Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Territorialidade do Povo Krahô na Perspectiva Cultural

DOI: http://dx.doi.org/10.22241/2317-9430/rtg.v5n8p174-185

http://revista.uft.edu.br/index.php/geografia/index 

downloadpdf

Alisson A. Santos1 & Alberto P. Lopes2

 

Resumo: Nas últimas décadas, a questão da territorialidade dos povos indígenas tem se apresentado como campo fértil à pesquisa de natureza geográfica, sobretudo porque ela se insere nos estudos sobre as contradições no campo brasileiro e nas abordagens culturais que a Geografia se propõe a estudar. Os conceitos de território, territorialidade e cultura são balizadores desses estudos. Diante disso, o objetivo do presente trabalho é investigar e compreender a territorialidade do povo Krahô sob a perspectiva cultural. Aqui, toma-se como pressuposto que a cultura e a territorialidade são dimensões do comportamento humano, que ambas são social e historicamente construídas, e que o território é produto das relações de poder, da ocupação, da apropriação e da dominação do espaço geográfico. Diante disso, o objetivo do presente trabalho é investigar e compreender a territorialidade do povo Krahô sob a perspectiva cultural. A pesquisa tem caráter etnográfico, exploratóriodescritivo e qualitativo, de observação participante. Constatou-se que a territorialidade do povo Krahô se particulariza pelos seus aspectos etnográficos: os mitos, a cosmologia, as experiências coletivas, as trocas simbólicas, os saberes tradicionais e a relação recíproca com a natureza. Portanto, tais aspectos devem ser o ponto de partida para se pensar e entender a territorialidade Krahô.

Palavras-chave: Território; Cultura; Povo Krahô.

 

Abstract: In recent decades, the question of territoriality of indigenous peoples has emerged as fertile ground to the geographical nature of research, particularly as it falls in the study of the contradictions in the Brazilian countryside and cultural approaches that geography intends to study. The territory of concepts, territoriality and culture are a guide for these studies. Thus, the objective of this study is to investigate and understand the territoriality of Krahô people from a cultural perspective. Here, it is taken for granted that culture and territoriality are dimensions of human behavior, both socially and historically constructed, and the territory is the product of power relations, occupation, ownership and domination of geographical space. Thus, the objective of this study is to investigate and understand the territoriality of Krahô people from a cultural perspective. Research has ethnographic, exploratory, descriptive and qualitative, participant observation. It was found that the territoriality of Krahô people is particularized by its ethnographic aspects: the myths, cosmology, collective experiences, symbolic exchanges, traditional knowledge and reciprocal relationship with nature. Therefore such aspects should be the starting point to think about and understand the Krahô territoriality.

Key words: Territory; Culture; People Krahô.

 

1 Universidade Federal do Tocantins – Araguaína – Brasil f_alissonsantos@hotmail.com
2 Universidade Federal do Tocantins – Araguaína – Brasil betochief@gmail.com

 

Literatura Citada

ALBUQUERQUE, Francisco Edviges. Índios do Tocantins: aspectos históricos e culturais. 134 – 158. In: Ensino de história e formação continuada: teorias, metodologias e práticas/ SILVA, Norma Lúcia. (org.). – Goiânia: Ed. da PUC Goiás, 2013.

ANDRADE, Manuel Correia de. A questão do território no Brasil. 2.ed. – São Paulo :Editora Hucitec, 2004.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.

CLAVAL, P. A geografia cultural. Florianópolis: Ed. da UFSC, 1999.

CLAVAL, P. Geografia Cultural: um balanço. In: Geografia (Londrina). Londrina, v. 20, n. 3, p. 005-024. set/dez. 2011. URL: < http://www.uel.br/revistas/uel/index/.php/geografia >

DIEGUES, Antonio Carlos. O mito moderno da natureza intocada. — 3. a ed. — São Paulo : Hucitec – Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras, USP, 2001.

FERNANDES, Dalvani. Território e territorialidade: algumas contribuições de Raffestin. In: Perspectivas em Políticas Públicas. Belo Horizonte. vol. II, nº 4, p. 59-68 | jul/dez 2009.

HAESBEART, Rogério. Viver no limite: transterritorialidade em tempos de in-segunça e contenção. 1.ed. – Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014, 320 p.

HAESBEART, Rogério. Desterritorialização: entre as redes e os aglomerados de exclusão In: CASTRO, Iná Elias de; GOMES; Paulo César da Costa; CORRÊA, Roberto Lobato (Org.) Geografia: conceitos e temas. – 2ª ed. – Rio de Janeio; Bertrand Brasil, 2001.

PLEIN, I.T.T. et al. (2009). Território e territorialidade na perspectiva de Robert David Sack In: Saquet, M.A.; Souza, E.B.C. de. (Orgs.) Leituras do conceito de território e de processos espaciais (pp.47-66), São Paulo: Expressão Popular.

MELATTI, Júlio César. Ritos de uma tribo Timbira, Ensaios, 53, São Paulo: Editora Ática, 1978.

MELATTI, Júlio César. Índios e Criadores: A situação dos Craôs na Área Pastoril do Tocantins. Brasília: edição do autor em pdf, 2009.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. Tradução de Maria Cecília França. São Paulo: Ática, 1993.

RODRIGUES, Artyon Dall’Igna. Línguas Brasileiras: para o conhecimento das Línguas Indígenas. São Paulo: Edições Loyola, 1986.

SANTOS, Milton. SILVEIRA, María Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XII. – 9 ed. – Rio de Janeiro: Record, 2006.

SAQUET, M. A. Abordagens e concepções de território. São Paulo; Ed. Expressão Popular, 1ª Ed. 2007.

SOUZA, Marcelo José Lopes. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: CASTRO, Iná Elias de (org.) Geografia: conceitos e temas. – 2ª ed. – Rio de Janeiro; Bertrand Brasil, 2001.