Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Crescimento de Plantas Jovens de Pequizeiro Irrigadas na Região do Cerrado

DOI: http://dx.doi.org/10.12971/2179-5959/agrotecnologia.v4n1p58-73

http://www.prp.ueg.br/revista/index.php/agrotecnologia/index 

downloadpdf

José Alves Junior1, Márcio R. Taveira2, Adão W. P. Evangelista1, Derblai Casaroli1 & Luis H. A. Barbosa2

 

Resumo: Dentre todas as espécies nativas apontadas como economicamente viáveis para o Cerrado, o pequizeiro apresenta um dos maiores potenciais. Entretanto, o cultivo desta planta em grande escala em sistema de monocultivo no Cerrado parece ainda arriscado e insustentável, devido a falta de informações técnicas de cultivo. Assim, estudos que buscam viabilidade técnica desta cultura, são importantes dada a grande variedade de usos do pequizeiro. Desta forma, o presente trabalho objetivou avaliar o crescimento de plantas de pequi, cultivadas sob a irrigação e sem irrigação, nos 2 primeiros anos de cultivo na região do Cerrado. O pomar foi estabelecido com 120 mudas de pequizeiro, espaçadas 5 x 5 m, transplantadas em covas no campo em janeiro de 2009, e o estudo foi conduzido até Novembro de 2010. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos ao acaso, com dois tratamentos (T1: irrigado e T2: não irrigado) e seis repetições. Utilizou-se o sistema de irrigação por microaspersão, sendo a quantidade de água aplicada, em cada irrigação, estimada com base na evapotranspiração de cultura obtida pelo método de Penman Monteith. O crescimento das plantas foi avaliado mensalmente, com base nas seguintes variáveis biométricas: altura de planta; comprimento do ramo principal; diâmetro do caule e número de ramos. As plantas de pequi apresentam elevado grau de adaptação às condições edafoclimáticas do Cerrado brasileiro, em que o crescimento das plantas não são influenciadas pelo uso da irrigação, quando comparadas ao cultivo sem irrigação.

Palavras-chave: Frutíferas nativas; Pequi; Déficit hídrico; Irrigação.

 

Abstract: Among all the native species identified as economically viable for the brazilian Savana, the souari nut has one of the greatest potentials. However, the cultivation of this plant in large-scale monoculture system in the brazilian Savanna still seems risky and unsustainable due to lack of crop information techniques. Thus, studies that improve information techniques of this crop, are important given the wide variety of uses of the plants. Thus, this study aimed to evaluate the growth of souari nut plants, grown under irrigation and without irrigation, in two first years old of cultivation in brazillian Savanna region. The orchard was established with 120 seedlings plants , spaced 5 x 5 m, transplanted in field in January 2009, and the study was conducted until November 2010. The experimental design was a randomized block design with two treatments (T1: irrigated and T2: non-irrigated) and six replications. We used the micro sprinkler irrigation system, the quantity of water applied in each irrigation, estimated based on crop evapotranspiration obtained by Penman Monteith. Plant growth was evaluated monthly based on the following biometric variables: plant height, length of the main branch, stem diameter and number of branches. Souari nut plants showed high adaptation to environmental conditions of the brazilian Savanna, where plant growth is not influenced by the use of irrigation, compared to cultivation without irrigation.

Key words: Native fruit; Caryocar brasiliense; Water déficit; Irrigation.

 

1 Eng. Agr. Professor Doutor, Escola de Agronomia, Universidade Federal de Goiás, Campus Samambaia - Rodovia Goiânia / Nova Veneza, Km 0, 74690-900, Goiânia, GO, Brasil. Autor para correspondência. E-mail: josealvesufg@yahoo.com.br
2 Eng. Agronômo, Mestrando em Agronomia, EA-UFG, Goiânia-GO, Brasil.

 

Literatura Citada

ABRAMOVAY, R. Preservar para lucrar com o Cerrado. Disponível em: <http://www2.usp.br/portugues/uspfacil/buscausp/frame.busca.lateral.phpfields=q&num=20&q=mangaba&submit.x=7&submit.y=6> Acesso em: 22 mai. 2005.

ALLEN, R. G.; PEREIRA, L. S.; RAES, D.; SMITH, M. Crop evapotranspiration: Guidelines for computing crop water requirements. Rome: FAO. 1998. 300 p.

ALVES JUNIOR, J.; FOLEGATTI, M. V.; SILVA, C. R., SILVA, T. J. A., EVANGELISTA, A. W. P. Response of young 'Tahiti' lime trees to different irrigation levels. Engenharia Agrícola. Jaboticabal, v.31, n.2, p.303-314. 2011.

ANTUNES, E. C.; ZUPPA, T. O.; ANTONIOSI FILHO, N. R.; CASTRO, S. S. Utilização do pequi (Caryocar brasiliense camb.) como espécie recuperadora de ambientes degradados no Cerrado e fornecedora de matéria prima para a produção de biodiesel. In: CONGRESSO BRASILEIRO DA REDE DE TECNOLOGIA DO BIODIESEL. 1. 2006. Brasília. Anais... Brasília: Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica. 2006.

BERNARDES, T. G.; NAVES, R. V.; REZENDE, C. F. A.; BORGES J. D.; CHAVES, L. J. Propagação sexuada do pequizeiro (Caryocar brasiliense Camb.) estimulada por ácido giberélico. Pesquisa Agropecuária Tropical. Goiânia, v. 38, n. 2, p.71-77. 2008.

BERNARDO, S.; SOARES, A. A.; MANTOVANI, E. C. Manual de irrigação. 8.ed. Viçosa. Imprensa Universitária, 2006. 596p.

BUCCI, S. J. Arquitectura hidráulica y relaciones hídricas de árboles de sabanas neotropicales: efectos de La disponibilidad de agua y nutrientes. Tese de Doutorado, Universidad de Buenos Aires, Buenos Aires, Argentina. 2001.

CAMPOS, J. H. B. C.; SILVA, V. P. R.; AZEVEDO, P.V.; BORGES, C.J.R.; SOARES, J. M.; MOURA, M. S.B.; SILVA, B. B. Evapotranspiração e produtividade da mangueira sob diferentes tratamentos de irrigação. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. Campina Grande, v.12, n.2, p.150–156, 2008.

DOORENBOS, J.; KASSAM, A. M. Efeito da água no rendimento das culturas. Campina Grande: FAO, 1994 (Estudos FAO, Irrigação e Drenagem 33).

EL-SHARKAWY, M. A.; COCK, J. H.; HELD, K. A. A. Water use efficiency of cassava. II. Differing sensitivity of stomata to air humidity in cassava and other warm-climate species. Crop Science. Madison, v. 24, n.1. p. 503-507, 1984. https://doi.org/10.2135/cropsci1984.0011183X002400030018x

EMBRAPA. Centro nacional de pesquisa de solos (Rio de Janeiro, RJ). Sistema brasileiro de classificação de solos. BRASÍLIA: Embrapa Produção da Informação; Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2009. 412p.

FELFILI, J. M.; NOGUEIRA, P. E.; SILVA Jr., M. C.; MARIMON, B. S.; DELITTI, W. B. C. Composição florística e fitossociologia do cerrado sentido restrito no Município de Água Boa, MT. Acta Botanica Brasilica. São Paulo, v. 16, n. 1, p. 103-112, 2002.

FERRI, M. G. Ecologia dos cerrados. In: FERRI, M. G. (ed.) IV Simpósio sobre o cerrado. Brasil: Editora Universidade de São Paulo. 1977. p. 15-31.

FLORE, J. A.; LAKSO, A. N. Environmental and physiological regulation of photosynthesis in fruit crops. Horticultural Reviews, New York, v.11, n.1, p.111-157, 1988.

FRANKS, P. J.; FARQUHAR, G. D. A relationship between humidity response, growth form and photosynthetic operating point in C3 plants. Plant Cell and Environment. Oxford, v. 22, n. 1, p. 1337-1349, 1999.

GRANGE, R. I.; HAND, D. W. A review of the effects of atmospheric humidity on the growth of horticultural crops. Journal of Horticultural Science, Alexandria, v. 62, n.1, p.125-134, 1987. https://doi.org/10.1080/14620316.1987.11515760

HERNANDEZ, F. B. T.; SUZUKI, M. A.; BUZETTI, S.; CORREA, L. S. Resposta da figueira (Ficus carica L.) ao uso da irrigação e nitrogênio na região de Ilha Solteira. Scientia Agricola, v.51, p.99 - 104, 1994 https://doi.org/10.1590/S0103-90161994000100016

KELLER, J.; BLIESNER, R. D. Sprinkle and trickle irrigation. New York: van Nostrand Reinhold. 1990. 652p. https://doi.org/10.1007/978-1-4757-1425-8

LANGE, O. L.; LÖSCH, R.; SCHULZE, E. D.; KAPPEN, L. Responses of stomata to changes in humidity. Planta. Heidelberg, v. 100, n. 1, p. 76-86, 1971. https://doi.org/10.1007/BF00386887

MORAES, J. A. P. V.; PRADO, C. H. B. A. Photosynthesis and water relations in cerrado vegetation. In F. R. Scarano & A. C. Franco (Eds.). Ecophysiological Strategies of Xerophytic and Amphibious Plantas in the Neotropics. Series Oecologia Brasiliensis, v. 4. p. 45-63. Programa de Pós-graduação em Ecologia-Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil. 1998. https://doi.org/10.4257/oeco.1998.0401.03

NAVES, R. V.; NASCIMENTO, J. L.; SOUZA, E. R. B. Pequi - Série Frutas Nativas. Editora FUNEP, Jaboticabal . 2010. 37p.

OLIVEIRA, M. E. B.; GUERRA, N. B.; BARROS, L. M.; ALVES, R. E. Aspectos agronômicos e de qualidade do pequi. Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical, 2008. 32 p. (Embrapa Agroindústria Tropical. Documentos, 113).

PEREIRA, A. R.; ANGELOCCI, L. R.; SENTELHAS, P. C. Agrometeorologia: fundamentos e aplicações práticas. Guaíba: Livraria e Editora Agropecuária, 2002. 478p.

SACRAMENTO, G. L.; LOBATO, E. J. V.; LIMA, C. V.; GONÇALVES, V. A.; ANDRADE, R. S. Atlas do Balanço Hídrico-Climático do Estado de Goiás. Editora UFG, Goiânia,108 p, 2006.

SANTOS, F. S. S.; VIANA, T. V.; AZEVEDO, B. M.; OLIVEIRA, C.W.; SOUSA, A. E. C. Efeito de diferentes lâminas de irrigação na cultura do mamão. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v.28, n.4, p. 673-680, 2008.

SCARIOT, A.; SOUZA-SILVA, J. C.; FELFILI, J. M. (Org.) 2005. Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação. Brasília, Ministério do Meio Ambiente.

SILVA. F. de A. S. E.; AZEVEDO. C. A. V. Principal Components Analysis in the Software Assistat-Statistical Attendance. In: WORLD CONGRESS ON COMPUTERS IN AGRICULTURE. 7. Reno-NV-USA: American Society of Agricultural and Biological Engineers. 2009.

SILVA, R. T. L. Produtividade e qualidade de frutos de goiabeira (Psidium guajava L.) irrigada por gotejamento. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, 2012. 100p.

VERA, R.; NAVES, R. V.; NASCIMENTO, J. L.; CHAVES, L. J.; LEANDRO, W. M.; SOUZA, E. R. B. Caracterização física de frutos do pequizeiro (Caryocar brasiliense Camb.) no Estado de Goiás. Pesquisa Agropecuária Tropical. Goiânia, v. 35, n. 2, p.71-79. 2005.

VIEIRA, R. F.; COSTA, T. S. A.; SILVA, D. B.; FERREIRA, F. R.; SANO, S. M. Frutas nativas do Centro-Oeste do Brasil. Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. Brasília. 2006, 320p.