Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Periculosidade da Área de Operações da Divisão Naval Brasileira na Costa Ocidental Africana Durante a Grande Guerra em 1918

DOI: http://dx.doi.org/10.21544/1809-3191/regn.v22n1p91-114

https://www.egn.mar.mil.br/arquivos/revistaEgn/index.html 

downloadpdf

Francisco E. A. de Almeida1

 

Resumo: O presente artigo tem o propósito de analisar o grau de periculosidade de atividade submarina inimiga na área de operações alocada à Divisão Naval em Operações de Guerra (DNOG), o triângulo inserido entre Dacar, Ilhas de Cabo Verde e Gibraltar, na costa ocidental africana, pelo Comando Aliado no período compreendido entre agosto e novembro de 1918. Inicialmente discute-se a entrada no Brasil no conflito, as contribuições oferecidas pelo governo brasileiro às nações aliadas e a ida da divisão naval para a costa africana. Em seguida discutese a preparação e a ida da divisão para a costa africana. Posteriormente são apresentadas informações baseadas em documentação primária e secundária a respeito das atividades submarinas alemães na área de operações da DNOG, para se concluir pela baixa periculosidade da área em relação a outras áreas mais perigosas e ativas em operações anti-submarino dos países aliados.

Palavras-chave: DNOG. Grande Guerra. Atividade Submarina. Brasil e a Primeira Guerra Mundial.

 

Abstract: The article has the purpose to analyse the dangerousness degree of enemy submarine activity on the operational area allocated to the Brazilian naval division (DNOG), the triangle inserted between Dakar, Cape Verde Islands and Gibraltar, at the western African coast, by the Allied Command between august and november, 1918. Initially it is presented the motives why Brazil entered in the conflict, followed by considerations about the contributions offered by the Brazilian government on the allied side and the dispatch of a naval division to the western African coast. It is discussed the preparation and dispatch of the division to the African coast. Based on primary and secondary sources it is discussed the German submarine activities in the DNOG operational area, to get the conclusion that this area had a low dangerousness degree in relation to other areas concerning allied anti-submarine operations.

Key words: DNOG. Great War. Submarine Activity. Brazil and First World War.

 

1 Doutor em Historia Comparada pelo Programa de Pos- Graduação em História Comparada – UFRJ. Em estágio Pós-doutoral no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa, Portugal. E-mail: mh.almeida@uolcom.br

 

Literatura Citada

BULLETINS de la Guerre Sous-marine. Arquivo Histórico da Marinha de Portugal. Fundo Núcleo 320 – Relatórios e Correspondência Confidencial.

CONWAY’S All the World’s Fighting Ships. The National Museum, Feb. 2015. Disponível em: <http://www.naval-history.net/WW1NavyBritishShips-Locations7Conway.htm>. Acesso em: 07 jul. 2016

DE SOUSA, Alfredo Botelho. A defesa da navegação mercante na guerra submarina. Anais do Club Militar Naval. Lisboa: Portugal, 1917.

GIBSON, R.H; PRENDERGAST, Maurice. Histoire de la guerre Sous-marine 1914-1918. Paris: Payot, 1932.

INSO, Jaime Correia do. A Marinha Portuguesa na grande guerra. Porto: Comissão Cultural da Marinha, 2006.

MAIA, João do Prado. DNOG: uma página esquecida da história da Marinha Brasileira. SDGM: Rio de Janeiro, 1961.

MARTINS, Hélio Leôncio. A Revolta da armada. Bibliex: Rio de Janeiro, 1997.

MASSIE, Robert. Castles of steel: Britain, Germany and the winning of the great war. New York: Ramdon House, 2003.

MICHELSEN, Andreas. La Guerre Sous-Marine 1914-1918. Paris: Payot, 1928.

MONTEIRO, Saturnino. Batalhas e combates da Marinha Portuguesa. Lisboa: Sá da Costa, 1997. 8 v.

NEWBOLT, Henry. History of the great war based on official documents. Naval Operations. London: Longmans Green and Co, 1931. v.5, part. 1. Appendices.

SCHUCK-PAIM, Cynthia et.al. Exceptionally high mortality rate of the 1918 influenza pandemic in the Brazilian naval fleet. London: Blackwell Publishing Ltd, Feb. 2012.