Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Cultura Organizacional: Abordagem pela Teoria Ator-Rede

DOI: http://dx.doi.org/10.17800/2238-8893/aos.v5n1p87-96

http://www.unama.br/seer/index.php/aos/index 

downloadpdf

Rodolfo J. S. Lôbo1

  

Resumo: O presente ensaio tem o intuito de mostrar a abordagem da Teoria Ator-Rede como forma de estudar a cultura de uma empresa, uma confi guração alternativa que opõe-se às análises da ciência moderna. A Teoria Ator-Rede tem uma perspectiva de ir a campo sem uma defi nição a priori do que é cultura organizacional, seguindo os atores nos eventos que formam a empresa e constituindo a rede heterogênea da cultura de tal empresa. Essa abordagem também dá ênfase aos elementos não-humanos para a análise da organização, além de ser imprescindível o trabalho empírico do pesquisador. A partir das refl exões que a revisão trouxe foi possível refl etir que esta abordagem possibilita uma alternativa viável para a compreensão da cultura organizacional de uma determinada empresa.

Palavras-chave: Teoria Ator-rede; Cultura Organizacional; Moderna ciência.

 

Abstract: The present work aims to show the Actor-network Theory as a manner to study a fi rm’s culture, an alternative confi guration that meets the analysis of modern science. The Actor-network Theory has a characteristic of going to the fi eld without an a priori defi nition of what is organizational culture, following the actor in the events that built a company and constituting the heterogeneous network culture of this company. This approach also highlights the nonhuman elements for the organization’s analysis, besides being essential the empirical effort of the researcher. We conclude that this approach allows a viable alternative in order to comprehend the organizational culture of a company.

Key words: Actor-Network theory; Organizational Culture; modern science.

 

1 Professor da UFCG (Campus Sousa). Doutorando em Administração de Empresas pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Mestre em Administração pela Universidade Estadual do Ceará (Uece), Especialista em Docência do Ensino Superior pela Faculdade Leão Sampaio e Graduado em Administração pela Faculdade Leão Sampaio. Email: <rodolfojakov@bol.com.br>;

 

Literatura Citada

ALVESSON, M. Organization Theory and Technocratic Consciousness-Rationality, Ideology and Quality Work. New York, Walter de Gruyter, 1987.

ALCADIPANI, R.; TURETA, C. Teoria Ator-Rede e análise organizacional: contribuições e possibilidades de pesquisa no Brasil. Revista Organizações e Sociedade. Salvador, v.16, n. 51, p. 647-664, Out./Dez. 2009.

ALCADIPANI, R.; TURETA, C. O objeto na análise organizacional: a teoria ator-rede como método de análise da participação dos não-humanos no processo organizativo. Rio de Janeiro. Cadernos EBAPE. BR, v. 7, n. 1, p. 51-70, Mar./2009b.

ALCADIPANI, R.; TURETA, C. Pós-Estruturalismo e Análise das Organizações: A Contribuição da Teoria Ator- -Rede. In: ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS – ENEO, 5, Belo Horizonte, 2008. Anais eletrônicos... Belo Horizonte: ENEO, 2008. 1 CD ROM.

ALCADIPANI, R; HASSARD, J. Actor Network Theory (and After) and Critical Management Studies: Contributions to the Politics of Organising. In: XXXIII ENCONTRO DA ANPAD. São Paulo. Anais ... São Paulo, Set. 2009, 16 p.

CALLON, M. Some Elements of a Sociology of Translation: Demystifi cations of the Scallops and the Fishermen of St. Brieuc Bay. In: LAW, J. (ed). Power, Action, and Belief: A New Sociology of Knowledge? London: Routledge and Kegan Paul, 1986.

CHU, R. A.; WOOD-JR. T. Cultura organizacional brasileira pós-globalização: global ou local? Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v.42, n. 5, p. 969-991, set/out. 2008.

CZARNIAWSKA, B. Book Review: Reassembling the social: an introduction to actor-network theory. Organization Studies. v. 27, 2006 p. 1553-1557.

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: formação, tipologias e impacto. São Paulo: Makron, 1991.

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: evolução e crítica. São Paulo: Pioneira Thomson Learning Ltda, 2007.

GAMERO, S. Cultura organizacional e gestão de recursos humanos. Coimbra: Instituto Politécnico de Coimbra, 2008.

HOFSTEDE, G. Culture’s consequeces: international differences in work-related values. London: Sage Publications, 1984.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LATOUR, B. On recalling ANT. In: LAW, J. & HASSARD, J. Actor Network Theory and After. Oxford: Blackwell Publishers, 1999.

LATOUR, B. Reagregando o social. Salvador: Edufba, 2012; Bauru, São Paulo: Edusc, 2012.

LAW, J. Notes on the Theory of the Actor Network: Ordering, Strategy and Heterogeneity. Centre for Science Studies, Lancaster University, Lancaster LA1 4YN, 1992.

LAW, J. After ANT: Complexity, Naming and Topology. In: LAW, J. & HASSARD, J. Actor Network Theory and After. Oxford: Blackwell Publishers, 1999.

MAIA A.; SERAFIM, S. Análise da Teoria Ator-Rede (TAR) e sua relação com os paradigmas de Relações Públicas. Revista Contemporânea (UERJ. ONLINE), Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 122- 137, 2011.

MALINOWSKE, B. A Scientifi c Theory of Culture. In: LESSEM, Ronnie. Gestion de la Cultura Corporativa. Madrid: Diaz de Santos, 1992.

MARTIN, J. Organizational culture: mapping the terrain: foundantions for organizational science. Califórnia: Sage Publications, 2002.

ROBBINS, S. P. Organizational behavior. 7. ed. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1996.

SCHEIN, E. Coming to a new awareness of organizational culture. Stoan Managements Review, v. 18, n. 3, 1984.

SCHEIN, E. Organizational culture and leadership. San Francisco: Jossey-Bass, 1992.

SMIRCICH, L. Concepts of culture and organizational analysis. Administrative Science Quarterly, v. 28, n. 3, Organizational Culture, Sep.1983, p. 339-358.

SHRISVASTAVA, P. Integrating strategy formulation with organizational culture. The Journal of Business Strategy, v. 5, 1985.