Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Tipos de Escalas Utilizadas em Pesquisas e Suas Aplicações

DOI: http://dx.doi.org/10.19180/1809-2667.v18n216-01

http://essentiaeditora.iff.edu.br/index.php/vertices 

downloadpdf

Wanderson L. Bermudes1, Bruna T. Santana2, José H. O. Braga3 & Paulo H. Souza4

 

Resumo: Na pesquisa científica, busca-se sempre a excelência na metodologia, visto que tão importante quanto a definição do melhor método é a escolha da escala utilizada. Este estudo tem como objetivo identificar os tipos de escalas utilizadas em pesquisas e suas aplicações. Os quatro tipos de escala mais comuns são: nominal, ordinal, intervalar e proporcional. Entre as escalas de atitude utilizadas em pesquisas científicas, destacamse a de Thurstone e a de Likert. A escala de Thurstone é utilizada para medir uma provável atitude humana sem indicar a intensidade. A escala Likert é constituída por cinco itens que variam da total discordância até a total concordância sobre determinada afirmação. Ela se difere da Thurstone devido ao grau de intensidade que abrange suas respostas e vem sendo mais usada.

Palavras-chave: Escala. Likert. Thurstone.

 

Abstract: In scientific research, we always seek to excellence in methodology, since the definition of the best method is as important as the choice of the scale to be used. This study aims to identify the types of scales used in research and its applications. The four most common types of scale are: nominal, ordinal, interval and ratio. Among the attitude scales used in scientific research, we highlight the Thurstone and the Likert. The Thurstone scale is used to measure a probable human attitude without indicating the intensity. The Likert scale consists of five items ranging from complete disagreement to total agreement on certain statement. It differs from Thurstone’s due to the degree of intensity that is covered by its answers and it has been more used.

Key words: Scale. Likert. Thurstone.

 

1 Professor do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES). Doutorando em Ciências Florestais (UFES) – Vitória/ES - Brasil. E-mail: wbermudes@ifes.edu.br.
2 Graduada em Licenciatura em Ciências Biológicas pelo Instituto Federal do Espírito Santo campus Alegre. Mestranda em Ciências Florestais pela Universidade Federal do Espírito Santo - UFES.
3 Graduado em Engenharia Florestal, pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Mestrando em Ciências Florestais (UFES) – Vitória/ES - Brasil. E-mail: eng.hamilton.braga@gmail.com.
4 Graduado em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Viçosa - UFV. Doutorando em Ciências Florestais (UFES) – Vitória/ES - Brasil. E-mail: engflorestalphs@gmail.com.

 

Literatura Citada

AGUIAR, B.; CORREIA, W.; CAMPOS, F. Uso da Escala Likert na Análise de Jogos. SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GAMES (SBGAMES), 10., 2011, [s.l]. Anais... [s.l.], 2011. p. 1-5.

ALEXANDRE, J. W. C. et al. Análise do número de categorias da escala de Likert aplicada à gestão pela qualidade total através da teoria da resposta ao item. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 23., 2003, Ouro Preto. Anais... Ouro Preto: [s.l.], 2003.

ALEXANDRE, V. Les échelles d’attitude. Paris: Éditions Universitaires, 1971.

APPOLINÁRIO, F.; ATLAS, (Ed.) Dicionário de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 2007.

BASTOS JUNIOR, R. de O. Elicitação de requisitos de software através da utilização de questionários. Dissertação (Mestrado) em Informática da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2005. 87 f.

CHURCHILL, G. Marketing research: methodological foundations. 3. ed. New York: The Dryden Press, 1998.

CIRIBELLI, M. C. Como elaborar uma dissertação de mestrado através da pesquisa científica. Rio de Janeiro: 7 letras, 2003. p. 23. Disponível em: <http://books.google.com.br/books?isbn=8575770810>. Acesso em: 29 maio 2015.

CUNHA, L. M. da. Modelos Rasch e Escalas de Likert e Thurstone na medição de atitudes. 78 f. 2007. Dissertação (Mestrado em Probabilidades e Estatística). Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal, 2007.

DALMORO, M. Dilemas na Construção de Escalas Tipo Likert: o Número de Itens e a Disposição Influenciam nos Resultados. Revista Gestão Organizacional, v. 6, n. 2000, p. 161–174, 2008.

FONSECA, A. Era da medição de atitudes (1920-1930). Psicologia Social, 2001. Disponível em: <http://www.hoops.pt/psicologia/psico2.htm>. Acesso em: 23 maio 2015.

GUAGLIANONI, D.G. Análise Sensorial: Um Estudo Sobre Procedimentos Estatísticos e Número Mínimo de Julgadores. Tese (Mestrado em Probabilidade e Estatística). Universidade Estadual Paulista: Araraquara, 2009.

MATTAR, F. N. Pesquisa de Marketing. São Paulo: Altas, 1996.

MORAIS, C. M. Escalas de medida, estatística descritiva e inferência estatística. Escola Superior de Educação. Instituto Politécnico de Bragança. Bragança, 2005. Disponível em: <http://www.ipb.pt/~cmmm/conteudos/estdescr.pdf>. Acesso em: 15 maio 2015.

OLIVEIRA, T. M. V. Escalas de mensuração de atitudes: Thurstone, Osgood, Stapel, Likert, Guttman, Alpert. FECAP, v. 2, n. 2, 2001. Disponível em: <http://www.fecap.br/adm_online/art22/tania.htm>. Acesso em: 23 maio 2015.

PEREIRA, B. A. V. As percepções dos professores da Região Autónoma da Madeira acerca do potencial do recurso às TIC na evolução das aprendizagens de crianças com Discalculia. 116 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação na Especialidade de Educação Especial: Domínio Cognitivo-Motor). Escola Superior de Educação João de Deus. Lisboa, 2013.

PILLI, Luis. Modelagem da importância dos atributos de produtos e serviços em estudos de satisfação. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA, 2004, São Paulo. Anais... São Paulo: [S.l.], 2004.

SILVA, N. L. S. da; SILVA, O. H. da. Escalas de medidas de variáveis para diagnósticos da sustentabilidade de sistema de produção agropecuários. Scientia Agraria Paranaensis, v. 9, n. 2., 2010, p. 71 – 84.

SILVA JUNIOR, S.D.; COSTA, F. J. Mensuração e Escalas de Verificação: uma Análise Comparativa das Escalas de Likert e Phrase Completion. PMKT – Revista Brasileira de Pesquisas de Marketing, Opinião e Mídia, São Paulo, Brasil, v. 15, p. 1-16, out. 2014.

STEFANO, N. et al. Qualidade e escala Likert para medir a satisfação dos clientes serviços. In: XXVII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu, PR, 2007. p. 1-9.

THURSTONE, L. L. A History of Psychology in Autobiography. In Gardner Lindzey (ed) 6 Vol. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1952. p. 294 - 321.

THURSTONE, L. L. Attitudes can be measured. American Journal of Sociology 33, (1928): 529-554. Disponível em: <https://www.brocku.ca/MeadProject/Thurstone/Thurstone_1928a.html>. Acesso em: 23 maio 2015.

THURSTONE, L. L.; CHAVE E. J. The Measurement of Attitude: A psychophysical Method and Some Experiments with a Scale for Measuring Attitude toward the Church. Chicago: University of Chicago: 1-21. 1929. Disponível em: <https://www.brocku.ca/MeadProject/Thurstone/Chave_1929/1929_01.html>. Acesso em: 2 jun. 2015.