Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

PROSUB: Tecnologia como Fator Estratégico para o Brasil e para a Segurança do Atlântico Sul

DOI: http://dx.doi.org/10.21544/1809-3191/regn.v22n1p197-216

https://www.egn.mar.mil.br/arquivos/revistaEgn/index.html 

downloadpdf

Michelly S. Geraldo1 & Naiane I. Cossul2

 

Resumo: O artigo objetiva demonstrar como o PROSUB (Programa de Desenvolvimento de Submarinos) caracteriza-se como um fator estratégico para o Brasil e para a Segurança do Atlântico Sul. Partindo da ideia de que há restrições formais e informais para a aquisição de armamentos no cenário internacional, o desenvolvimento de submarinos em âmbito nacional com transferência de tecnologia é ponto elementar para a soberania tecnológica e também para o incremento de tecnologias sensíveis, como é o caso do submarino de propulsão nuclear. Nesse sentido, o artigo está dividido em três seções. Inicialmente delineiam-se movimento no sistema internacional. Em um segundo momento, traça-se um panorama histórico sobre a evolução do projeto do submarino nuclear brasileiro. E, por fim, aponta-se a retomada do PROSUB, coordenado pela Marinha brasileira, como elemento estratégico e de caráter dual para a defesa nacional, bem como a importância estratégica do Atlântico Sul. Assim, será possível compreender o papel desse projeto para a inserção internacional do Brasil, para a construção de uma agenda de defesa pautada na dissuasão e para a diminuição do cerceamento tecnológico.

Palavras-chave: PROSUB. Brasil. Segurança no Atlântico Sul. Tecnologia. Cerceamento tecnológico.

 

Abstract: The article aims to demonstrate how the PROSUB (Submarine Development Program) is characterized as a strategic factor for Brazil and the South Atlantic Security. Starting from the idea that there are formal and informal restrictions on the purchase of weapons on the international scene, the development of submarines nationwide with technology transfer is elementary point for technological sovereignty and also to the increase of sensitive technologies, such as nuclear-powered submarine. In this sense, the article is divided into three sections. Initially to delineate aspects of technological restriction, demonstrating that PROSUB is one answer to this movement in the international system. In a second step, draw a historical overview on the evolution of the Brazilian nuclear submarine project. And, finally, points to renewed PROSUB, coordinated by the Brazilian Navy as a strategic element and dual character for national defense, as well as the strategic importance of the South Atlantic. So, is it possible to understand the role of this project for the international insertion of Brazil, for the construction of a defense agenda guided in deterrence and to reduce the technological restriction.

Key words: PROSUB. Brazil. South Atlantic Security. Technology. Technological restriction.

 

1 Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos Internacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGEEI/UFRGS), Porto Alegre – RS, Brasil. E-mail: gs.michelly@gmail.com.
2 Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos Internacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGEEI/UFRGS), Porto Alegre – RS, Brasil. E-mail: naianecossul@hotmail.com.

 

Literatura Citada

ANDRADE, Ana Maria Ribeiro de. A opção nuclear: 50 anos rumo à autonomia. Rio de Janeiro: MAST, 2006.

BATTAGLINO, Jorge. O Brasil e a criação do Conselho de Defesa Sul-Americano: uma convergência de vantagens. Revista Nueva Sociedad, dez. 2009.(Especial em português).

BRANDÃO, Rafael Vaz da Motta. O negócio do século: o acordo de cooperação nuclear Brasil-Alemanha. 2008. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2008.

BRASIL. Ministério da Defesa. Acordo Brasil-França, Brasília, DF, 2009.

BRASIL. Ministério da Defesa. Livro branco de defesa nacional. Brasília, DF, 2012a. Disponível em: <http://www.defesa.gov.br/arquivos/2012/mes07/lbdn.pdf>. Acesso em: 26 out. 2015.

BRASIL. Ministério da Defesa. Política Nacional de Defesa: estratégia nacional de defesa. Brasília, DF: Esplanada dos Ministérios, 2012b. Versão compilada. Disponível em: <http://www.defesa.gov.br/arquivos/estado_e_defesa/ENDPND_Optimized.pdf>. Acesso em: 20 nov. 2015.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Memorando de Entendimento entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Francesa. 2015. Disponível em: <http://www.senado.leg.br/comissoes/cre/ap/AP2090916_Acordo_Brasil_Franca.pdf>. Acesso em: 1 dez. 2015.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Zona de paz e cooperação do Atlântico Sul. Brasília, DF, [201-?]. Disponível em: <http://www.itamaraty.gov.br/index.php?option=com_tags&view=tag&id=567-zopacas-zona-de-paz-ecooperacao-do-atlantico-sul&lang=pt-BR> Acesso em: 12 nov. 2015.

BRASIL. Presidência da República. Declaração à imprensa da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após encontro bilateral com o Presidente da República francesa, François Hollande. Brasília, DF, 2013. Disponível em: <http://www2.planalto.gov.br/acompanhe-o-planalto/discursos/discursos-da-presidenta/declaracao-a-imprensa-da-presidenta-da-republica-dilma-rousseff-aposencontro-bilateral-com-o-presidente-da-republica-francesa-francoishollande>. Acesso em: 20 nov. 2015.

CASTRO, Therezinha de. Geopolítica, princípios, meios e fins. Rio de Janeiro: Bibliex, 1999.

CARRASCO, Lorenzo. In.: CORRÊA, Fernanda das Graças. O projeto do submarino nuclear brasileiro: uma história de ciência, tecnologia e soberania. Rio de Janeiro: Capax Dei, 2010.

CORRÊA, Fernanda das Graças. O projeto do submarino nuclear brasileiro: uma história de ciência, tecnologia e soberania. Rio de Janeiro: Capax Dei, 2010.

FIORI, J. L.; PADULA, R.; VATER, M. C. (coords.). A projeção do Brasil na América do Sul e na África Subsaariana, e o controle da Bacia do Atlântico Sul. Brasília: [s.n.], 2012. Disponível em: <http://media.wix.com/ugd/879bbf_9d1021deec496dfc998c205e1b026a63.pdf>. Acesso em: 2 nov. 2015.

GUIMARÃES, Leonam dos Santos. Estratégias de implementação e efeitos de arraste dos grandes programas de desenvolvimento tecnológico nacionais: experiências do programa nuclear da marinha do Brasil. Pesquisa Naval, Rio de Janeiro, v. 16, p. 129-146, 2003.

KLARE, Michael T. The new geopolitics of energy. New York: The Nation, 2008. Disponível em: <http://www.thenation.com/article/new-geopolitics-energy>. Acesso em: 1 nov. 2015.

LESKE, Ariela Diniz Cordeiro. Inovação e políticas na indústria de defesa brasileira. 2013. 197 f. Tese (Doutorado em Economia)- Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

LONGO, W. P.; MOREIRA, W. S. Contornando o cerceamento tecnológico, defesa, segurança internacional e forças armadas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010. p. 309-321.

LONGO, W. P.; MOREIRA, W. S. O acesso a tecnologias sensíveis. Tensões Mundiais, Fortaleza, v. 5, n. 9, p. 76-98, 2009.

LONGO, W. P. Conceitos básicos sobre ciência e tecnologia. Rio de Janeiro: Escola Superior de Guerra, 1987.

LONGO, W. P. A Tecnologia militar: conceituação, importância e cerceamento. Tensões mundiais, Fortaleza, v. 3, n. 5, p. 111-143, 2007.

MATTOS, Carlos de Meira. Brasil: geopolítica e destino. Rio de Janeiro: José Olympio, 1979.

MARTINS FILHO, João Roberto. O projeto do submarino nuclear brasileiro. Contexto internacional, Rio de Janeiro, v. 33, n. 2, p. 277-314, dec. 2011.

MEARSHEIMER, John. The tragedy of great power politics. New York: Norton & Company, 2001.

MOREL, Regina Lúcia Moraes. Ciência e Estado: a política científica no Brasil. São Paulo: T.A. Queiroz, 1979.

NEVES, André Luiz Varella. Atlântico Sul: projeção estratégica do Brasil para o século XXI. In.: GHELLER, Gilberto Fernando; GONZALES, Selma Lúcia de Moura; MELO, Laerte Peotta (Orgs.). Amazônia e Atlântico Sul: desafios e perspectivas para a defesa no Brasil. Brasília, DF: IPEA, 2015.

OLIVEIRA, Odete Maria de. Os descaminhos do Brasil nuclear. Ijuí, RS: Unijuí, 1999.

PEDONE, Luiz. Mecanismos unilaterais de cerceamento tecnológico e comercial e regimes que o Brasil não aderiu. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS DE DEFESA, 3., 2009. Londrina, Anais... Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2009.

PENHA, Eli Alves. Relações Brasil-África e Geopolítica do Atlântico Sul. Salvador: EDUFBA, 2011.

RIBAS FILHO, Jacob Cesar. Desenvolvimento nuclear brasileiro e os projetos autônomos. Rio de Janeiro: Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, 1992.

SÁENZ, T. W.; CAPOTE, E. G. Ciência, inovação e gestão tecnológica. Brasília, DF: CNI/IEL/SENAI; ABIPTI, 2002.

SILVA, Othon Luiz Pinheiro da; MARQUES, André Luiz Ferreira. Enriquecimento de urânio no Brasil: desenvolvimento da tecnologia por ultracentrifugação. Economia e Energia, Rio de Janeiro, RJ, n. 54, p. 1-22, fev./mar. 2006.