Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Negociação das Salvaguardas para o Submarino Nuclear Brasileiro

DOI: http://dx.doi.org/10.21544/1809-3191/regn.v21n2p265-284

https://www.egn.mar.mil.br/arquivos/revistaEgn/index.html 

downloadpdf

Plínio C. Santos1

 

Resumo: Na próxima década entrará em operação o submarino nuclear brasileiro. Será necessária a negociação de salvaguardas a fim de assegurar que seu combustível nuclear não seja desviado para fins hostis. O Brasil será o primeiro Estado-parte do TNP nuclearmente desarmado a possuir um submarino nuclear, de modo que as salvaguardas a serem negociadas pelo Brasil com a Argentina, a ABACC e a AIEA, conforme prevê o Acordo Quadripartite, poderão servir como precedente por outros países. Pensamos que os termos dessa negociação serão afetados pelo papel que o submarino desempenhará no Atlântico Sul. Diante de uma perda relativa do poder dos EUA e o interesse da China em garantir rotas marítimas seguras para seu comércio, concluímos que a relação entre as potências vai influenciar a referida negociação.

Palavras-chave: Submarino nuclear brasileiro. Salvaguardas nucleares. Estratégia naval do Brasil. Oceano Atlântico.

 

Abstract: In the next decade will come into operation the Brazilian nuclear submarine. Safeguards negotiation is necessary in order to ensure that its nuclear fuel is not diverted for hostile purposes. Brazil will be the first State Party to the NPT nuclear-disarmed to possess a nuclear submarine. So that the safeguards to be negotiated by Brazil and Argentina, ABACC and the IAEA, as required by Quadripartite Agreement, may serve as a precedent for other countries. We believe that the terms of the negotiation will be affected by the role that the submarine will play in the South Atlantic. Faced with a relative loss of US power and the interests of China to ensure safe sea routes to their trade, we conclude that the relationship between the powers will influence that negotiation.

Key words: Brazilian nuclear submarine. Nuclear safeguards.  Brazilian naval strategy. Atlantic Ocean

 

1 Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Estudos Marítimos (PPGEM-EGN), Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Bolsista Pró-Defesa/Capes. Email: plinio.brazil@gmail.com

 

Literatura Citada

AIEA Department of Safeguards, Long-Term Strategic Plan (2012-2023), 2014 . Disponível em: < https://www.iaea.org/safeguards/symposium/2014/images/pdfs/LongTerm_Strategic_Plan_(20122023)-Summary.pdf. > Acesso em: 15 out. 2015.

BOBBIO, Norberto. O terceiro ausente: ensaios e discursos sobre a paz e a guerra. Barueri, SP: Manole, 2009.

BRASIL, 2013. Sítio oficial. Disponível em: < http://www.brasil.gov.br/governo/2013/10/nota-sobre-o-pre-sal-e-o-campo-de-libra. > Acesso em: 08 out. 2015.

BRASIL, Sítio oficial. Disponível em: < http://www2.planalto.gov.br/noticias/2015/05/principal-parceiro-comercial-desde-2009-china-ampliainvestimentos-no-brasil. > Acesso em 15 out. 2015.

BRASIL. Estado-Maior da Armada. EMA 305: doutrina básica da Marinha. Brasília, 2014.

BRASIL. Estratégia Nacional de Defesa. Decreto n. 6.703, de 18 dez 2008.

CERVO, Amado L. Inserção internacional: formação dos conceitos brasileiros. São Paulo: Saraiva, 2008.

CHINA. Ministério da Defesa Nacional da República Popular da China. Disponível em: < http://eng.mod.gov.cn/Press/2014-12/22/content_4559939.htm. > Acesso em: 06 out. 2015.

CHINA. Ministério das Relações Exteriores da República Popular da China. Disponível em: < http://www.fmprc.gov.cn/mfa_eng/xwfw_665399/s2510_665401/2511_665403/t1262859.shtml. > Acesso em: 06 out. 2015.

COMEX DO BRASIL. Disponível em: < http://www.comexdobrasil.com/brasil-setima-economia-mundial-tem-participacao-de-pais-pigmeu-nocomercio-internacional/. > Acesso em: 09 set. 2015.

CORRÊA, Fernanda da Graça. O projeto do submarino nuclear na visão de seus protagonistas: uma análise histórica de Geisel a Lula (1974-2009). UNIFA: III Seminário de Estudos: Poder Aeroespacial e Estudos de Defesa, 2010.

FOLHA DE S. PAULO, 16 ago. 2015. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2015/08/1672184-analistas-veem-pre-sal-em-xeque-comqueda-no-preco-do-petroleo.shtml > Acessado em: 20 ago. 2015.

FOLHA DE S. PAULO, 30 out. 2015. Disponível em: < http://m.folha.uol.com.br/mundo/2015/10/1700336-brasil-foi-alvo-de-ato-naval-semelhante-ao-queos-eua-realizaram-na-china.shtml?mobile. > Acesso em: 30 out. 2015.

FOLHA DE S. PAULO, de 30 ago. 2015. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2015/08/1675448-efeitos-de-uma-forte-desaceleracaochinesa-no-brasil-sao-superestimados.shtml. > Acesso em: 09 out. 2015.

FRIEDMAN, George. The next 100 years: a forecast for the 21st century. 1st. ed. New York, Anchor Books, 2009.

GAZETA RÚSSA, 2014. Disponível em: < http://gazetarussa.com.br/economia/2014/05/13/navios_russos_vao_patrulhar_area_do_grande_canal_interoceanico_25561. > Acesso em 09 out. 2015.

KASSENOVA, Togzhan. O caleidoscópio nuclear do Brasil: uma identidade em evolução. Washignton: Carnegie Endowment for Intenational Peace, 2014.

MAHAN, Alfred T. The Influence of Sea Power upon History (1660-1783). Toronto: General Publishing Company Ltd, 1987.

MOURA, José Augusto A. de. A Estratégia naval brasileira no pós-guerra fria: uma análise comparativa com foco em submarinos. Rio de Janeiro: FEMAR, 2014.

MOURA, José Augusto A. de. Os submarinos nucleares e o enriquecimento de urânio. Rio de Janeiro. Revista da Escola de Guerra Naval, v. 18 n.1 p. 135-151 jan/jun, 2012.

ONU. Convenção das Nações Unidas sobre Direito do Mar. Convenção de Montego Bay, 10 de dezembro de 1982.

PAPE, Robert. A, Bombing to Win Air Power and Coercion in War. Londres: Cornell University Press, 1996.

PHILIPPE, Sébastien. Bringing law to the sea: safeguarding the naval nuclear fuel cycle. Publicado em 09 abr. 2014. Disponível em: < http://thebulletin.org/bringing-law-sea-safeguarding-naval-nuclear-fuelcycle7418. >

SAGAN, Scott D.; Waltz, Kenneth N. Waltz. The spread of nuclear weapons: em enduring debate. 3th ed. New York - London: Norton, 2013.

SALARICHS, Mirlis Reyes. China em Latinoamérica: uma visión desde el canal de Nicaragua. Revista da Escola de Guerra Naval v.20, n.2, p. 277-300, 2014.