Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Contextos Inclusivos: Um Olhar Sobre a Prática Docente

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v23n1p163-176

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacao 

downloadpdf

Simone M. A. Lima1 & Carmem L. A. Rolim2

 

Resumo: O presente estudo é resultado de uma pesquisa empírica que teve por objetivo conhecer a prática educacional dos professores de matemática no desempenho da atividade docente com alunos com necessidades educacionais especiais (NEE) do 6º. ao 9º. ano, em salas de aula de ensino regular. Ela foi realizada em três escolas públicas da rede municipal de Palmas, no Estado do Tocantins, no período de 2012 a 2014. Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa, norteada pelo conceito de atividade e por proposições de ensino-aprendizagem e desenvolvimento de base Vygotskyana. As análises revelam que a atividade inclusiva no ensino regular carece de apoio pedagógico e os professores necessitam de formação. Os resultados indicam, ainda, que a atividade docente se diferencia em instituições pertencentes ao mesmo sistema educacional. Essas divergências se revelam nas atividades dos professores, nas articulações entre setores pedagógicos e em apoios.

Palavras-chave: inclusão; prática docente; atividade

 

Abstract: This study is the result of an empirical research that aimed to know the educational practice of the mathematics teachers while performing their teaching activities with students with special education needs (SEN) from the 6Th to the 9th grade in regular education classrooms. The same research was carried out in three different public municipal schools in Palmas, in the state of Tocantins, from 2012 to 2014. This is a research with a qualitative approach guided by the concept of activity and the teaching-learning proposals and development of Vygotsky’s. The analysis revealed that the inclusive activity in the regular education needs a teaching support and that the teachers need training. The results show that the teaching activity differs in institutions that belong to the same educational system. Those differences are revealed in the activities of the teachers and in the educational sectors joints and supports.

Key words: inclusion; teaching practice; activity

 

1 Universidade Federal do Tocantins simali.semed@gmail.com
2 Universidade Federal do Tocantins carmem.rolim@uft.edu.br
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq

 

Literatura Citada 

BAPTISTA, C. R. et al. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Colóquio, Brasília, v. 4, n. 1, p. 18-32, jun. 2008. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/revinclusao5.pdf>. Acesso em: 16 abr. 2013.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Lei nº. 4.024 de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, 1961. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4024.htm>. Acesso em: 21 abr. 2012.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/ CEB nº. 2 de 11 se setembro de 2001. Brasília, 2001. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf> . Acesso em: 19 mar. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008.

BRASIL. Decreto n. 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Diário Oficial da União, Brasília, 26 ago. 2009a. Seção 1, p. 3. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm>. Acesso em: 4 dez. 2013.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/ CEB nº. 4, de 2 de outubro de 2009. Institui diretrizes operacionais para o atendimento educacional especializado na educação básica, modalidade educação especial. Diário Oficial da União, Brasília, 5 out., 2009b, Seção 1, p. 17.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Marcos Político-Legais da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: Secretaria da Educação Especial, 2010.

CAMPBELL, S. I. Múltiplas faces da inclusão. Rio de Janeiro: Wak, 2009.

COLE, M. et al. O desenvolvimento da criança e do adolescente. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DANIELS, H. Vygotsky e a pedagogia. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

DANIELS, Harry. Vygotsky e a Pesquisa. Trad. CUSTÓDIO, Sandra Garcia. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da libertação. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

GÓES, M. C. R. de. A abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. Cadernos Cedes, ano XX, n. 50, p. 9-25, abr. 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v20n50/a02v2050.pdf>. Acesso em: 12 set. 2013.

KRENCH, D.; CRUTCHFIELD, R. S. Elements of psychology. New York: Alfred A. Knopf, 1959.

LEITE, C. A. R.; LEITE, E. C. R.; PRANDI, L. R. A aprendizagem na concepção histórico cultural. Akrópolis Umuarama, v. 17, n. 4, p. 203-210, dez. 2009. Disponível em: <https://www.google.com.br/#q=LEITE%2C+LEITE%2C+PRANDI%2C+2009%2C+p.+2005>. Acesso em: 12 out. 2013.

LEONTIEV, A. Actividade Consciência e Personalidade. Tradução de MARTIN, M. S. C., 1978. Disponível em: <http://www.livrosgratis.com.br/arquivos_livros/ma000004.pdf>. Acesso em: 5 out. 2013.

LEONTIEV, A. Uma contribuição à teoria do desenvolvimento da psique infantil. In: VIGOTSKI, L. S. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2012.

LURIA, A. R. O cérebro humano e a atividade consciente. In: VIGOTSKI, L. S. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2012.

MARCHESI, A. Desenvolvimento e educação de crianças surdas. In: COLL, C.; MARCHESI, A.; PALÁCIOS, J. (Orgs.). Desenvolvimento psicológico e educação: transtornos de desenvolvimento e necessidades educativas especiais. Porto Alegre: Artmed, 2004.

PILATTI, F. et al. Olhares para a educação inclusiva. Joaçaba, 2012. Disponível em: < http://editora.unoesc.edu.br/index.php/achs/article/viewFile/2137/pdf>. Acesso em: 23 ago. 2013.

ROLIM, C. L. A. O ensino da matemática como prática social: lições de silêncio. Quaestio, Sorocaba, SP, v. 11, n. 1, p. 141-152, mai. 2009. Disponível em: <http://periódicos.uniso.br>. Acesso em: 15 jun. 2013.

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1996.

TRIVIÑOS, A. N. S. A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1990.

VYGOTSKY, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 2012.

VYGOTSKY, L. S. Fundamentos de defectologia. Obras escogidas V. Madrid: Visor, 1997.