Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Conhecimento Ecológico Local sobre o Mero Epinephelus itajara (Lichtenstein, 1822) no Nordeste Paraense Amazônico

DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v6n2p110-119

http://periodicos.unifap.br/index.php/biota/index 

downloadpdf

Luciano de J. G. Pereira, Suélly C. P. Fernandes, Flávio M. Gonçalves, Ramon C. do N. Maia, Roberta S. L. Barboza, Bianca Bentes

 

Resumo: Foi investigado o conhecimento ecológico local (CEL) de pescadores a respeito das características bioecológicas de Epinephelus itajara no Nordeste Paraense Amazônico, uma espécie criticamente ameaçada de extinção. O estudo foi desenvolvido em três municípios da região Bragantina: Augusto Corrêa, Bragança (Península de Ajuruteua) e Tracuateua (Chapada). Os dados foram  obtidos através de entrevistas com pescadores, utilizando-se formulários semi-estruturados, no período de junho a outubro de 2014, por meio da técnica snowball (“Bola de Neve”). Uma lista de 27 atributos, na forma de variáveis categóricas, com até 6 classes para cada uma, foi elaborada para caracterizar o sistema pesqueiro ”mero”. Os atributos foram classificados de acordo com 5 dimensões: tecnológica, econômica, ecológica, social e de sustentabilidade. O RAPFISH elencou padrões muito particulares para o sistema 'mero', porém nenhuma das dimensões foi considerada excelente, entretanto, a dimensão social se destacou por que todos os atributos elencados receberam notas muito próximas umas das outras, homogeneizando o perfil social destes. Diferentemente do observado para as demais dimensões, principalmente a econômica e de sustentabilidade, que foram responsáveis pela maior deformidade do polígono, já que o status da produção vem decaindo mesmo sutilmente embora a pesca seja contínua.

Palavra-chave: conhecimento ecológico local, rapfish, moratória pesqueira.

 

Abstract: Were investigated the local ecologic knowledge (CEL) by fishermen about biological characteristic of Goliath Grouper Epinephelus itajara in northern Paraense Amazon, a critical endanger specie. This research was development in three municipality of Bragantine region: Augusto Corrêa, Bragança (Ajuruteua Peninsula) and Tracuateua (Chapada). Data were obtained by interviews with semi structure formularies to fishermen between June to October of 2014, by snowball technical. A list of 27attributes, with categorical variables, with until 6 classes by each one, were draw up to fishery system 'Atlantic Goliath Grouper'. These attributes were classified according 5 dimensions: technologic, economic, ecologic, social and sustainability. RAPFISH shows particular patterns to 'Atlantic Goliath Grouper' system, but no dimension was regard excellent, however, social dimension headline by all attributes listed received notes very closer one by other, become homogeneous their social profile, differently of observed to the other dimensions, mainly economic and sustainability, that were responsible by high polygon deformity, once production status were subtly even with continuous fisheries.

Key words: local ecological knowledge, rapfish, fishing moratorium

 

1 Laboratório de Bioecologia Pesqueira. Instituto de Estudos Costeiros - (IECOS). Universidade Federal do Pará, Brasil.
2 Laboratório de Pesca e Navegação. Instituto de Estudos Costeiros - (IECOS). Universidade Federal do Pará, Brasil.
3 Laboratório de Pesquisa e Extensão Socioambiental de Comunidades Amazônicas. Instituto de Estudos Costeiros - (IECOS). Universidade Federal do Pará, Brasil.

 

Literatura Citada

BARTHEM, R. B.; FABRÉ, N. N. Biologia e diversidade dos recursos pesqueiros da Amazônia. In: RUFFINO, Mauricio L. (coord.). A Pesca e os Recursos Pesqueiros na Amazônia Brasileira. Manaus: Ibama/ProVárzea, p.17–62. 2004.

BARBOZA, R. S. L.; PEZZUTI. Etnoictiologia dos pescadores artesanais da Resex Marinha Caeté Taperaçu, Pará: aspectos relacionados com etologia, usos de hábitat e migração de peixes da família Sciaenidae. Sitientibus série Ciências Biológicas, v. 11, n. 2, p. 133–141, 2011.

BENTES, B.; ISAAC, V. J.; ESPÍRITO SANTO, R. V.; FRÉDOU, T; ALMEIDA, M. C.; MOURÃO, K. R. M.; FRÉDOU, F. L. Multidisciplinary approach to identification of fishery production systems on the northern coast of Brazil. Biota Neotropica, v. 12, n. 3, p. 1-4, 2012.

BEGOSSI, ALPINA. Ecologia humana: um enfoque das relações homem ambiente. Interciência, v. 18, n.3, p. 121-132, 1993.

BERKES, FIKRET. Sacred ecology: Traditional Ecological Knowledge and Resource Management. Taylor & Francis. Philadelphia and London, 1999. 209 p.

BERKES, F.; COLDING, J.; FOLKE, C. Rediscovery of traditional ecological knowledge as adaptive management. Ecological Applications, v.10, n. 5, p. 1251-1262, 2000.

BRASIL. Decreto de 22 de novembro de 2001. Cria a Reserva Extrativista Marinha de Soure, no Município de Soure, Estado do Pará, e dá outras providências. Diário Oficial da União. S/N°, 23 de novembro de 2001.

BRASIL. Decreto de 16 de dezembro de 2002. Cria a Reserva Extrativista Mãe Grande de Curuçá, no Município de Curuçá, no Estado do Pará, e dá outras providências. Diário Oficial da União. S/N°, 16 de dezembro de 2002.

BRASIL. Decreto de 16 de dezembro de 2002. Cria a Reserva Extrativista Maracanã, no Município de Maracanã, no Estado do Pará, e dá outras providências. Diário Oficial da União. S/N°, 16 de dezembro de 2002.

BRASIL. Decreto de 16 de dezembro de 2002. Cria a Reserva Extrativista de São João da Ponta, no Município de São João da Ponta, no Estado do Pará, e dá outras providências. Diário Oficial da União. S/N°, 16 de dezembro de 2002.

BRASIL. Decreto de 16 de dezembro de 2002. Cria a Reserva Extrativista Chocoaré-Mato Grosso, no Município de Santarém Novo, no Estado do Pará, e dá outras providências. Diário Oficial da União. S/N°, 16 de dezembro de 2002.

BRASIL. Decreto de 20 de maio de 2005. Dispõe sobre a criação da Reserva Extrativista Marinha de Tracuateua, no Município de Tracuateua, no Estado do Pará, e dá outras providências. Diário Oficial da União. S/N°, 23 de maio de 2005.

BRASIL. Decreto de 20 de maio de 2005. Dispõe sobre a criação da Reserva Extrativista Marinha de Gurupi-Piriá, no Município de Viseu, no Estado do Pará, e dá outras providências. Diário Oficial da União. S/N°, 23 de maio de 2005.

BRASIL. Decreto de 20 de maio de 2005. Dispõe sobre a criação da Reserva Extrativista Marinha de Caeté-Taperaçu, no Município de Bragança, no Estado do Pará, e dá outras providências. Diário Oficial da União. S/N°, 23 de maio de 2005.

BRASIL. Decreto de 20 de maio de 2005. Dispõe sobre a criação da Reserva Extrativista Marinha de Araí-Peroba, no Município de Augusto Corrêa, no Estado do Pará, e dá outras providências. Diário Oficial da União. S/N°, 23 de maio de 2005.

BRASIL. Diário Oficial da União- Seção 1. Distrito Federal DF, 10 de outubro de 2014.

CHAMY, P. 2002. Reservas extrativistas marinhas: um estudo sobre posse tradicional e sustentabilidade. In: Anais do I Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade – ANPPAS, 2002. Disponível em: http://www.anppas. org.br/encontro_anual/encontro1/gt/ conhecimento _local/Paula%20Chamy.pdf. Acesso em: 12 de maio de 2015.

CLARKE, K. R.; WARWICK, R. M. A further biodiversity index applicable to species lists: variation in taxonomic distinctness. Marine Ecology Progress Series, v. 216, p. 265-278, 2001.

GRAHAM, R. T.; RHODES, L. R.; Castellanos, D. Characterization of the goliath grouper Epinephelus itajara fishery of southern Belize for conservation planning. Endang Species Res, v. 7, p. 195-204, 2009

DAVIS, A.; WAGNER J.R. Who knows? On the importance of iden- tifying “experts” when researching local ecological knowledge. Human Ecology, v. 31, n. 3, p. 463-489, 2003.

GERHARDINGER, L. C.; MEDEIROS, R. MARENZI, R. C.; BERTONCINI, A. A; HOSTIM-SILVA, M. Local Ecological Knowledge on the Goliath Grouper Epinephelus itajara. Neotropical Ichthyology. v. 4, n. 4, p. 441-450, 2006.

HACKRADAT, F. C. F.; HACKRADT, C. W. Estudo Populacional e monitoramento do mero, Epinephelus itajara (Lichtenstein, 1822), no litoral do Paraná, Brasil. Artigos Técnicos-Científicos. Natureza & Conservação. v. 6, n. 2, p. 31-46, 2008.

HAMILTON, R. J. Indigenous ecological knowledge (IEK) of the aggregating and nocturnal spawning behaviour of the longfin emperor, LETHRINUS erythropterus. SPC Traditional Marine Resource Management and Knowledge Information Bulletin, v. 18, n. 9-17, 2005.

HOSTIM-SILVA, M.; BERTONCINI, Á. A.; GERHARDINGER, L. C.; MACHADO, L. F. The Lord of the Rocks conservation program in Brazil: the need for a new perception of marine fishes. Coral Reefs, v. 24, p. 74- 74, 2005.

IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis. Portaria Nº 121, de 20 de setembro de 2002. Proíbe, nas águas jurisdicionais brasileiras, por um período de cinco anos, a captura de Epinephelus itajara Diário Oficial da União, Brasília, 23 de setembro 2002, Nº 184, Seção 1. 2002.

IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Portaria N°42, de 19 de setembro de 2007. Prorroga a proibição da captura de Epinephelus itajara por mais cinco anos. Diário Oficial da União, Brasília, 20 setembro de 2007, Nº 182, Seção 1. 2007.

IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais, N° 13/2012. Proíbe, nas águas jurisdicionais brasileiras, por um período de três anos, a captura de Epinephelus itajara. Diário oficial da União, 17 outubro 2012, N° 122, Secão 1. 2012.

ISAAC, V. J.; ESPÍRITO SANTO, R. V.; SILVA, B. B.; MOURÃO, K. R. M.; FRÉDOU, T.; LUCENA FRÉDOU, F. Uma Avaliação Interdisciplinar dos Sistemas de Produção Pesqueira do Estado do Pará, Brasil. Sistemas pesqueiros marinhos e estuarinos do Brasil. Universidade Federal do Rio Grande, FURG. 2011. p. 9-23.

ISAAC, V. J.; ESPÍRITO-SANTO, R. V; SILVA, B. B.; CASTRO, E.; SENA, A. L. Diagnóstico da Pesca no Litoral do Estado do Pará. In: ISAAC, V.J.; MARTINS, A.S.; HAIMOVICI, M.; ANDRIGUETTO FILHO, J. (Orgs.). A pesca marinha e estuarina do Brasil no inicio do século XXI: recursos, tecnológias, aspectos socioeconômicos e institucionais. Belém: Universidade Federal do Pará, UFPA. 2006. p.11-40.

ISAAC, V. J.; SILVA, C. O.; RUFFINO, M. L. A pesca no baixo Amazonas. In. RUFFINO, M.L (Coord). A pesca e o recurso pesqueiro na Amazônia Brasileira. IBAMA/Pro-várzea, 2004. p. 115-211.

KOENING, C.C.; COLEMAN, F.C.; KINGON, K. A Goliath Success Story for Marine conservation in Florida. America Fisheries Society. v.? p. 3-7, 2009.

MMA. Ministério do meio Ambiente. Relatório da reunião de pesquisa e ordenamento do mero (Epinephelus itajara). Itajaí, SC. CEPSUL. 39 p. 2007.

MORRIS, A.V.; ROBERTS, C.M.; HAWKINS, J.P. The threatened status of groupers (Epinephelinae). Biodiversity and Conservation, v 9, p. 919–942. 2000.

PET-SOED, C., VAN DENSEN, W. L. T., PET, J. S.; MACHIELS, M. A. M. Impactbof Indonesian coral reef fisheries on fish community structure and the resultant catch composition. Fisheries Research, v. 51, p. 35- 51. 2001.

PITCHER, T. J.; BUNTY, A.; PREIKSHOT, D.; HUTTON, T.; PAULY, D. Measuring the unmeasurable: a multivariate interdisciplinary method for rapid appraisal of health of fisheries. In: Pitcher, T.J.; Hart, P.J.B.; Pauly, D. Chapman; Hall Reinventig (Eds.) Fisheries management, London, UK, 1998. p. 31-51.

PITCHER, T. J.; PREIKSHOT, D. Rapfish: Rapid appraisal technique to evaluate the sustainability status of fisheries. Fisheries Research, v. 49, n.3, p. 255-270. 2001.

JOHANNES, R. E. Words of the lagoon. Berkeley: University of California Press. 1981.

JOHANNES, B. Summary of presentation to Introduction to Marine Protected Areas Short Course. 2001.

REUSS-STRENZEL, M. G.; ASSUNÇÃO, M. F. Etnoconhecimento ecológico dos caçadores submarinos de Ilhéus, Bahia, como subsídio à preservação do mero (Epinephelus itajara Lichtenstein, 1822). Revista da Gestão Costeira Integrada, v. 8, n. 2, p. 203-219. 2008.

SADOVY, Y.; EKLUND, A. M. Synopsis of biological data on the nassau grouper, Ephinephelus striatus (Bloch, 1792) and the jewfish, E. itajara (Lichtenstein, 1822). Rome: FAO, 1999. Seatle, Washington: U.S.Department of commerce,1999, p. 59.

SEAP /IBAMA/ FUNDAÇÃO PROZEE. Relatório final do projeto de monitoramento da atividade pesqueira no litoral do Brasil: Projeto ESTATPESCA. Brasília. 328p. 2006.

SILVANO, R. A. M. Pesca artesanal e etnoictiologia, in Ecologia de pescadores da Mata Atlântica e da Amazônia. In: A. Begossi (Org.), São Paulo: HUCITEC, 2004. p. 185-220.

SMITH, Gregory B. Ecology and distribution of eastern Gulf of Mexico reef fishes. Florida Marine Research Publications, n. 19, p. 78, 1976.

TAK-CHUEN, T.C.; FERRERA, B. P. Epinephelus itajara. In: IUCN Red List of Threatened Species. 2006. Disponível em: http://www.iucnredlist.org. Acesso em: ago. 2011.

WOORTMANN, Ellen F. Da complementaridade à dependência: espaço, tempo e gênero em comunidades “pesqueiras” do Nordeste. São Paulo, SP, Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 7, n. 9, p. 41- 6, 1992.