Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Análise do Sabor de Tambatinga Cultivado em Diferentes Sistemas de Cultivo na Região da Transamazônica – Pará1

DOI: http://dx.doi.org/10.12971/2179-5959/agrotecnologia.v4n1p74-81

http://www.prp.ueg.br/revista/index.php/agrotecnologia/index 

downloadpdf

Rayette S. da Silva2, Fernando O. Almeida3, Gerson V. de Sá Prates3, Gleiciely B. Carvalho3 & Daniel Ferraz2

 

Resumo: Este estudo objetivou avaliar se o tipo de sistema de criação de peixes (Intensivo, Extensivo e Semi-Intensivo) influencia no sabor do filé de tambatinga (hibrido de tambaqui e pirapitinga), cultivada na região da Transamazônica - Pará. Os resultados foram submetidos ao Teste de Kruskal-Wallis com intervalo de confiança de 5%. Após a captura, os animais foram insensibilizados com choque térmico e conservados imersos em gelo (produzido com água filtrada e finamente triturado, suficiente para assegurar temperatura próxima ao ponto de fusão do gelo na parte mais interna do músculo). Depois foram eviscerados, lavados em água corrente (filtrada) e em água clorada (5 ppm). No mesmo dia, os filés foram retirados com tamanho padronizado e embalados individualmente em plástico filme PVC e papel alumínio devidamente identificados e mantidos refrigerados à igual ou inferior a - 18°C em congelador convencional até o preparo: cozimento em banho-maria a 100ºC por 20 minutos. Foram escolhidos aleatoriamente 30 provadores não treinados, que receberam separadamente três amostras para degustação e a ficha de avaliação, baseada em escala hedônica de cinco pontos, variando de “odiei” (nota 1) até “adorei” (nota 5). Conclui-se que as amostras de tambatinga cultivada em viveiros escavados no sistema extensivo tiveram os maiores índices de rejeição, revelando que o uso exclusivo de alimento natural e resíduos da agricultura e apenas complementação do nível de água alterou negativamente o sabor do pescado. Por outro lado, o cultivo em tanque-rede para esta espécie foi o menos rejeitado.

Palavras-chave: Intensivo; Extensivo; Semi-intensivo; Sabor; Híbrido.

 

Abstract: This study aimed to evaluate if the type of fish farming system (Intensive, Extensive and Semi-Intensive) influence on the flavor of the tambatinga fillet (hybrid tambaqui and pirapitinga), cultivated in the Transamazon – Pará. The results were submitted to Kruskal-Wallis test with a confidence interval of 5%. After capture, the animals were numb with thermal shock and kept immersed in ice (made with filtered water and finely ground, sufficient to assure temperature near the melting point of ice in the innermost part of the muscle). Then were gutted, washed in tap water (filtered) and chlorinated water (5 ppm). On the same day, the fillets were removed with standard size and individually wrapped in plastic PVC film and aluminum foil duly identified and kept refrigerated at or less than - 18°C on a conventional freezer until the preparation: cooking in a water bath at 100ºC for 20 minutes. Were randomly chosen 30 untrained tasters, who received three separate samples for tasting and evaluation form, based on a five-point hedonic scale, ranging from "hated" (note 1) to "loved" (note 5). It is concluded that the samples tambatinga grown in ponds in extensive system had the highest rejection rates, showing that the exclusive use of natural food and waste from agriculture and only supplement water level changed negatively flavor of the fish. On the other hand, cultivation cages for this species was the least rejected.

Key words: Intensive; Extensive; Semi-intensive; Flavor; Hybrid.

 

1 Parte do trabalho de pesquisa edital PIBICTI nº 01/2012 do IFPA - Campus Altamira.
2 Professores Mestre do Instituto Federal do Pará, Belém. Av. Alameda, Barroso, 1155, Belém, PA – Brasil. Email: rayette.silva@ifpa.edu.br
3 Graduando, Curso Técnico em Aquicultura do Instituto Federal do Pará, Altamira, PA.

 

Literatura Citada

AYRES, M; AYRES JR., M; AYRES D. L.; SANTOS, A. S. BioEstat 5.0: Aplicações estatísticas nas área de Ciências Biológicas e Médicas. Belém: Sociedade Civil Mamirauá/MCT/ CNPq/Conservation International. 2007. 324p.

CAVALLI, R. O.; FERREIRA, J. F. O futuro da pesca e da aquicultura marinha no Brasil: a maricultura. Ciencia e Cultura, [online], Campinas, v.62, n.3, p. 38-39, 2010.

FAO - Food and Agriculture Organization of the United Nations. Fisheries Department, Fishery Information Data and Statistics Unit. Fishstat plus: universal software for fishery statistical time series. Aquaculture production: quantities 1950-2005, Aquaculture production: values 1984-2005; Capture production: 1950-2005. Version 2.30. Rome: FAO, 2007. Disponível em http://www.fao.org.

FVPP – Fundação Viver, Produzir, Preservar. Plano Territorial de Desenvolvimento Rural Sustentável: Território da Cidadania Transamazônica Estado do Pará. Altamira: FVPP. 2010. 134p.

HASHIMOTO, D. T.; SENHORINI, J. A.; FORESTI, F.; PORTO-FORESTI, F. Interspecific fish hybrids in Brazil: management of genetic resources for sustainable use. Revista Aquacultura, v4, 108-118, 2012.

KUBITZA, F. Qualidade da água no cultivo de peixes e camarões. 1ª ed. Jundiaí: Gráfica Editora Degaspari. 2003. 229p.

KUBITZA, F. Tilápia - tecnologia e planejamento na produção comercial. Jundiaí: Ed. Acqua & Imagem. 2000. 289p.

KUBITZA, F. Off-flavor nos peixes cultivados. Panorama da aquicultura, Laranjeiras, v. 14, n. 84, p. 15-25, 2004.

LEE, J.; SARPEDONTI, V. Diagnóstico, tendência, potencial e políticas públicas para o desenvolvimento da aqüicultura. Universidade Federal do Para/NAEA/SEPAq, 2008. 109p.

LIMA, J. S. G. Ocorrência de off-flavor e processo de depuração em peixes de água doce cultivados. 2001, 54p. Dissertação (Mestrado em aqüicultura de águas continentais). Centro de Aqüicultura – UNESP, Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal.

LIMA, J. S. G.; VIEGAS, E. M. M. Off-favor: Conheça mais sobre esses estranhos sabores. Panorama da aquicultura, Laranjeiras, v. 13, n. 77, p. 59 - 61. 2003.

LOPERA-BARRERO, N.M.; RIBEIRO, R.P.; POVH, J.A.; VARGAS, L.D.M.; POVEDA-PARRA, A.R.; DIGMAYER, M. 2011. As principais espécies produzidas no Brasil. In: LOPERA-BARRERO, N.M.; RIBEIRO, R.P.; POVH, J.A.; VARGAS, L.D.M.; POVEDA-PARRA, A.R.; DIGMAYER, M. (ed.). Produção de organismos aquáticos: uma visão geral no Brasil e no mundo. Guaíba: Agrolivros, p.143-215.

MEILGAARD, M.; CIVILLE, G. V.; CARR, B. T. Sensory Evaluation Techniques. 2 ed. Florida: CRC Press, 1991. 354p.

MPA - MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA. Boletim Estatístico da Pesca e Aquicultura. 2012. Disponível em: http://www.mpa.gov.br/images/Docs/Informacoes_e_Estatisticas/Boletim%20Estat%C3%ADstico%20MPA%202010.pdf. Acesso em: 02 de outubro de 2013.

NEU, D. H.; VEIT, J. C.; BOSCOLO, W. R.; MANARIN, B. Y. F.; SIGNOR, A. A.; FEIDEN, A. Análise sensorial de filés de jundiá (Rhamdia voulezi) submetidos à alimentação orgânica e convencional. Cultivando o Saber, Cascavel, v.4, n.3, p.148 - 157. 2011.

OETTERER, M. Industrialização do pescado cultivo. Guaíba: Ed. Agropecuária. 2000. 200p.

PAPAS, A. M. Diet and antioxidant status. Food and Chemical Toxicology, v. 37, p.999 -1007. 1999. https://doi.org/10.1016/S0278-6915(99)00088-5

PEZZATO, L. E.; ROSSI, F.; SINONINI, H.; MARANGON, E.; LOPES, D.; CASTAGNOLLI, N. Nutrição e Alimentação de Peixes. Série criação de peixes. Viçosa: Centro de Produções Técnicas, 2008, 241p.

VIDAL JUNIOR, M. V.; DONZELE, J. L.; ANDRADE, D. R.; SANTOS, L. Determinação da digestibilidade da matéria seca e da proteína bruta do fubá de milho e do farelo de soja para tambaqui (Colossoma macropomum), utilizando-se técnicas com uso de indicadores internos e externos. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v.33, n.6, p.2193 - 2200. 2004.