Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Governamentalidade como Prática de Submissão do Corpo à Biopolítica

DOI: http://dx.doi.org/10.18766/2446-6549/interespaco.v2n4p97-108

http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/interespaco 

downloadpdf

Elinalva P. de Carvalho1

 

Resumo: Investiga a prática governamental definida por Michel Foucault como uma arte de governar, como esse poder político se aperfeiçoou, demonstrando que ele se caracteriza por práticas adquiridas sob uma concepção da “razão de Estado”, operando por meio de sistemas de submissão que, aplicados ao corpo, funcionam como ferramentas de dominação e construção da espécie. Em primeira instância, busca-se conhecer os conceitos que permitiram a Michel Foucault construir a noção de governamentalidade pautada na razão de Estado, quer dizer, uma racionalidade governamental que se notabiliza por uma nova maneira de regulamentação política e submissão do corpo para assim manter os indivíduos presos aos aparelhos de poder. A partir do século XVIII, Foucault identifica uma série de mecanismos que possibilitaram a ascensão do Estado como um poder centralizador e,depois, poder capilar e pulverizado que rege a espécie humana. Entre tais mecanismos se dá ênfase a algo que Foucault identificou como biopolítica: uma prática governamental pela qual se conduz (por meio da força ou não) estratégias políticas que legitimam o poder do Estado, encontrando na população seu objeto de produção e potencialização. Esse poder governamental proposto por Foucault implica uma série de condições específicas que possibilitaram sua expansão para o meio onde se desenvolve a população. Toda a filosofia, do denominado último Foucault, possui como centro de sua atenção a constituição de um novo modelo de poder, a organização de políticas preocupadas essencialmente com a gestão da vida, e o surgimento de um novo horizonte onde os indivíduos e as forças do Estado e do Capital entrariam em conflito.

Palavras-chave: Governamentalidade; Corpo; Biopolítica; Razão de Estado.

 

Abstract: Investigates government practice defined by Michel Foucault as a statecraft, as this political power has improved demonstrating that it is characterized by practices acquired under a concept of "reason of state" working through submission systems that applied to the body function as domination of tools and construction of the species. In the first instance we seek to know the concepts that allowed Michel Foucault build the notion of governmentality guided by the reason of state, that is, a governmental rationality that is notable for a new way of political regulation and body submission in order to maintain individuals attached to power devices. From the eighteenth century Foucault identifies a series of mechanisms that made possible the rise of the state as a centralizing power and then capillary and sprayed power that governs the human species. Among such mechanisms is given emphasis to something that Foucault identified as biopolitics: a government practice by which it leads (through force or not) political strategies that legitimize the power of the state, finding the population its object the production and potentiation. This government power proposed by Foucault entails a number of specific conditions that allowed its expansion into the middle where develops the population. . The whole philosophy of the so-called last Foucault has the center of its attention the creation of a new model of power, the organization of concerned policies mainly with the management of life, and the emergence of a new horizon where individuals and state forces and Capital would conflict.

Key words: Governmentality; Body; Biopolitics; Reason of State.

 

1 Discente do Curso de Licenciatura em Ciências Humanas/Sociologia da Universidade Federal do Maranhão – UFMA/ Campus de São Bernardo. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa: Ontologia, Corpo e Biopolítica – NEO-BIO. elyyna04@hotmail.com

 

Literatura Citada

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. 13. ed. Rio de Janeiro. Graal. 1998.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1999.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: Curso dado no Collège de France (1975-1976). Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território, População: Curso dado no Collège de France (1977-1978). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

FOUCAULT, Michel. O nascimento da biopolítica: Curso dado no Collège de France (1978-1979). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: A vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Ed. Graal, 2009.

MAIA, Antônio. Do biopoder à governamentalidade: sobre a trajetória da genealogia do poder. Currículo sem Fronteiras, v. 11, n. 1, p. 54-71, jan./jun. 2011. Disponível em: Disponível em: <http://www.curriculosemfronteiras.org/vol11iss1articles/maia.pdf>. Acesso em: 20 maio 2015.

VEIGA-NETO, Alfredo. Coisas do governo. In: RAGO, Margareth; ORLANDI, Luiz B. Lacerda, VEIGA-NETO, Alfredo (Org.). Imagens de Foucault e Deleuze: ressonâncias nietzschianas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 13-34.