Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

PROSUB - Programa de Desenvolvimento de Submarinos: Contribuições para a Consolidação da Base Industrial de Defesa Marítima Brasileira

DOI: http://dx.doi.org/10.21544/1809-3191/regn.v22n1p33-68

https://www.egn.mar.mil.br/arquivos/revistaEgn/index.html 

downloadpdf

Roberto C. Rosendo1 & Luiz Pedone2

 

Resumo: O artigo aborda os principais condicionantes para a efetivação do processo de Transferência de Tecnoliga (ToT) do PROSUB e as perspectivas de nacionalização da produção de submarinos convencionais e movidos a propulsão nuclear no Brasil. O processo de ToT do PROSUB é analisado a partir da discussão envolvendo a reestruturação produtiva e a política industrial que permeiam, respectivamente, as indústrias marítimas de defesa da França e do Brasil. Ressalta-se a retomada da política industrial no Brasil, a partir de 2002, sua articulação à Estratégia Nacional de Defesa (END) e a importância dos programas PROSUB e do Programa Nuclear para a reestruturação da Base Industrial de Defesa brasileira. Por fim, concebe-se que a efetividade do processo de ToT do PROSUB dependerá da capacidade de reestruturação produtiva e tecnológica da indústria de defesa ligada ao segmento marítimo, a partir da formação de um cluster inovativo na região sudeste do Brasil.

Palavras-chave: Programa de submarinos da Marinha. Transferência de tecnologia (ToT). Política industrial.

 

Abstract: This article discusses the main conditions for PROSUB’s Transfer of Technology (ToT) processes implementation and evaluates Brazil’s possibilities to nationalize the production of conventional and powered by nuclear propulsion submarines. PROSUB’s ToT process is analyzed from the discussion involving the productive restructuring and industrial policy witch permeate both french and brasilian maritme defense industries. It is emphasized the resumption of industrial policy in Brazil, since 2002, its coordination with the National Defense Strategy (NDE) and the importance of PROSUB and Nuclear Programs toward restructuring brazilian industrial base of defense. Finally, it is conceived that the effectiveness of PROSUB’s ToT process will depend on maritime defense industry production and technological restructuring capabilities, from the consolidation of a maritime defense cluster in Brazil’s southeast region.

Key words: Navy Submarine Program; Transfer of Tecnolodgy (ToT); Industrial Policy.

 

1 Doutor em Ciências Sociais; Professor Auxiliar no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa (ISCSP-UTL), Lisboa, Portugal. E-mail: hromana@iscsp.ulisboa.pt

 

Literatura Citada

A TRANSFORMAÇÃO da defesa. In: BRASIL. Ministério da Defesa. Livro branco de defesa. Brasília, DF, 2012. Disponível em: <http://www.defesa.gov.br/arquivos/2012/mes07/lbdn.pdf> Acesso em: 18 jun. 2015.

ALBUQUERQUE, E. National system of innovation and non-OECD countries: notes about a tentative typology. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 19, n. 4, p. 35-52, out./dez. 1999.

AMX: histórico. Centro histórico EMBRAER, São José dos Campos, SP, c2012. Seção Aeronaves. Disponível em: <http://www.centrohistoricoembraer.com.br/pt-BR/HistoriaAeronaves/Paginas/AMX.aspx>. Acesso em: 12 nov. 2015.

BRASIL. Centro Tecnológico da Marinha do Brasil em São Paulo. Programa nuclear da Marinha. São Paulo, [2015]. Disponível em: <https://www1.mar.mil.br/ctmsp/programa-nuclear-da-marinha>. Acesso em: 12 nov. 2015.

BRASIL. Diretrizes da Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior. [S.l.], 2003. Disponível em: <http://www.anped11.uerj.br/diretrizes.pdf> Acesso em: 17 nov. 2015.

BRASIL. Marinha. Programa de Desenvolvimento de Submarinos – PROSUB: Programa de Offset. [S.l.], 2015. Disponível em: <http://lithic.kinghost.net/prosub/programa-de-offset> Acesso em: 10 nov. 2015.

BRASIL. Ministério da Defesa. Portaria nº 764, de 27 de dezembro de 2002. Aprova a Política e as Diretrizes de Compensação Comercial, Industrial e Tecnológica do Ministério da Defesa. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 31 dez. 2002. Seção 1, p. 19. Disponível em: <http://www.jusbrasil.com.br/diarios/830358/pg-19-secao-1-diario-oficial-da-uniao-dou-de-31-12-2002>. Acesso em: 22 nov. 2015.

BRUSTOLIN, V. Inovação e Desenvolvimento via Defesa Nacional nos EUA e no Brasil. 2014. 169f. Tese (Doutorado em Estratégia e Desenvolvimento)- Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro-RJ, 2014. Disponível em: <http://scholar.harvard.edu/brustolin/phd-thesis> Acesso em: 15 maio 2015.

COOKE, P. Origins of the Concept. In: BRACZYK, H.; COOKE, P.; HEIDENREICH, M.; (Org.) Regional Innovation Systems. London: UCL Press, 1998.

DE LA MOTE, J.; PAQUET, G. Local and Regional Systems of Innovations. Boston: Kluwer Academic Publishers, 1998.

EDQUIST, C. (Ed.). Systems of Innovation Approaches-Their Emergence and Characteristics. In: EDQUIST, Charles. Systems of Innovation Technologies, Institutions and Organizations. London: Routledge, 1997. (Science, Technology and the International Political Economy Series).

EMB 326 Xavante. Centro histórico EMBRAER, São José dos Campos, SP, c2012. Seção Aeronaves. Disponível em: <http://www.centrohistoricoembraer.com.br/pt-BR/HistoriaAeronaves/Paginas/EMB-326-Xavante.aspx>. Acesso em: 12 nov. 2015.

ENGEPRON Site Institucional. Rio de Janeiro, C2016. Disponível em: <https://www.emgepron.mar.mil.br/index/aempresa.php>. Acesso em: 18 jan. 2016.

FEIJO, C.; OREIRO, J. Desindustrialização, causas efeitos e o caso brasileiro. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 30 n. 2, p. 219-232, 2013.

FERNANDES, V. A indústria de Defesa, Inovação e Competitividade. Revista Nação e Defesa, Lisboa, n. 117, 3a. Série, p. 65-89, 2007.

FERRAZ, M. B. Retomando o Debate: a nova política industrial do Governo Lula. Revista Planejamento e Políticas Públicas, Brasília, DF, n. 32, jan./jun. 2009. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/ppp/index.php/PPP/article/viewFile/17/2>. Acesso em: 10 nov. 2015.

FREEMAN, C.; SOETE, L. The Economics of Industrial Innovation. 3. ed. Massachusetts: Mit Press Cambridge, 1999.

HIRSCHFELD, G. M. Transferência de Tecnologia e Nacionalização do PROSUB: benefícios para o Brasil. Brasília, DF, ago. 2014. Apresentação na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/atividadelegislativa/comissoes/comissoes-permanentes>. Acesso em: 8 dez. 2015.

HIRSCHMAN, A. The strategy of economic development. New Haven: Yale University Press, 1958. Edicion en espanõl: la estratega del desarrollo económico, México, FCE,1961.

HISTORY: 1631, the first naval dockyards. DCNS, Paris, c2014. Disponível em: <http://en.dcnsgroup.com/group/en-profil/en-histoire/> Acesso em: jan. 2016.

HOEKMAN, B.; MASKUS, K.; SAGGI, K. Transfer of Technology to Developing Countries Unilateral and Multilateral Policy Options. World Development, v. 33, n. 10, p. 1587-1602, 2005.

LASOTA, L. A. Offset: conceito, modalidades e políticas de aplicação. Revista Jus Navigandi, Teresina, PI, v. 16, n. 2841, 12 abr. 2011. Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/18889>. Acesso em: 5 dez. 2015.

LASTRES, M. H.; CASSIOLATO, J. E. Novas políticas na era do conhecimento: o foco em arranjos produtivos e inovativos locais. Rio de Janeiro: RedeSist, IE/UFRJ, 2003. Disponível em: <http://www.ie.ufrj.br/redesist> . Acesso em: 20 jan. 2016.

LIMA, A.; ROSENDO, R. Transferência de tecnonogia e nacionalização do PROSUB. Niterói, 2015. Texto para Discussão do Curso de Extensão em Avaliação de Políticas Públicas. Laboratório de Defesa, C&T e Política Internacional. Instituto de Estudos Estratégicos.

LONGHI, Christian; ROCHHIA, Sylvier. Cluster policy for innovation and competitiveness. Lessons from the French experience. European Review of industrial Economics and Policy paru dans - ERIEP, n. 5, 2012. Disponível em: <http://revel.unice.fr/eriep/?id=3495#tocto1n4>. Acesso em: 26 set. 2015.

LONGO, W.; MOREIRA, W. Tecnologia e inovação no setor de defesa: uma perspetiva sistêmica. Revista da Escola de Guerra Naval, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 22-77, 2013.

MANHÃES, V. Evolução da densidade industrial dos estados do sudeste brasileiro: pode-se falar em desindustrialização?. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação)– Faculdade de em Economia, Universidade Federal Fluminense, Campos, RJ, 2013.

MELO, R. Indústria de defesa e desenvolvimento estratégico: estudo comparado com a França-Brasil. Brasília, DF,: Funag, 2015.

MOTHE, J.; PAQUET, G. Local and Regional Systems of Innovation as Learning Socio-Economies. In: MOTHE, J.; PAQUET, G. (Ed.) Local and regional Systems of Innovation. Boston: Cluwer Academic Publishers, USA, 1998.

MYTELKA, L. K.; FARINELLI, F. Local Cluster, Innovations Systems and Sustained Competitiveness. In: Seminário Local Clusters, Innovations Systems and Sustained Competitiveness, IE-BNDES. Rio de Janeiro, 2000. Nota técnica 5.

NELSON, R. Understanding Technical Change as an Evolutionary Process. Amsterdam: Elsevier, 1987.

OINAS, P.; MALECKI J. Spatial Innovation Systems. In: MALECKI, E.; OINAS P. (Org.) Making Connections, Technological Learning and Regional Economic Change. Brookfield: Ashgate, 1999. p. 7-34.

OS PROJETOS estratégicos da Marinha do Brasil. Marinha em Revista, Brasília, DF, v. 4, n. 10, jun. 2014. Edição especial. Disponível em: <http://www.mar.mil.br/hotsites/marinhaemrevista/junho_2014/junho_2014> Acesso em: 10 nov. 2015.

PEDONE, L. Science, technology and innovation for defense in Brazil, comparative analysis of institutions, defense policy-programs and challenges. [S. l.], 2015. Discussion paper presented at the King´s College Defense International Seminar, London, nov. 11-12, 2015.

PORTER, M. E. A Vantagem Competitiva das Nações. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

ROSENDO, R. C. A indústria petrolífera em Macaé-RJ: caracterização do sistema produtivo Local. 2004. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção)- Universidade Estadual Darcy Ribeiro, Campos dos Goytacazes-RJ, 2004.

ROSENDO, R. C. O sistema de Inovação do Estado do Rio de Janeiro: Impactos da Indústria Petrolífera. Tese (Doutorado em Economia)- Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, 2008.

SANTAYANA, M. O cerco à indústria brasileira de defesa: na contramão da tendência mundial Brasil desnacionaliza sua indústria. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 16 ago. 2012. Disponível em: <http://www.jb.com.br/pais/noticias/2012/08/16/o-cerco-a-industria-brasileira-de-defesa-2/>. Acesso em: 5 nov. 2014.

SANTOS, F.; CROCCO, M.; LEMOS, M. Arranjos e sistemas produtivos locais em “espaços industriais” periféricos: estudo comparativo de dois casos brasileiros. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, 2002. (Texto para discussão, 182).

VERDUNG, E. Public Policy and Policy Evaluation. New Brunswick: Transaction Publishers, 1997.