Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Formação Continuada de Professores: Possibilidade Real de Mudança ou Sintoma de Intensificação?

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v23n1p23-40

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacao 

downloadpdf

Andréa O. Silva1 & Jussara C. B. Tortella2

 

Resumo: O presente artigo discute a formação continuada de professores, procurando analisar de que forma ela tem se configurado e como tem contribuído (ou como poderia efetivamente contribuir) para o trabalho desenvolvido na escola. Como pano de fundo para esta análise utilizaremos, principalmente, as ideias de Hargreaves, no sentido de buscar explicar a formação continuada a partir do conceito de intensificação e da ideia de mudança, ambas discutidas por ele na obra Os professores em tempos de mudança. A pergunta que norteia o texto pode ser formulada nestes termos: a formação continuada constitui-se, atualmente, como mais um elemento do processo de intensificação do trabalho docente ou como possibilidade real de desenvolvimento profissional, pessoal e, em última análise, como uma possibilidade de mudança? Como resultado, acreditamos que a formação continuada pode contribuir para a mudança, desde que esta represente a vontade de mudança dos professores, que emerge das necessidades reais de seu trabalho e não como imposição externa.

Palavras-chave: Formação de prof esso res; Formação co ntinuada; Intensifica ção; Mudança.

 

Abstract: The present article intends to discuss teacher continuing education seeking to analyze how it has been configured and how it has contributed (or how it could effectively contribute) to the work developed at the school. We use the ideas addressed by Hargreaves, mainly the concept of intensification and change, both discussed by the author in the book Changing teachers changing times as the framework for this analysis. The question that guides the text can be formulated in theses terms: does teacher continued education constitute, at present, an element of the intensification of the teacher work or a real possibility for change? As an outcome, we believe that it can contribute for change, once it truly represents teacher’s needs and desires for change, which emerge from their real necessitiesand not as an external imposition.

Key words: Teacher education; Continuing education; Intensification; Change.

 

1 Mestrado em Educação pela Pontifícia Católica de Campinas- PUC- Campinas. andreadibeo@yahoo.com.br
2 Docente do Programa de Pós Graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. jussaratortella@gmail.com

 

Literatura Citada 

ALVES, André L. A formação docente como viés de bem/mal-estar docente, 2011, 102s. Dissertação (Mestrado Profissional em Inclusão Social e Acessibilidade) Universidade Feevale, Novo Hamburgo.

ARAÚJO, Cristina C. De. Formação continuada no cotidiano dos (as) professores (as) dos anos iniciais: desafios e possibilidades, 2011, 142s. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Federal do Amazonas, Manaus.

BOEKAERTS, M. Self-Regulated learning: a new concept embraced by researchers, policy makers, educators, teachers and students. Learning and instruction, v. 7, n. 2, p. 161-186, 1997. http://dx.doi.org/10.1016/S0959-4752(96)00015-1

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei 9.394/96 de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11274.htm Acesso em: 23 nov. 2013.

BRASIL. Rede Nacional de Formação Continuada de Professores de Educação Básica. Orientações Gerais. Objetivos, diretrizes, funcionamento, 2005. Disponível em: http://www.oei.es/quipu/brasil/Red_Nac_form_continua.pdf. Acesso em 30 de mai. 2014.

DAVIS, Claudia; NUNES, Marina; ALMEIDA, Patrícia A. Formação continuada de professores: uma análise das modalidades e das práticas em estados e municípios brasileiros: relatórios de pesquisa. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2011.

DINIZ-PEREIRA, Júlio E. A construção do individualismo na profissão docente: como transcender as fronteiras tradicionais da identidade de professores? Revista de Educação PUC-Campinas, v. 20, p. 127-142, 2015.

EWIJK, C. D.-Van; WERF, G. Van der. What teachers think about Self-Regulated Learning: Investigating Teacher Beliefs and Teacher Behavior of Enhancing Students’ Self-Regulation. Education Research International, v., p., 2012. Article ID 741713, 10 pages. DOI: 10.1155/2012/7417132.

FULLAN, M. The limits and the potential of professional development. In: GUSKEY, T. R.; HUBERMAN, M. (Orgs.). Professional development in education. New York: Teachers College, 1995.

GATTI, Bernardete A.; BARRETO, Elba S. de S. Professores do Brasil: impasses e desafios, 1. ed. Brasília: UNESCO, 2009, v. 1, 293p.

HARGREAVES, Andy. Professores em Tempo de Mudança. Alfragide: Editora Mc- Graw-Hill de Portugal, 1998.

LESSARD, C. A universidade e a formação profissional dos docentes: novos questionamentos. Educação e sociedade, Campinas, v. 27, n. 94, 2006.

LIMA, Regis L. Formação continuada dos professores e professoras do município de Barueri: compreendendo para poder atuar, 2007, 220s. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade de São Paulo, São Paulo.

MOOS, D. C.; RINGDAL, A. Self- Regulated Learning in the Classroom: A Literature Review on the Teacher-s Role. Education Publishing Corporation. Education Research International, v., p., 2012. Article ID 423284, 15 pages. DOI: 10.1155/2012/423284. http://dx.doi.org/10.1155/2012/423284

OLIVEIRA, Maria F. K. de; TORTELLA, Jussara C. B. Autorregulação: o uso de diários de estudo por alunos do 5º. ano do Ensino Fundamental. Roteiro, Joaçaba, v. 40, Roteiro (UNOESC), v. 40, p. 395-418, 2015. http://dx.doi.org/10.18593/r.v40i2.6614

PARIS, Scott G.; WINOGRAD, Peter. The role of self-regulated learning in contextual teaching: principles and practices for teacher preparation. CIERA Archive, p. 1-23, 1999.

PERRY, N. E.; VandeKamp, K. J. O. Creating classroom contexts that support young children’s development of self-regulated learning. International Journal of Educational Research, v. 33, n. 7-8, p. 821-843, 2000. http://dx.doi.org/10.1016/S0883-0355(00)00052-5

ROSÁRIO. P. S. L.; NÚÑEZ, J. C.; PIENDA, J. G. Auto-regulação em crianças sub 10. Projecto Sarilhos do amarelo. Porto Editora, 2007.

ROSÁRIO, P.; POLYDORO, S. Capitanear o aprender: promoção da autorregulação da aprendizagem no contexto escolar. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2012.

SADALLA, A. M. F. A. Apresentação. In: Dulcéria Tartuci; Luzia Silva; Marcelo Mendonça; Maria Aparecida Rossi; Selma Peres (Org.). Formação Continuada, interdisciplinaridade e inclusão social. Catalão-GO: Universidade Federal de Goiás, 2008, v., p. 7-22.

SILVA, Andréa O. Formação continuada e autorregulação da aprendizagem: concepções e práticas de professores Campinas: PUC-Campinas, 2015, 183p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas.