Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Competências Gerenciais Importantes em Uma Organização Hospitalar

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2237-7956/raimed.v6n1p45-55

https://seer.imed.edu.br/index.php/raimed/index 

downloadpdf

Carlos Costa1, Viviane R. Laimer2, Rejane T. C. Piovesan3 & Elenise A. Coelho4

  

Resumo: As competências gerenciais têm papel fundamental no desempenho e funcionalidade de diferentes tipos de organizações, tornando crucial sua identificação, para que tais organizações se mantenham competitivas no mercado. Com base na autoavaliação de gestores hospitalares, foram identificadas neste estudo, as competências gerenciais mais importantes neste campo específico de trabalho. Quarenta e dois entrevistados foram solicitados a classificar 20 habilidades gerenciais em ordem de importância. Os dados foram submetidos à análise da variância, utilizando-se o teste de Kruskal-Wallis e as médias de tratamentos separadas pelo teste de Dunn (P ≤ 0,05). As cinco competências gerenciais classificadas como mais importantes foram: comunicação, liderança, comprometimento, responsabilidade social e empreendedorismo. Estas habilidades permitem melhores interações dentro da equipe de gestão e em todos os setores organizacionais e, além de facilitarem a consecução dos objetivos estabelecidos, auxiliam no desenvolvimento do indivíduo e do grupo como um todo, oferecendo flexibilidade no trato das idiossincrasias dos membros da organização por meio de processos de comunicação que incentivam o maior comprometimento com a organização.

Palavras-chave: Competências gerenciais, Desenvolvimento de competências, Organização hospitalar.

 

Abstract: Managerial competencies play a fundamental role in the performance and functionality of different types of organizations, making their identification crucial if one wishes to remain competitive in the market. Based on hospital managers’ self-assessments, the present study sought to identify the most important managerial competencies in this work force. Fourty two respondents were asked to rank 20 managerial competencies in order of importance. An analysis of variance of managerial competencies ratings was performed using the Kruskal-Wallis test and means separated by the Dunn’s test (P≤0.05). The five highest ranked managerial competencies were communication, leadership, commitment, social responsibility and entrepreneurship. These particular competencies enable better interactions within the management team and across organizational sectors, assist in achieving the plans envisioned, aid in the development of the individual and group as a whole, and offer flexibility in handling members’ individual idiosyncrasies through communication processes, which encourage a greater commitment to the organization.

Key words: Managerial competencies, Competencies development, Hospital.

 

1 Faculdade Meridional (IMED), Passo Fundo, RS, Brasil. E-mail: <carlos.costa1@gmail.com>;.
2 Faculdade Anhanguera de Passo Fundo (ANHANGUERA), Passo Fundo, RS, Brasil. E-mail: <vivianelaimer@gmail.com>;.
3 Faculdade Anhanguera de Passo Fundo (ANHANGUERA), Passo Fundo, RS, Brasil. E-mail: <rejane@hsvp.com.br>;.
4 Faculdade Meridional (IMED), Passo Fundo, RS, Brasil. E-mail: <elenise.ac@gmail.com>;.

 

Literatura Citada

Asumeng, M. (2014). Managerial competency models: a critical review and proposed holistic-domain model. Journal of Management Research, 6(4).

Baum, J. R., Locke, E. A., & Smith, K. G. (2001). A multidimensional model of venture growth. Academy of Management Journal, 44(2), 292-303.

Barros, M. E. A. (2007). Competências gerenciais: um estudo de caso no setor siderúrgico mineiro. Dissertação de mestrado, Faculdades Integradas de Pedro Leopoldo, Pedro Leopoldo, MG, Brasil.

Bitencourt, C. (2004). Gestão contemporânea de pessoas: novas práticas, conceitos tradicionais. Porto Alegre: Bookman.

Boon, J., & Van Der Klink, M. (February 2002). Competencies: the triumpf of a fuzzy concept. Academy of human resource development anual conference, Honolulu.

Borba, J. S., Martins, M. L., Silva, R. M. M. da, & Junior, E. R. F. (2011). A definição dos conhecimentos, habilidades e atitudes na formação de administradores na percepção de gestores, acadêmicos e legal. Anais do VIII Convibra Administração – Congresso Virtual Brasileiro de Administração. Recuperado de http://www.convibra.com.br/upload/paper/adm/adm_2917.pdf

Boyatizis, R. (1982). The competente manager: a model of effective performance. New ork: Wiley.

Brandão, H. P., & Guimarães, T. A. (2001). Gestão de competências e gestão de desempenho: tecnologias distintas ou instrumentos de um mesmo construto? Revista de Administração de Empresas, 41(1), 8-15.

Bünchen, E., Rossetto, R. C., & Silva, A. B. da. (2011). Competências gerais em ação: o caso do Banco do Brasil. Revista Eletrônica de Administração, 17(2).

Bündchen, E., & Silva, A. B. (2005).Proposta de um plano de desenvolvimento de competências individuais genéricas alinhado à estratégia empresarial. Revista de Ciências da Administração, 7(13), 1-24.

Cardoso, A. L. J. (2009). Percepções de gestores sobre competências gerenciais em diferentes contextos: estabilidade e mudança organizacional. REBRAE. Revista Brasileira de Estratégia, 2(2), 147-169.

Coatto, A., & Traldi, M. C. (2011). Competências gerenciais do enfermeiro na atenção primária. Redalyc,8(52), 180-186.

Covey, S. R. (2005). Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes. (23. ed. ) Rio de Janeiro: Best Seller.

Custódio, J. C. D., Machado, M. C. S., Ferreira, V. C. P., & OuchiDusi, C. S. C. (2013). O trabalho, os papéis e as competências do gerente: reflexões à luz do modelo de gestão de Henry Mintzberg. Anais do X Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Durand, T. (1998, June). Forms of incompetence. In Proceedings Fourth International Conference on Competence-Based Management. Oslo: Norwegian School of Management.

Dutra, J. S., Hipólito, J. A. M., & Silva, C. M. (2000). Gestão de pessoas por competências: o caso de uma empresa do setor de telecomunicações. Revista de Administração Contemporânea, 4(1) 161-176.

Fleury, M. T. L., & Fleury, A. (2000). Em Busca da Competência. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração ANPAD, São Paulo, SP, Brasil, 24.

Fleury, M. T. L., & Fleury, A. (2001). Construindo o conceito de competência. Revista de Administração Contemporânea, 5(esp), 183-196.

Godoy, A. S., & D’Amelio, M. (2012). Competências gerenciais desenvolvidas por profissionais de diferentes formações. Revista O&S, 19(63), 621-639.

Greatti, L., & Previdelli, J. J. (2004). Perfis empreendedores: análise comparativa das trajetórias de sucesso e do fracasso empresarial no Município de Maringá (PR). Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração, Curitiba, PR, Brasil, 28.

Hartle, F. (1995). How to re-engineer your performance management process. London: Kogan Page.

Hunter, J. C. (2004). O Monge e o Executivo. (18. ed.) Rio de Janeiro: Sextante.

Krajcovicova, K., Caganova, D., &Cambal, M. (2012). Key managerial competency models in industrial enterprises. Annals of DAAAM for 2012 & Proceedings of the 23rd International DAAAM Symposium, Viena, Áustria, EU.

LeBoterf, G. (1999). Competénce et navigation professionnelle. Paris: Éd. d’Organisation.

Le Boterf, G. (2001). Construire les competences individualles et collectives. Paris: Éditionsd´Organisation.

LeBoterf, G. (2003). Desenvolvendo a competência dos profissionais. São Paulo: Artmed e Bookman.

LeBoterf, G. (2000). L’ingénierie de compétences. Paris: Editions d´Organisation.

Martina, K., Hana, U., & Jiri, F. (2012). Identification of managerial competencies in knowledge-based organizations. Journal of Competitiveness, 4(1).

Menenti, S. A., Ciampone, M. H. T., Mira, V. L., Minami, L. F., & Soares, J. M. F. (2012). O processo de construção do perfil de competências gerenciais para enfermeiros coordenadores de área hospitalar. Revista da Escola de Enfermagem USP, 46(3), 727-33.

McClelland, D. C. (1973). Testing for competence rather than intelligence, American Psychologist, 28(1), 1-14.

Oderich, C. (2005). Gestão de competências gerenciais: noções e processos de desenvolvimento. In: R. L. Ruas, Antonello, C. S., Boff, L. H. Os novos horizontes da gestão: aprendizagem organizacional e competências. Porto Alegre: Artmed.

Oderich, C. L. O novo perfil e competências gerenciais. (2001). In: A. B. B. Manssour,A. L. B. Pereira, C. R. N. Rech, C. L. Oderich, C. S. Antonello, E. Binotto, J. C. L. Canizares, L. V. Silva, M. V. Silva, M. V. Zimmer, M. K. Nakayama, (Orgs.). Tendências em Recursos Humanos. Porto Alegre: Multimpressos.

Resende, E. (2003). O Livro das Competências. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Robbins, S. P. (2002). Comportamento Organizacional. São Paulo: Prentice Hall.

Sant’anna, A. S. (2008). Profissionais mais competentes, políticas e práticas de gestão mais avançadas? RAE eletrônica, 7(1).

Santana, M. A. (2005). Liderança e (in)Competência. São Paulo: T & D.

Scarborough, H. (1998). Path(ological) dependency? Core competencies from an organizational perspective. British Journal of Management, 9(3).

Senge, P. M. (1998). A Quinta Disciplina: Arte e Prática da Organização de Aprendizagem. São Paulo: Best Seller.

Silva, M. J. P. (2006). Comunicação tem remédio: A comunicação nas relações interpessoais em saúde. São Paulo: Gente.

Snyder, A., & Ebeling, H. W. (1992). Targeting a company’s real core competencies. Journal of Business Strategy, 13(6), 26-32.

Zarifian, P. (2001). Objetivo competência. São Paulo: Atlas.