Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Experiência e Transformação de Si: Foucault e a Estetização da Vida

DOI: http://dx.doi.org/10.18766/2446-6549/interespaco.v2n4p81-96

http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/interespaco 

downloadpdf

Ramon T. P. Brandão1

 

Resumo: O presente artigo, marcado pelo pensamento de Michel Foucault, busca problematizar as formas de reinvenção da relação entre sujeito e experiência. Buscaremos revelar que o processo de subjetivação do indivíduo, na tomada de uma posição ética, caminha em direção a uma estética da existência. Paralelamente, evidenciaremos que a experiência para Foucault se organiza não a partir de um princípio de identidade, onde se pressupõe uma unidade, uma unicidade, mas, antes, a partir de um princípio de transformação, um modo de ação no qual o sujeito se concebe no devir, sendo, em si mesmo, o nó de múltiplas relações.

Palavras-chave: Experiência; Subjetivação; Ética; Foucault.

 

Abstract: This article marked by the thought of Michel Foucault, seeks to question the ways of reinventing the relationship between subject and experience. We will seek to prove that the individual's subjective process, in making an ethical position, moves towards an aesthetic of existence. At the same time, we show that the experience for Foucault is organized not from a principle of identity, which assumes a unity, a oneness, but rather from a principle of transformation, an action mode in which the subject conceives in becoming, being, in itself, the node multiple relationships.

Key words: Experience; Subjectivation; Ethic; Foucault.

 

1 Graduado e Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP. ramonbrandao41@hotmail.com

 

Literatura Citada

BINSWANGER, Ludwig. Rêve et existence. Paris: Vrin, 2013.

DELEUZE, Gilles. Pourparles. Paris: Les Éditions de Minuit, 1990.

DREYFUS, Hubert L. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

DROIT, R. Pol. Michel Foucault. Entrevistas. Coord. Roberto Machado; Trad. Vera Portocarrero e Gilda G. Carneiro. São Paulo: Graal, 2006.

FOUCAULT, Michel. Histoire de la Folie à l’Âge Classique. Paris: Gallimard, 1972.

FOUCAULT, Michel. “Poderes e estratégias”. In: CARRILHO, M. Maria (Org.). Dissidência e nova filosofia. Lisboa: Assírio & Alvim, 1979.

FOUCAULT, Michel. “Entretien avec Michel Foucault”. In: DEFERT, Daniel; EWALD, François; LAGRANGE, Jacques (Ed.). Dits et Écrits IV. Paris: Gallimard, 1984.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT, Michel. “L‟homme est-il mort?”. In: DEFERT, Daniel; EWALD, François; LAGRANGE, Jacques (Ed.). Dits et Écrits I. Paris: Gallimard, 1994.

FOUCAULT, Michel. “Entretien avec Michel Foucault”. In: DEFERT, Daniel; EWALD, François; LAGRANGE, Jacques (Ed.). Dits et Écrits III. Paris: Gallimard, 1994b.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos V. Org. Manoel B. da Motta; Trad. Elisa Monteiro e Inês A. D. Barbosa. Rio de Janeiro: Forence Universitária, 2004.

FOUCAULT, Michel. “Introduction à l‟Antropologie”. In: KANT, E. Anthropologie du point de vue pragmatique. Paris: Vrin, 2009.

FOUCAULT, Michel. A coragem da verdade. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

PELBART, Peter Pal. O avesso do niilismo: cartografias do esgotamento. São Paulo: n-1 Edições, 2013.

PLATÃO. Alcibiades. Edited by Nicholas Denyer. Cambridge University Press, 2001.

PLATÃO. Alcibiades. Laques. Lisboa: Edições 70, 2006.