Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Políticas Públicas e Homofobia: Diário de Campo em Uma Escola Destinada ao Público LGBTTT

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v23n1p127-148

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacao 

downloadpdf

Renan A. Silva1

 

Resumo: Algumas das políticas públicas inseridas no Governo Federal têm como finalidade sanarquestões relativas à homofobia no ambiente escolar. O Programa Federal Brasil “Sem Homofobia” foi lançado pela Secretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH) em 2004, por meio do Conselho Nacional de Combate à Discriminação (CNCD). Esse programa tem como objetivo combater a violência e a discriminação contra o grupo LGBT e promover a cidadania homossexual, questionando temas relativos à homossexualidade em todos os ministérios do Governo, além de propor políticas que apreciem essa população nas mais variadas esferas, entre elas a educação. No âmbito dessas políticas, foi criada em Campinas-SP uma escola voltada para o público LGBT, chamada E-JOVEM. Desse modo, este artigo objetivaconhecer a realidade vivida pelos alunos e professores nessa referida escola e as possíveis transformações experimentadastanto no âmbito pessoal (aprendizagem, liberdade, entre outros) quanto no âmbito coletivo, relativo ao combate à homofobia.A coleta de dados aconteceu em duas etapas: inicialmente foram realizadas observações participantes no ambiente escolar, e em seguida foram feitas entrevistas semiestruturadas com docentes e discentes da escola. Os resultados preliminares apontam que se afirmar gay ou lésbica é dizer, em princípio, que não viverá segundo o natural e o convencional, que irá experimentar uma forma nova de casamento e família, que não a esperada por pais, tios, avós etc. Quem se assume homossexual espera apoio, amor, aceitação e respeito, é nítido esse anseio por parte dos alunos.Assumir-se homossexual é correr o risco de se tornar estrangeiro, de desabrigar-se, de lutar pela própria sobrevivência.

Palavras-chave: educação integral; ensino fundamental; escola de tempo integral; programa mais educação.

 

Abstract: Some of the policies incorporated in the Federal Government are intended to remedy issues of homophobia in the school environment. The Federal Program Brazil “WithoutHomophobia”was launched by the Special Secretariat for Human Rights (SEDH) in 2004, through the National Council for Combating Discrimination (CNCD). This program aims to combat violence and discrimination against LGBT citizens and promote homosexual, questioning issues related to homosexuality in all Government Ministries and propose policies that enjoy this population in various spheres, including education. Under these policies, was established in Campinas-SP a school focused on LGBT public, called E-Young. The current research project focuses on the investigation of the reality experienced by the students of this school, in order to verify the possible transformations in both personal (learning, freedom, among others) and in the collective on combating homophobia. Data collection will take place in two stages: conducted participant observation in the school environment, then a field diary initiallybewas conducted. Preliminary results indicate that assert themselves gay or lesbian is to say, at first, that does not live according to the natural and conventional, which will experience a new form of marriage and family, than expected by parents, uncles, grandparents, etc. Who assumes homosexual expected support, love, acceptance and respect, it is clear that yearning by the students. Coming out gay is risking becoming alien, the uncloaked himself, going to life to fight for his own survival.

Key words: homophobia; education;public policies; developmenthuman and social development; development as freedom

 

1 Universidade Estadual Paulista lepp@rc.unesp.br

 

Literatura Citada 

AMARTYA, S. E. N. O desenvolvimento como expansão de capacidades.Lua Nova: revista de cultura e Política, 1993. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64451993000100016

ARENDT, H. crisis da república. São Paulo: Perspectiva, 1973.

BORRILLO, D. homofobia. Espanha: Bellaterra, 2001.

CUNHA, A.G. dicionário etimológico nova fronteira da língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

DUROZOI, G.; ROUSSEL, A. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Papirus, 1993.

EVANS-PRITCHARD, E. E. os nuer: uma descrição do modo de subsistência e dasinstituições políticas de um povo nilota. São Paulo: Perspectiva, 2007.

FERRARI, A. revisando o passado e construindo o presente:o movimento gay como espaço educativo. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n25/n25a09.pdf> 2006. Acesso em: 21 de ago. de 2013.

GADOTTI, Moacir. Perspectivas atuais da educação. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

GIRARD, R.a violência e o sagrado. São Paulo: Unesp, Paz e Terra, 1990.

HONNET, A. Lutaporreconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. Trad. de Luiz Repa. São Paulo: ed. 34, 2003.

JUNQUEIRA, R.D. Homofobia:limites e possibilidades de um conceito em meio a disputas. revista bagoas, v.1, n.1, p. 1-22, 2007. Disponível em http://www.cchla.ufrn.br/bagoas/v01n01art07_junqueira.pdf>. Acessado em: 10 julho 2013.

LAKATOS, Eva Maria & MARCONI, Marina de Andrade. técnicas de pesquisa, 3 a.edição. São Paulo: Editora Atlas, 1996.

LORENZ, K. aagressão:uma história natural do mal. São Paulo: Moraes, 1973.

MALUF, R. S. atribuindo sentido (s) à noção de desenvolvimento econômico. Estudos Sociedade e Agricultura, n. 15, p. 53-86, 2000.

MARSIAJ, J. (2003). Gays ricos e bichas pobres:desenvolvimento, desigualdade socioeconômica e homossexualidade no Brasil. In:cadernos ael. Homossexualidade. Sociedade, Movimento e Lutas. Campinas, Unicamp/IFCH/AEL, v. 10.

MAUSS, Marcel. Manual de Etnografia.Lisboa: Dom Quixote, 1993.

PORTELLI, Alessandro. A filosofia e os fatos: narração, interpretação e significado nasmemórias e nas fontes orais. tempo, Universidade Federal Fluminense, v. 1, n. 2, 1996, p.59-7.

ROSA, M. introdução à Psicologia. Petrópolis/RJ: Vozes, 1995.

SAITO, B. Y. revista criativa– Globo – Edição 267, julho de 2011.

SCHULMAN, Sarah. ties that bind: Familial Homophobia and Its Consequences. New York: The New Press, 2009.

SILVA, H. B. Amartya Sen, desenvolvimentocomo liberdade. Universidade Federal do Rio de Janeiro – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais. Seminário de Ética e Filosofia Política, 2000.

SOUSA FILHO, Alípio. Educação sem Preconceito: A Família e a Homossexualidade. In: revista eletrônica boca da noite.Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2001. Disponível em: <http://bit.ly/1rEMeVM> . Acessoem: 1º. junho, 2015.

TIN, Louis George (org.).thedictionaryofhomophobia. Vancouver: Arsenal Pulp Press,2008.

WELZER-LANG, Daniel. A construção do masculino: dominação das mulheres ehomofobia. revista estudos feministas, v. 9, n.2, Florianópolis, 2001.