Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Desigualdades Educacionais na Educação Básica: Uma Investigação a Partir do Exame Nacional do Ensino Médio

DOI: http://dx.doi.org/10.19180/1809-2667.v18n116-05

http://essentiaeditora.iff.edu.br/index.php/vertices 

downloadpdf

Raquel C. Zacchi1, Marlon G. Ney2 & Niraldo J. Ponciano3

 

Resumo: O artigo apresenta a influência dos recursos socioeconômicos familiares no desempenho dos alunos no ENEM e sua relação com o grau de iniquidade educacional existente no Brasil. A pesquisa utilizou os microdados de desempenho no ENEM de 2011 excluindo os alunos que não informaram a dependência administrativa da escola, bem como os que faltaram ou foram eliminados de qualquer uma das quatro provas objetivas. Outra adequação foi considerar apenas os alunos com idade entre 17 e 19 anos de idade. O desempenho masculino superou o feminino na prova objetiva e o inverso ocorreu na prova de redação. As maiores desigualdades educacionais ocorrem com alunos negros e pardos, com mães que nunca estudaram e com renda mensal de até 1,5 salário mínimo, bem como os que declararam frequentar escolas estaduais.

Palavras-chave: Desempenho Escolar. Desigualdades Educacionais. ENEM.

 

Abstract: The article presents the influence of family socioeconomic resources on student performance in National Secondary Education Examination (ENEM) and its relation with the degree of educational inequality in Brazil. The research used performance microdata from the 2011 ENEM excluding students who did not report academic retention, as well as those who missed the exam or failed in any in of the four objective tests. Another adjustment was made to consider students from 17 to 19 years of age. Male performance exceeded the female in objective assessment, while the opposite occurred in the composition test. The largest educational inequalities occur among those who declared attending state schools, among black and brownskinned students, with mothers who never attended school and who have a monthly income of up to 1.5 minimum salary.

Key words: School Performance. Educational Inequalities. ENEM.

 

1 Doutoranda em Sociologia Política pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF). Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFFluminense) campus Campos Centro, Campos dos Goytacazes/RJ - Brasil. E-mail: raquelcallegario@yahoo.com.br.
2 Professor Associado da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Campos dos Goytacazes/RJ – Brasil. E-mail: marlonney@uenf.br.
3 Professor Associado da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Campos dos Goytacazes/RJ – Brasil. E-mail: ponciano@uenf.br.

 

Literatura Citada

ALBERNAZ, Ângela; FERREIRA, Francisco H. G; FRANCO, Creso. Determinantes imediatos da queda da desigualdade de renda brasileira. In. BARROS, R. P. de; ULYSSEA, G. Desigualdade de renda no Brasil: uma análise da queda recente. Brasília: IPEA: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2007. v. 1.

ALVES, Maria Teresa Gonzaga; SOARES, José Francisco. As pesquisas sobre o efeito das escolas: contribuições metodológicas para a sociologia da educação. Sociedade e Estado, Brasília, v. 22, n. 2, . p. 435-473, maio/ago. 2007.

BARROS, Ricardo Paes de et al. A estabilidade inaceitável: desigualdade e pobreza no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2001a. (Texto para discussão; n.º 800).

BARROS, Ricardo Paes de et al. Determinantes do desempenho educacional no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA: Instituto de pesquisa Econômica Aplicada, 2001b. (Texto para discussão;n.o 83).

BARROS, Ricardo Paes de et al. A importância da queda recente da desigualdade na redução da pobreza. Rio de Janeiro: IPEA: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2007. (Texto para discussão; n.º 1256).

BOUDON, Raymond. Efeitos perversos e ordem social. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

BOUDON, Raymond. A Desigualdade das Oportunidades: a mobilidade social nas sociedades industriais. Brasília: Ed. UNB, 1981.

BOURDIEU, Pierre. Meditações pascalianas. Tradução Sergio Miceli. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BOURDIEU, Pierre. A Distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: EDUSP; Porto Alegre, RS: Zouk, 2007.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 12.ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009a.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 8.ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

BOURDIEU, Pierre. Escritos de Educação. Maria Alice Nogueira e Afrânio Catani (orgs.). 12.ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

BOURDIEU, Pierre. PASSERON, Jean-Claude. Os Herdeiros: os estudantes e a cultura. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014a.

BOURDIEU, Pierre. Elementos para uma teoria do sistema de ensino. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014b.

FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS. Mulheres no Mercado de Trabalho: Grandes números. 2007. Disponível em: <http://www.fcc.org.br/bdmulheres>. Acesso em: [2014].

MADEIRA, Felícia Reicher. Educação e desigualdade no tempo de juventude. In: CAMARANO, Ana Amélia (Org.). Transição para a vida adulta ou vida adulta em transição. Rio de Janeiro: IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2006. p. 139-170.

MALAVASI, Márcia. Pesquisa do Pisa comprova que meninas leem mais, e meninos são melhores em matemática. O Globo, São Paulo, 19 abr. 2014. Entrevista concedida a Dandara Tinoco.Disponível em: <http://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/pesquisa-do-pisa-comprova-que-meninas-leem-mais-meninos-sao-melhores-emmatematica-12241237>. Acesso em: [2014].

MARTELETO, Letícia Junqueira. Desigualdade intergeracional de oportunidades educacionais: uma análise da matrícula e escolaridade das crianças brasileiras. Belo Horizonte: CEDEPLAR/UFMG, 2004. 26p. (Texto para discussão; 242).

MELO, Marilândes Mól Ribeiro de. Não sei se valeu à pena ter sido professor, mas foi uma vida: convergências e divergências entre o projeto de modernização do governo catarinense e o corpo docente da Rede Estadual de Ensino de Santa Catarina (Década de 1960). Tese (Doutorado) – UFSC, 2014. 391p.

NERI, Marcelo Côrtes. Desigualdade de renda na década. Centro de Políticas Sociais. Fundação Getúlio Vargas, 2011. Disponível em: <http://www.cps.fgv.br/cps/bd/DD/DD_Neri_Fgv_TextoFim3.pdf>. Acesso em: [2014].

NEY, Marlon Gomes et al. A influência das condições socioeconômicas das famílias na qualidade da educação básica na região Norte Fluminense. Vértices, Campos dos Goytacazes, v. 12, n. 1, 2010.

SCHULTZ, T. W. O valor econômico da educação. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

SILVA, Edilaine Cristina da; LENARDÃO, Edmilson. Teoria do capital humano e a relação educação e capitalismo. Disponível em: <http://www.uel.br/eventos/sepech/sumarios/temas/teoria_do_capital_humano_e_a_relacao_educacao_e_capitalismo.pdf>. Acesso em: 14 ago. 2015.

TEIXEIRA, Anísio [1969]. Educação no Brasil. 3.ª ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1999.

TRAVITZKI, Rodrigo. ENEM: limites e possibilidades do Exame Nacional do Ensino Médio enquanto indicador de qualidade escolar. Tese (Doutorado em Educação) Universidade de São Paulo. Faculdade de Educação, 2013a. 320p.

VALLE, Bertha. Pesquisa do Pisa comprova que meninas leem mais, e meninos são melhores em matemática. O Globo, São Paulo, maio 2014. Entrevista concedida a Dandara Tinoco. Disponível em: < http://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/pesquisa-do-pisa-comprova-que-meninas-leem-mais-meninos-sao-melhores-emmatematica-12241237>. Acesso em: maio de 2014a.

VALLE, Ione Ribeiro. A profissionalização do corpo docente: as contradições das políticas educacionais. Disponível em: <http://www.portalanpedsul.com.br/admin/uploads/2004/Painel/Painel/05_00_46_A_PROFISSIONALIZACAO_DO_CORPO_DOCENTE_AS_CONTRADICOES_DAS_PO.pdf>. Acesso em: 13 mar. 2014b.