Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Concepção de Aprendizagem na Perspectiva de Universitários: Um Estudo na AIESEC de Curitiba/PR

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2237-7956/raimed.v6n1p19-29

https://seer.imed.edu.br/index.php/raimed/index 

downloadpdf

Ariane Latoski1 & Cristiane M. Mello2

  

Resumo: O presente trabalho tem como objetivo compreender o processo de aprendizagem na perspectiva de indivíduos pertencentes à Geração Y. A Teoria da Aprendizagem tem seu foco no processo de interação social, e tem sido utilizada em diferentes áreas do conhecimento, com as mais variadas abordagens analíticas. Para realização dessa pesquisa, os dados foram coletados por meio de entrevistas realizadas com 30 universitários pertencentes à Geração Y, vinculados a um Programa de Formação de Liderança da AIESEC (Association International des Etudiants en Sciences Economiques et Commerciales). Os critérios para seleção dos respondentes foram os seguintes: ser jovem universitário, estar cursando graduação em instituição pública ou particular de Curitiba, ter entre 18 e 30 anos, vinculado ao programa de liderança da AIESEC. Os resultados apontam que o aprendizado da percepção da Geração Y está relacionado com: a transformação das informações, inovação, desafios, experiência, desenvolvimento de habilidades, absorção, divisão e desenvolvimento de conhecimentos e a interação. Acreditamos que a presente pesquisa possibilitou ampliar o poder explicativo da aprendizagem da perspectiva dos indivíduos pertencentes à Geração Y, o que poderá contribuir para aprimoramento de práticas metodológicas disseminadas nas organizações de ensino. Os gestores da organização, a partir dos resultados apresentados, podem repensar seus sistemas de atividade, métodos de ensino-aprendizagem, e a partir disso, criar e/ou planejar novos sistemas e práticas.onadas a tomada de decisão facilitam as praticas de inovação, por exemplo a integração vertical, porem as praticas organizacionais não são bem desenvolvidas para dar suporte a inovação.

Palavras-chave: Aprendizagem, Geração Y, Universitários.

 

Abstract: His study aims to understand the learning process in perspective of individuals belonging to the generation Y. The Theory of Learning focuses on the process of social interaction, and has been used in different areas of knowledge, with the most varied analytical approaches. For this study, data were collected through interviews with 30 university people belonging to Generation Y participating of Leadership Training Program of AIESEC (Association International des Etudiants en Sciences Economiques et Commerciales). The criteria for selection of the respondents were: being young university, studying degree in public or private institution of Curitiba, between 18 and 30 years, participating of AIESEC Leadership Program. The results show that learning the perception of Generation Y is related to: the transformation of information, innovation, challenges, experience, skills development, absorption, division and development of knowledge and interaction. We believe that this research allowed to expand the explanatory power from the perspective of learning for people belonging to the Generation Y, which may contribute to improvement of methodological practices disseminated in educational organizations. The managers of the organization, from the results, may rethink their activity systems, teaching and learning methods, and from it, create and/or planning new systems and practices.

Key words: Learning, Generation Y, University.

 

1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Curitiba, PR, Brasil. E-mail: <ariane.latoski1@gmail.com>;.
2 Faculdade Integrado de Campo Mourão, Campo Mourão, PR, Brasil. E-mail: <mellcris@gmail.com>;.

 

Literatura Citada

Antonello, C. S. (2006). Aprendizagem na ação revisitada e sua relação com a noção de competência. Comportamento Organizacional e Gestão, 12(2), 199-220.

Argyris, C. D.; Schon, D. A. (1996). Organizational learning II: theory, method, and practice. Reading, MA: Addison Wesley.

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bateson, G. (1972). Steps to an ecology of mind. New York: Ballentine.

Candy, P. C. (1991). Understanding the individual nature of learning. In: ______. Self direction for lifelong learning: a comprehensive guide to theory and practice. San Francisco: Jossey-Bass.

Claro, J. A. C. D; Torres, M.O. F; Nascimento, J. B.; Tinoco, J. E. P. (2010). Estilo de vida do jovem da Geração Y e suas perspectivas de carreira, renda e consumo. In: Anais do XIII Semead – Seminários em Administração da USP.

Cerbasi, G.; Barbosa, C. (2009). Mais tempo mais dinheiro: estratégias para uma vida mais equilibrada. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil.

Costa, S. R. F., Carvalho Neto, A., & Bazzoli, L. R. (2014). Executivos da Geração Y: Sucessos e Fracassos na Retenção de Trainees. GESTÃO. Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 12(1), 80-92.

Cruz, C. A.; Godoi, C. K.; Silva, A. B. S. & Ramos, F. (2011). O Programa de Trainees como Representação de uma Aprendizagem Situada: o caso da WEG Indústrias. In: Anais dos Encontros de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho-ENGPR. João Pessoa, PB.

Del Prette, A; Del Prette, Z. (2001). Psicologia das relações interpessoais: vivências para o trabalho em grupo. Petrópolis: Vozes.

Daniels, H. (2002). Uma introdução a Vygotsky. São Paulo: Loyola.

Dewey, J. (1996). Democracy and education. Toronto: Collier-Macmillan.

Engeström, Y. (1999). Activity theory and individual and social transformation. In: Engeström, Y.; Miettinen, R.; Punamaki, R.L. (eds.), Perspectives on activity theory. New York, NY: Cambridge University Press.

Engeström, Y. (2001). Expansive learning at work: toward an activity theoretical reconceptualization. Journal of Education and Work, 14(1), 133-156.

Falaster, C., Ferreira, M. P., & Reis, C. (2015). Atributos que Atraem a Geração Y na Escolha do Emprego Ideal: uma Análise a Partir da Perspectiva de Estudantes Veteranos . Contextus -Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 13(3), 7-31.

Gil, A. C. (2000). Técnica de pesquisa em economia e elaboração de monografia. 3. ed. São Paulo: Atlas S.A.

Jarvis, P. (1987). Meaningful and meaningless experience: toward an analysis of learning from life. Adult Education Quarterly, 37 (3), 164-172.

Lipkin, N. (2010). A Geração Y no trabalho: com lidar com a força de trabalho que influenciará definitivamente a cultura da sua empresa. Rio de Janeiro: Elsevier.

Lombardia, P. G.; Stein, G.; Pin, J.R. (2008). Políticas para dirigir a los nuevos profesionales: motivaciones y valores de la generacion Y. Documento de investigación. Mayo.

McDowell, L. (2010). Generational preferences for knowledge transfer. Knowledge Work, p. 83-96.

New Jersey: Rutgers University. Disponível em: <http://knowledgeinstitute.rutgers.edu/resources> Acesso em: abril 2016.

Medeiros, C. R. O., Medeiros, L., & Valadão Júnior, V. M. (2014). Âncoras de Carreira e Geração Y: um estudo com consultores de empresas juniores. Revista de Carreiras e Pessoas, 4(3), 212-230.

Oliveira, Sidnei. (2010). Geração Y: o nascimento de uma nova versão de líderes. São Paulo: Integrare.

Oliveira, S. R., Piccinini, V. C., & Bitencourt, B. M. (2012). Idéias em debate: “Juventudes, gerações e trabalho: é possível falar em Geração Y no Brasil?”. Organizações & Sociedade, 19(62), 551-558.

Perrone, C. M., Engelman, S., Santos, A. S., & Sobrosa, G. M. R. (2013). A percepção das organizações pela Geração Y. Revista de Administração da UFSM, 6(3), 546-560.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Roncon, A., Brancher, I. B., Campos, W. C., Cangussu, E. T., & Mazzafera, B. L. (2012). Níveis de resiliência em adultos da Geração y de uma instituição de ensino superior. Revista de Carreiras e Pessoas, 2(3), 68-82.

Santos, L. L. S., & Silveira, R. A. (2015). Por uma epistemologia das práticas organizacionais: a contribuição de Theodore Schatzki. Organizações & Sociedade, 22(72), 79-98.

Schon, D. A. (1983). The reflective practitioner: how professionals think in action. London: Basic Books.

Silva, A. de S. (2009). Qual o papel do cliente, quando da contratação do serviço de consultoria, para a Geração do seu próprio aprendizado? In: Anais do XXXIII Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. São Paulo, SP.

Strauss, W. (1991). Generations: the history of America’s future, 1584 to 2069. New York: Morrow.

Tapscott, D. (2011). Macrowikinomics: reiniciando os negócios e o mundo. Rio de Janeiro: Elsevier.

Teles, M. L. S. (2001). Psicodinâmica do desenvolvimento humano: uma introdução a psicologia da educação. Petrópolis, RJ: Vozes.

Tulgan, B. (2009). Not everyone gets a trophy: how to manage generation Y. São Francisco: Jossey- Bass.

Vasconcelos, K. A., Merhi, D. Q., Goulart, V. M., & Silva, A. R. L. (2010). A Geração Y e suas âncoras de carreira. GESTÃO.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 8(2), 226-244.

Veloso, E. F. R.; Dutra, J. S.; & Nakata, L. E. (2008). Percepção sobre carreiras inteligentes: diferenças entre as gerações Y, X e baby boomers. In: Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. 32, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: ANPAD, 2008. CD-ROM.

Vigotski, L. S. (1978). Mind in society: the development of higher psychological processes. Cambridge, MA: Harvard University Press.