ______. (Coord.). Reforma política e economia do conhecimento: dois projetos nacionais. Rio de Janeiro: José Olympio, 2005.

WEBSTER, A.J. & ETZKOWITZ, H. Academic-industry relations: the second academic revolution? Londres: Science Policy Support Group, SPSG concept paper n. 12, 1991. 31p.

WORLD ECONOMIC FORUM. The global competitiveness report 2011-2012. Geneva, 2011. 544p.