Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Mandarim Triunfante: Até Quando?

DOI: http://dx.doi.org/10.18766/2446-6549/interespaco.v2n5p150-174

http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/interespaco 

downloadpdf

Fábio J. S. Nascimento1

 

Resumo: Trata-se de uma apresentação ―panorâmica‖ sobre a China. A natureza holística desta abordagem se encarrega de reunir relevantes elementos responsáveis pela ascensão deste colosso oriental no cenário global vigente. Ademais, este texto avalia o papel do país como principal ―chão de fábrica do planeta e discorre sobre os ―tentáculos‖ de Beijing sobre periferias, a exemplo da África e América Latina. Apresenta o rigor do governo central chinês na repressão a ações separatistas tibetanas. Trata de ações violentas promovidas por rebeldes islâmicos na província de Xinjiang. Destaca da tensa relação entre o sino-politburo e seus vizinhos asiáticos, especialmente o Japão, a Índia, Coréia do Sul e Taiwan, a ―ínsula rebelde‖. Evidencia a contribuição dos ―comunistas mais capitalistas da história‖ para a manutenção das animosidades oriundas da ―Guerra Fria‖ e ainda em hodiernas na península coreana. Debate a participação mandarim nos mercados de commodities agrícolas e energéticas. Delineia a recente aproximação Brasil/China.

Palavras-chave: China; Cenário Global; Tensões Regionais; Commodities; Brasil.

 

Abstract: This is a "panoramic" presentation on China. The holistic nature of this approach is in charge of gathering important elements responsible for the rise of this eastern colossus in the current global scenario. Moreover, this paper evaluates the country's role as the main "shop floor of the world and discusses the" tentacles "of Beijing on peripheries, like Africa and Latin America. It displays the accuracy of the Chinese central government in repressing Tibetan separatist actions. These violent actions promoted by Islamic rebels in Xinjiang province. Highlights the tense relationship between the Sino-politburo and its Asian neighbors, particularly Japan, India, South Korea and Taiwan, "rebel island". It highlights the contribution of the "most capitalist communist history" for the maintenance of animosities arising from the "Cold War" still in today's on the Korean peninsula. Debate Mandarin participation in agricultural and energy commodity markets.Delineates the recent rapprochement Brazil / China.

Key words: China; Scenario Globally; Regional Tensions; Commodities; Brazil.

 

1 Mestrando em Geografia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC-RIO. Professor da Rede Estadual de Ensino do Estado do Maranhão fabiojosenascimento@gmail.com

 

Literatura Citada

AB’SÁBER, Aziz Nacib. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003, p. 9-26.

ALMEIDA, Raphael Villela. Os BRICS e as transformações estruturais no sistema mundial. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA POLÍTICA, GEOPOLÍTICA E GESTÃO DO TERRITÓRIO, 1., 2014, Rio de Janeiro. Anais... 2014. Rio de Janeiro e Porto Alegre: Letra1; Rio de Janeiro: REBRAGEO, 2014, p. 720-732.

BARROCAL, André. O ouro de Pequim: a China acena com aportes bilionários e duradouros na infraestrutura e no setor industrial brasileiros. Mas nem tudo que reluz... Carta Capital. Confiança, São Paulo, ano 21, n. 851, 27 maio 2015, p. 18-23.

BITENCOURT, Rafael. Solar atrai projetos de R$ 40 milhões no CE. Valor Econômico, São Paulo, ano 16, n. 3769, 3 e 4 jun. 2015, p. B2.

CARDOSO, Rodrigo. Negócios da China. Istoé, São Paulo, Três, ano 38, n. 2360, 23 fev. 2015, p. 54-55.

CARVALHO, Janaína. MPT investiga pastelaria por uso de trabalho escravo no Rio: chineses não recebiam por trabalho subumano e eram torturados, diz MPT. Segundo procuradora, foi encontrada carne de cachorro congelada. Rio de Janeiro: G1, Disponível em: <http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2015/04/mpt-investiga-pastelaria-por-uso-de-carne-de-cachorro-e-trabalho-escravo.html>. Acesso em: 12 jan. 2016.

COSTA, Kike Martins da. Dez experiências únicas: hoje, o verdadeiro luxo está nas sensações vivenciadas em meio a culturas e em paisagens exóticas. 29 horas, São Paulo, ano 6, ed. 66, p. 40-44, abr. 2015a.

COSTA, Sérgio. A China está mais perto. Correio da Bahia, Salvador, ano 37, n. 11900, p. 2, 23 maio 2015b.

DAVIS, Bo; HILSENRATH, Jon; WEI, Lingling. Excesso de capacidade da China amplia efeitos da deflação em todo o mundo. Valor Econômico, São Paulo, ano 16, n. 3769, 3 e 4 jun. 2015, p. B9.

GUARTAMBEL, Carlos Pérez. Onde a defesa da água é delito. Le Diplomatique Brasil, São Paulo, Ano 8, n. 94, p. 16, maio 2015.

GUIMARÃES, Roberto P. Desenvolvimento sustentável: da retórica à formulação de políticas públicas. In: BECKER, Bertha K.; MIRANDA, Mariana (Org.). A geografia política do desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: UFRJ, 1997, p. 13-44.

HOLLING, C.S. BERKES, Fikret. FOLKE, Carl. Science, Sustentability and resource management. In: BERKES, Fikret; FOLKE, Carl (Ed.). Linking Social and Ecological Systems. Cambridge University Press, 1998. p. 342-362.

KLINKE, Ângela. Preços passam por quebra de paradigma. Valor Econômico, São Paulo, ano 16, n. 3769, 3 e 4 jun. 2015, p. D4.

LEFEBVRE, Henri. A produção do espaço. Trad. Grupo ―As (Im)possibilidades do urbano na metrópole contemporânea‖ do Núcleo de Geografia Urbana da UFMG (do original: La production de I’espace. 4. ed. Páris: EditionsAntrophos, 2000). Primeira versão; início – fev. 2006, cap. I.

LEFF, Enrique. Saber Ambiental. Petrópolis: Vozes, 2001, p. 65-95.

MAPA do investimento chinês na África revela destino de US$ 75 bi. Disponível em: <http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/04/130430_china_africa_ru>. Acesso em: 21 maio 2015.

MASSEY, Doreen. O sentido global do lugar. In: ARANTES, Antônio A. (Org.). O espaço da diferença. Campinas: Papirus, 2000. p. 177-185.

MOREIRA, Roberto. Cultura, Sustentabilidade e Saberes Assimétricos: uma narrativa sobre a renda da natureza na contemporaneidade. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 28., 2004, Caxambu. Anais... Caxambu, Minas Gerais: ANPOCS, 2004.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. A Globalização da Natureza e a Natureza da Globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006, p. 9-156.

SANTOS, Milton. A natureza do Espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: EDUSP, 2010. p. 313-339.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 10. ed. Rio de Janeiro: Record, 2003. 174 p.

SAFATLE, Vladimir. A produção da crise. Carta Capital, São Paulo, Confiança, n. 855, p. 34, 24 jun. 2015.

SHAPIRO, Judith. O desastre ecológico da China. 2015. Disponível em: <http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/ambiente/livro-judith-shapiro-desastre-ecologico-crescimento-china-684853.shtml>. Acesso em: 8 maio 2015.

SMITH, Dan. BRAEIN, Ane. Atlas da situação mundial. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2007.

SOUZA, Marcelo Lopes. Território e (des)territorialização. In: ______. Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013, p. 77-110.

VANCE, Erik. Pescados para Bilhões. Scientific American Brasil, São Paulo, Três, Ano 13, n. 156, p. 42-49, maio 2015.

VIALLI, Andrea. O empurrão chinês. Pagina 22, São Paulo, FGV EAESP, ed. 92, 2 fev. 2015. Disponível em: <http://www.pagina22.com.br/index.php/2015/02/o-empurrao-chines/#sthash.nINc2c7q.dpuf>. Acesso em: 8 jun. 2015.