Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Condutas de Biossegurança Utilizada por Cirurgiões-Dentistas da Cidade de Marau, RS

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2238-510X/j.oralinvestigations.v4n2p18-24

https://seer.imed.edu.br/index.php/JOI/index 

downloadpdf

Luiza L. Scariot1 & Joseane V. Calza2

  

Resumo: O presente estudo teve por objetivo verificar as condutas de biossegurança utilizadas por Cirurgiõesdentistas da cidade de Marau-RS, estes, atuantes na rede pública e rede privada, através da aplicação de um questionário, onde verificou-se variáveis de biossegurança e sociodemográficas. O delineamento do estudo foi do tipo quantitativo descritivo. A amostra foi não probabilística, composta por um total de 48 cirurgiões-dentistas. Os questionários foram entregues aos profissionais e após uma semana foram recolhidos, afim de se avaliar o cumprimento e a atenção destes em relação as práticas de controle da infecção cruzada e biossegurança. A análise dos dados se deu descritivamente. Os resultados obtidos mostraram que, todos os cirurgiões-dentistas participantes (100%) sempre utilizavam: jaleco, luvas e faziam a esterilização dos instrumentais pela autoclave. Em relação aos outros EPI’s avaliados, a maioria dos profissionais relatou utilizar sobre-luvas às vezes (52%), enquanto que (21%) relatou sempre utilizá-la. Também pôde-se observar que 54% dos participantes faziam a utilização do óculos de proteção sempre, mas 38% relataram fazer o uso deste às vezes. Quanto ao gorro, 65% dos profissionais empregam o seu uso em todos atendimento, e 27% adotam o uso somente às vezes. Concluiu-se que os cirurgiões-dentistas de Marau em geral conhecem as medidas de biossegurança e EPI’s que devem ser utilizados durante o atendimento clínico, porém ainda o uso dos mesmos não se aplicou em 100% dos participantes.

Palavras-chave: Biossegurança, Riscos ocupacionais, Desinfecção.

 

Abstract: This study aimed to verify biosecurity approaches used by surgeons Dentists city of Marau-RS, these, working in the public and private network through the application of a questionnaire, where it was found biosafety and demographic variables partner. The study design was descriptive quantitative type. The sample was non-probabilistic, comprising a total of 48 dentists. Questionnaires were given to professionals and after one week were collected in order to evaluate the compliance and their attention regarding the control practices of cross infection and biosecurity. The analysis of the data was descriptively. The results showed that all participating dentists (100%) always used: lab coat, gloves and did the sterilization of instruments by autoclave. For the other PPE evaluated, most professionals reported using over-gloves sometimes (52%), while (21.%) reported always using it. Also it was observed that 54% of participants were using goggles ever, but 38. reported making use of this sometimes. As for the cap, 65% of professionals employ their use in all care, and 27% adopt use only sometimes. It was concluded that the dentists of Marau generally know biosecurity measures and PPE to be used for clinical care, but still using the same did not apply to 100% of the participants.

Key words: Biosafety, Occupational risks, Disinfection.

 

1 Dentista. Graduada pala Escola de Odontologia da IMED
2 Docente da Escola de Odontologia da IMED

 

Literatura Citada

Xavier FV, Pires MAF. Avaliação do uso de Equipamentos de Proteção Individual em consultórios odontológicos da rede pública de saúde do Município de Araguaína, Tocantins. Rev. Cient. do ITPAC., Araguaína. 2013;6(4).

Fernandes JKB, Barros KSM, Thomaz EBAF. Avaliação da adesão às normas de biossegurança em clínicas de odontologia por estudantes de graduação. Rev. Pesq. Saúde, Curitiba, 2012; 13(3): 42-6.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de políticas de saúde. Coordenação Nacional de DST e AIDS. Controle de infecções e a prática odontológica em tempos de aids: manual de condutas: Brasília; 2000.

Ferreira RC, Martins AMEBL, Mota DL, Pereira RD, Santos NC, Queiroz IOA. Uso de equipamentos de proteção individual entre cirurgiõesdentistas de Montes Claros, Brasil. Arq. odontol., Belo Horizonte, 2010;46(2), abr./jun.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Serviços odontológicos: prevenção e controle de riscos. Brasília: Ed. Anvisa; 2006.

IBGE. Índice de Desenvolvimento Humano 2013. Instituto Nacional de Geografia e Estatística. Disponível em <http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=431180>, acesso em 27 de agosto de 2015.

Garbin AJI, Garbin CAS, Arcieri RM, Crosssato M, Ferreira NF. Biosecurity in public and private office. J Appl Oral Sci., Bauru-SP, 2005; 13(2): 163-6.

Vasconcelos MMVB, Brasi CMV, Mota CCBO, Carvalho NR. Avaliação das normas de biossegurança nas clínicas odontológicas da UFPE. Odontologia. Clín.-Científ., Recife, 2009; 8 (2): 151-56.

Lima FRN, Melo AUC, Ribeiro CF, Neves ACC, Brandt WC, Concílio LRS. Avaliação das condutas de biossegurança em consultórios odontológicos da rede pública e privada. UNITAU, Taubaté, 2012; 4(1): 2-6.

Tomo S, Boer NP, Correia TM, Silva WR, Lima DP, Cunha-Correia AS. Conhecimento de graduandos em Odontologia a respeito das normas de biossegurança. Arch Health Invest., Araçatuba, 2014; 3(4): 9-17.

Arantes DC, Hage CA, Nascimento LS, Pontes FSC. Biossegurança aplicada à Odontologia na Universidade Federal do Pará, Cidade de Belém, Estado do Pará, Brasil. Rev. Pan-Amaz Saude, Belém-PA, 2015; 6(1):11-18. https://doi.org/10.5123/S2176-62232015000100002

Noro LRA, Ribeiro JS. A vigilância sanitária e as condições de atendimento odontológico em Unidades de Saúde Municipais de Fortaleza. RBPS, Ceará, 2005; 18 (1):17-23. https://doi.org/10.5020/18061230.2005.p17

Galvani LR, Pires MM, Passos D, Mota EG, Pires LAG. Utilização dos métodos de biossegurança nos consultórios odontológicos da cidade de Porto Alegre – RS. Stomatos, Canoas, 2004; 10(18):7-13.

Farinassi JA. Biossegurança no ambiente odontológico da Aeronáutica. Rev. UNIFA., Rio de Janeiro, 2007;20(22).

Teixeira CS, Pasternak-Júnior B, Silva-Sousa YTC, Correa-Silva SR. Medidas de prevenção pré e pós-exposição a acidentes perfurocortantes na prática odontológica. Rev. Odonto Ciênc., Porto Alegre – RS, 2008;23(1):10-4.

Silva RHBT, Santi MR, Pinelli LAP, Pita APG, Fais LMG. Levantamento dos métodos de controle de infecção cruzada utilizados pelos cirurgiões-dentistas, auxiliares e estudantes de odontologia do município de Araraquara – SP. RFO, Passo Fundo, 2007;12(2):7-12.

Engelmann AI, Daí AA, Miura CSN, Bremm LL, Boleta-Ceranto DCF. Avaliação dos procedimentos realizados por cirurgiões-dentistas da região de Cascavel-PR visando ao controle da biossegurança. Odontol. Clín.-Cient., Recife, 2010; 9 (2) 161-65.

Yüzbasioglu E, Saraç D, Canbaz S, Saraç S, Cengiz S. A survey of cross-infection control procedures: Knowledge and atitudes of Turkish dentists. J Appl Oral Sci., Bauru-SP, 2009;17(6):565-9.