Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Do Meio Natural à Agropecuária Mecanizada e Comercial

DOI: http://dx.doi.org/10.22241/2317-9430/rtg.v5n8p103-119

http://revista.uft.edu.br/index.php/geografia/index 

downloadpdf

Delismar P. Costa1 & Alberto P. Lopes2

 

Resumo: Este trabalho visa contribuir para formulação de um olhar geográfico acerca do processo evolutivo da agropecuária desde suas formas primitivas até a atualidade, levando em consideração as relações sociais envolvidas nesse paradigma, sejam elas políticas, econômicas, ou mesmo ambientais. Para atingir tal objetivo ensaiamos alguns temas relevantes, cujo de maior expressividade diz respeito à mudança de padrão da primeira à segunda natureza com enfoque nas atividades do campo. Outros aspectos também são levados em conta, sobretudo os que estão ligados à racionalidade capitalista, como a divisão internacional do trabalho e as articulações políticas e econômicas dos atores hegemônicos do agronegócio, que atualmente condicionam a vida de muitas pessoas e as atividades produtivas da agropecuária. Além disso, contemplamos também a evolução técnica no campo e o agronegócio brasileiro. Assim, verificamos que o quadro atual faz com que a elite ruralista seja a grande responsável pela total mercantilização e modernização das atividades rurais (principalmente a agricultura e a pecuária) com que nos deparamos atualmente no Brasil de um modo particular. Por isso trabalhamos com autores como Kautsky (1980), Marx (1983; 1984), Oliveira (2007), Mazzali (2000), Santos (2014a), Harvey (2005), que nos servem de alicerce para formulações acerca dessa temática.

Palavras-chave: Agropecuária; Da Primeira à Segunda Natureza; Racionalidade Capitalista.

 

Resumen: Este trabajo tiene como objetivo contribuir a la formulación de una mirada geográfica sobre el proceso evolutivo de la agropecuaria desde sus formas primitivas hasta la actualidad, llevando en cuenta las relaciones sociales implicadas en este paradigma, sean ellas políticas, económicas o ambientales. Para alcanzar tal objetivo ensayamos algunos de los temas más relevantes, cuyo mayor expresividad se refiere al cambio de patrón de la primera a la segunda naturaleza con enfoque en las actividades del campo. Otros aspectos también san tomados en cuenta, sobre todo lo que están relacionados a la racionalidad capitalista, como la división internacional del trabajo y las articulaciones políticas y económicas de los actores hegemónicos de los negocios agrícolas, que actualmente condicionan la vida de muchas personas y las actividades productivas en la agropecuaria. Además, contemplamos también la evolución técnica en el campo y en el negocio agrícola brasileño. Así, vemos que el marco actual hace que la élite ruralista sea la grande responsable por la total mercantilización y la modernización de las actividades rurales (principalmente la agricultura y la ganadería) con que nos encontramos actualmente, en Brasil, de un modo particular. Por eso, trabajamos con autores como Kautsky (1980), Marx (1983; 1984), Oliveira (2007), Mazzali (2000), Santos (2014a), Harvey (2005), que nos sirven de fundamento para las formulaciones acerca de esta temática.

Palabras clave: Agropecuaria; De la Primera a la Segunda Naturaleza; Racionalidad Capitalista.

 

1 Universidade Federal do Tocantins – Araguaína - Brasil delismarcosta@gmail.com
2 Universidade Federal do Tocantins – Araguaína - Brasil beto@mail.uft.edu.br

 

Literatura Citada

BERNARDES, Júlia; FERREIRA, Francisco. Sociedade e Natureza. In: CUNHA, Sandra.; GUERRA, Antonio. (Orgs.). A questão ambiental: diferentes abordagens. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

CAMPOS, Christiane. A territorialização do agronegócio no Brasil. In: ______. A Face Feminina da Pobreza em Meio a Riqueza do Agronegócio: trabalho e pobreza das mulheres em territórios do agronegócio no Brasil: o caso de Cruz Alta/RS. Buenos Aires: CLACSO, 2011. cap. IV.

COTRIM, Gilberto. História Geral: Brasil e global. São Paulo: Saraiva, 2005. (Livro Didático).

ENGELS, Friedrich, A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado: trabalho relacionado com as investigações de L. H. Morgan. Tradução: Leandro Konder, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984.

GEBRAN, Philomena. Introdução. In: ______. (Org e Trad.). Conceito de Modo de Produção. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

HARVEY, David. A produção capitalista do espaço. Tradução: Carlos Szlak, São Paulo: Annablume, 2005.

HARVEY, David. Condição Pós-Moderna. Tradução: Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves, São Paulo: Edições Loyola, 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍTICA (IBGE). Levantamento Sistemático da Produção Agrícola: janeiro 2016. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/>. Acesso em: 22 de fevereiro de 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍTICA (IBGE). DPE; COAGRO. Pesquisa Trimestral do Abate de Animais: Primeiro Trimestre de 2015. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/>. Acesso em: 22 de fevereiro de 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍTICA (IBGE). DPE; COAGRO. Pesquisa Trimestral do Abate de Animais: Segundo Trimestre de 2015. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/>. Acesso em: 22 de fevereiro de 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍTICA (IBGE). DPE; COAGRO. Pesquisa Trimestral do Abate de Animais: Terceiro Trimestre de 2015. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/>. Acesso em: 22 de fevereiro de 2016.

KAUTSKY, Karl. A questão agrária. Tradução: C. Iperoig, São Paulo: Proposta Editorial, 1980. (Proposta Universitária).

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. Tradução: Regis Barbosa e Flávio R. Kothe, São Paulo: Abril Cultural, 1984.v. 1. t. 2. (Os Economistas).

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. Tradução: Regis Barbosa e Flávio R. Kothe, São Paulo: Abril Cultural, 1983.v. 1. t. 1. (Os Economistas).

MATOS, Patrícia Francisca de. As tramas do Agronegócio no Cerrado do Sudeste Goiano. In: CHELOTTI, Marcelo. et al. (Orgs.). Geografia Agrária e Diversidades Territoriais do Campo Brasileiro. Uberlândia: Assis Editora, 2012.

MAZZALI, Leonel. O Processo Recente de Reorganização Agroindustrial: do complexo à organização “em rede”. São Paulo: Editora UNESP, 2000. (Coleção Prismas).

MORAES, Marcos; FRANCO, Paulo. Geopolítica: apocalipse do século XX. Campinas: Átomo, 2000.

MOREIRA, Ruy. Pensar e ser em geografia: ensaios de história, epistemologia e ontologia do espaço. São Paulo: Contexto, 2008.

OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino. Modo de Produção Capitalista, Agricultura e Reforma Agrária. São Paulo: Labur Edições, 2007. Disponível em: <http://www.geografia.fflch.usp.br/graduacao/apoio/Apoio/Apoio_Valeria/Pdf/Livro_ari.pdf>. Acesso em: 04 de fevereiro, 2016.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Edusp, 2014a. (Coleção Milton Santos; 1).

SANTOS, Milton. Espaço e Método. São Paulo: Edusp, 2014b. (Coleção Milton Santos; 12).

SANTOS, Milton. Metamorfose do Espaço Habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da geografia. São Paulo: Edusp, 2014c. (Coleção Milton Santos; 10).

SANTOS, Milton. Da Totalidade ao Lugar. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008a. (Coleção Milton Santos; 7).

SANTOS, Milton. Manual de Geografia Urbana. Tradução: Antônio Dea Erdens e Maria Auxiliadora da Silva, São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008b. (Coleção Milton Santos; 9).

SANTOS, Milton. O Espaço Dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. Tradução: Myrna T. Rego Viana, São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo, 2008c. (Coleção Milton Santos; 4).

SANTOS, Milton. Por uma Geografia Nova: da crítica da geografia a uma geografia crítica. São Paulo: Edusp, 2008d. (Coleção Milton Santos; 2).

SANTOS, Milton. Pensando o Espaço do Homem. São Paulo: Edusp, 2009. (Coleção Milton Santos; 5).

SANTOS, Milton. Técnica, Espaço, Tempo: globalização e meio técnico-científico-informacional, São Paulo: Edusp, 2013. (Coleção Milton Santos; 11).

SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão. Capitalismo e urbanização. São Paulo: Contexto, 2008. (Repensando a Geografia).