Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Relação entre a Prevalência de Bruxismo e a Apneia do Sono

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2238-510X/j.oralinvestigations.v4n2p32-38

https://seer.imed.edu.br/index.php/JOI/index 

downloadpdf

Andressa Bergmeier1 & Alexandra M. Silveira2

  

Resumo: Objetivo: A síndrome da apneia obstrutiva do sono é considerada um transtorno respiratório cuja característica principal são pausas na respiração durante o sono. Estas paradas podem ter relação com várias patologias, como por exemplo o bruxismo, que nada mais é que o contato não-funcional dos dentes. O objetivo do presente trabalho foi verificar a prevalência do bruxismo em pacientes com a apneia do sono e avaliar se há uma relação deste com o grau de apneia. Metodologia: A avaliação foi realizada através de exame polissonográfico, onde foram avaliados 23 pacientes que se submeteram à polissonografia. Resultados: os resultados da pesquisa demonstraram que 52% dos participantes foram diagnosticados com apneia do sono do tipo grave e destes, 75% além de apneia possuíam bruxismo. A apneia moderada foi diagnosticada em 26% dos pacientes, onde 8,30% tiveram episódios de bruxismo. Já 22% dos pacientes possuíam Apneia leve, e destes 16,70% tiveram episódio de bruxismo. Não houve Correlação significativa entre o grau de apneia e a frequência de bruxismo (rho= 0,403 e p=0,057). Conclusão: concluiu-se então, que o bruxismo não apresentou relação estatisticamente significante com o grau de apneia do sono, mesmo ele ocorrendo com uma maior predominância em pacientes que possuíam apneia do tipo grave.

Palavras-chave: bruxismo, apneia do sono, polissonografia.

 

Abstract: The obstructive sleep apnea syndrome is considered a respiratory disorder whose main characteristic are pauses in breathing during sleep. These impairments may have relationship with several pathologies, such as for example the bruxism, which is nothing more than the non-functional contact of the teeth. The objective of this work was to verify the prevalence of Bruxism in patients with sleep apnoea and assess whether there is a relationship with the degree of apnea. The evaluation was performed through polysomnography exam, where were evaluated 23 patients who underwent polysomnography. The data of the research showed that 52% of the participants were diagnosed with sleep apnoea severe type and of these, 75% in addition to apnea had bruxism. The moderate apnea was diagnosed in 26% of patients, where 8.30% had episodes of Bruxism. Already 22% of the patients had mild apnea, and of these 16.70% had episode of Bruxism. There was no significant correlation between the degree of apnea and the frequency of Bruxism (rho= 0.403 and p=0.057). Conclusion then is that bruxism showed no statistically significant relation with the degree of sleep apnoea, even he occurring with greater predominance in patients who had severe type apnoea.

Key words: bruxism, sleep apnea, polysomnography.

 

1 Discente da Escola de Odontologia da IMED. E-mail: <dessavg@hotmail.com
2 Docente da Escola de Odontologia da IMED

 

Literatura Citada

International Classification of Sleep Disorders: Diagnostic and Coding Manual. 2. Westchester: American Academy of Sleep Medicine; 2014.

Coelho PR, Curcio WB, Leite FPP, Chaves AM. Prevalência da Comorbidade entre o Bruxismo do Sono e a Síndrome de Apneia - Hipopneia Obstrutiva do Sono: Um Estudo Polissonografico. Pesq Bras Odontoped Clin Integr, João Pessoa. 2012; 12(4): 96-491. https://doi.org/10.4034/pboci.2012.124.07

Machado E, Machado P, Cunali PC, Fabbro CD. Bruxismo do sono: possibilidades terapêuticas baseadas em evidências. Dental Press Jurn Orthod. 2011; 16(2): 58-64. https://doi.org/10.1590/S2176-94512011000200008

Sociedade brasileira de sono; Sociedade brasileira de rinologia; Sociedade brasileira de otorrinolaringologia. I Consenso em Ronco e Apnéia do Sono. São Paulo, 2012.

Peparad PE, Jodi TYH, Hagen EW. O aumento da prevalência de distúrbios respiratórios do sono em adultos. Journal Am jof epidemiol. 2013; 177(9): 14-1006.

Camargo EP, Carvalho LBC, Prado LBF, Prado F.A população está devidamente informada sobre os distúrbios do sono?. Rev. Arquivos de Neuropsiquiatria, São Paulo. 2012; 71(2): 92-99. https://doi.org/10.1590/S0004-282X2013005000001

Loureiro CC, Drummond M, Winck JC, Almeida J. Características clínicas e polissonográficas de doentes com distúrbio respiratório do sono em REM. Rev Portuguesa de Pneumologia, Portugal. 2009; 15(5): 847-857. https://doi.org/10.1016/S0873-2159(15)30181-1

Nogueira IC, Azevedo P, Magalhães CBA, Lacerda VMA, Oliveira AC. The effectiveness of the Epworth sleepiness scale as an auxiliary resource in the diagnosis of Obstructive Sleep Apnea Syndrome. Rev Bras Promoç Saúd, Fortaleza. 2013; 26(1): 56-62.

Izu SC, Itamoto CH, Pradella-Hallinan M, Pizarro GU, Tufik S, Pignatari S, Fujita RR. Obstructive sleep apnea syndrome (OSAS) in mouth breathing Children. Braz J Otorhinolaryngol, São Paulo. 2010; 76(5): 552-556. https://doi.org/10.1590/S1808-86942010000500003

Faria AC, Garcia LV, Santos AC, Diniz PRB, Ribeiro HT, Mello-Filho FV. Comparison of the area of the pharynx during wakefulness and induced sleep in patients with Obstructive Sleep Apnea (OSA). Braz Jurn Otorhinolaryngol. 2012; 78(1): 103-8. https://doi.org/10.1590/S1808-86942012000100016

Eckert DJ, White DP, Amy SJ, Malhotra A, Wellman. Definindo causas fenotípicas da apneia obstrutiva do sono. Identificação de novos alvos terapêuticos. Journal Respir Crit Care Med. 2013; 188(8): 996-1004. https://doi.org/10.1164/rccm.201303-0448OC

Aguiar IC, et al. Características Clínicas, Funcionais e Variáveis Polissonográficas de Pacientes de um Laboratório de Pesquisa em Distúrbios do Sono, Rev. Cientifica Ciências Biológicas Saúde. 2011; 13(4): 227-31.

Xavier SD, Moraes JP, Eckley CA. Prevalence of signs and symptoms of laryngopharyngeal reflux insnorers with suspected obstructive sleep apnea. Braz J Otorhinolaryngol, São Paulo. 2013; 79(5): 589-593. https://doi.org/10.5935/1808-8694.20130105

Cintra FD. et al. Apneia do Sono e Aritmia Cardíaca Noturna: Estudo Populacional. Arquivo Brasileiro Cardiologia arquivo online, Santana de Parnaíba, maio/junho, 2014.

Nascimento AP, Passos VMM, Pedrosa RP, Santos MSB, Barros IML, Costa LOBF. Qualidade do sono e tolerância ao esforço em portadores de apneia obstrutiva do sono. Rev. Bras Med Esp, São Paulo. 2014; 20(2): 115-118.

Sogebi OA, Ogunwale A. Risk factors of obstructive sleep apnea among nigerian outpatients. Braz J Otorhinolaryngol. 2012; 78 (6): 27-33. https://doi.org/10.5935/1808-8694.20120029

Memtsoudis S. G., et al. O impacto da apnéia do sono sobre a utilização dos recursos de pós-operatório e os resultados adversos. Journal Anesth Analg. 2014; 118(2): 407-18. https://doi.org/10.1213/ANE.0000000000000051

Sousa CC, Luz CAF. Avaliação da qualidade do sono em pacientes com Apneia Obstrutiva do Sono em Teresina-PI. Ver. Eletr. Acervo Saúde, Piauí. 2014; 6(2): 623-2014.

Camargo EP, Carvalho BC, Prado LBF, Prado GF. A população está devidamente informada sobre os distúrbios do sono?. Rev. Arquivos de Neuropsiquiatria, São Paulo. 2012; 71 (2): 92-99, 2012.

Gomes AM, Santos OM., Pimentel K, Marambaia PP, Gomes LM, Márcia Pradella-Hallinan M, Garcia Lima MG. Qualidade de vida em crianças com distúrbios respiratórios do sono. Braz. J. otorhinolaryngol, São Paulo. 2012; 78(5).

Ramos RT. Síndrome da Apneia Obstrutiva no Sono na Infância. Rev. Pulmão. Rio de Janeiro. 2013. 22(3): 26-30.

Burgos RA, Carvalho GA. Síndrome da apneia obstrutiva do sono (SAOS) e sonolência diurna excessiva (SDE): influência sobre os riscos e eventos de queda em idosos. Fisioter. Mov., Curitiba. 2012; 25(1): 93-103.

Okeson JP. Tratamento das desordens Temporomandibulares e oclusão 6ª Ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Ahlberg J, et al. Auto-relato de bruxismo, ansiedade e estresse em adultos. Rev. Medicina Oral Patologia Oral e Cirurgia Bucal, Espanha. 2013; 18(1): 7-11. https://doi.org/10.4317/medoral.18232

Rodrigues MM, Dibbern RS, Santos VJB, Passeri LA. Influence of obesity on the correlation bet weenlaryngopharynge al reflux and obstructive leepapnea. Braz J Otorhinolaryngol, São Paulo. 2014; 80(1): 5-10, 2014.

SantosT, Moura AD, Piva MR, Carvalho LPM. Relação dos desgastes dentários com as disfunções temporomandibulares. Rev. Cir. Traumatol. Buco-Maxilo-fac., Camaragibe. 2009; 9(2): 73-80.

Busanello-stella A, Berwig LC, Almeida FL, Silva AMT, Mello FM. Aspectos do sistema estomatognático de indivíduos bruxistas. Ver Salusvita, Bauru. 2011; 30(1): 7-20

Blini CC, Morisso MF, Bolzan GP, Silva AMT. Grau de sintomatologia de disfunção temporomandibular. Rev. CEFAC, São Paulo, 2009; 12(3): 1-7.

Moreno B, Malsuf SA, Maruques AP, Crivelhojunior O. Avaliação clínica e da qualidade de vida de indivíduos com disfunção temporomandibular. Rev. Bras. Fisioter., São Carlos. 2009; 13(3): 210-2014.

Silva BBR, Lacerda KRRS, Ferreira APL, Figueiroa MS. Prevalência de bruxismo e distúrbio do sono em deficientes visuais. Rev. Fisioter. mov., Curitiba. 2013; 26(1): 66-159.

Serra-negra JMS, et al. Bruxismo do sono, Bruxismo diurno e qualidade do sono de estudantes de odontologia do Brasil: Um estudo transversal. Jounal Brazilian Dent, Ribeirão Preto. 2014; 3(25): 241-247. https://doi.org/10.1590/0103-6440201302429