Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Prevalência de Mordida Cruzada Posterior em Escolares de 6 a 10 Anos no Município de Vila Maria – RS

DOI: http://dx.doi.org/10.18256/2238-510X/j.oralinvestigations.v5n1p34-39

https://seer.imed.edu.br/index.php/JOI/index 

downloadpdf

Fátima N. Piaia1, Eduardo A. Zilio1, Laura Estery1 & Evandro Balen1

  

Resumo: Objetivos: a mordida cruzada posterior apresenta-se como um dos problemas ortodônticos mais frequentes. Esta má oclusão, que impede o desenvolvimento correto do crânio e da face, necessita de diagnóstico precoce e tratamento adequado para sua correção. No presente estudo, o autor tem como objetivo, quantificar a prevalência de mordida cruzada posterior, identificando a freqüência deste agravo bucal, nos diferentes tipos e na faixa etária proposta. Também é meta deste trabalho, comparar os dados aqui revelados com outras pesquisas realizadas, com as mais variadas amostras. Métodos: a pesquisa envolveu 182 escolares de 6 a 10 anos, de ambos os gêneros, independentes de grupo étnico e condição sócio-econômica, de duas escolas do município de Vila Maria - RS e que compõe a totalidade de escolares nesta faixa etária de todo município. Os escolares foram examinados, em consultório odontológico, pelo próprio autor, e ocluindo em máxima intercuspidação habitual. Resultados: os resultados revelaram uma prevalência de mordida cruzada posterior da ordem de 27,47%, subdivididos em 15,93% para a unilateral direita, 9,35% para a unilateral esquerda e 2,19% para a bilateral.

Palavras-chave: Maloclusão, Mordida Cruzada Posterior, Prevalência.

 

Abstract: Posterior crossbite is presented as one of the most common orthodontic problems. This malocclusion, which prevents the proper development of the skull and face, needs early diagnosis and appropriate treatment for their correction. In this study, the author aims to quantify the prevalence of posterior crossbite, identifying the frequency of dental injury in different types and age proposal. It is also goal of this study was to compare the data revealed here with other research conducted with many different samples. The research involved 182 schoolchildren between 6 and 10 years, of both genders, independent of ethnicity and socioeconomic status, from two schools in the municipality of Villa Maria - RS, which makes up the total student population in this age group from around the county. Schoolchildren were examined in the dental office, by the author, and occluding in maximum intercuspal clenching. The results revealed a prevalence of posterior crossbite in the order of 27.47%, subdivided into 15.93% for the unilateral right, 9.35% for the unilateral left and 2.19% for bilateral.

Key words: Malocclusion, Posterior crossbite, Prevalence.

 

1 Cirurgião – Dentista. Passo Fundo (RS).

 

Literatura Citada

Aidar AA. et al. Expansão Rápida Associada a Tração Extra Bucal Reversa da Maxila e Utilização do Regulador de Função de Fränkel (RF-3) Como Contenção. Ortodontia, São Paulo 1998;31:72-82.

Almeida-Pedrin RR et al. Prevalência das más- -oclusões em jovens de seis a doze anos de idade na cidade de Miranda/MS. Ortodontia SPO 2008;41:384-392.

Araújo MCM. Mordida cruzada. In: ______. Ortodontia para clínicos. 2. ed. São Paulo 1982;2:233-243.

Araújo TM et al. Interceptação de mordidas cruzadas – relato de caso clínico. J. Brás. Ortop. 2005;57:217-222.

Artese F et al. Tratamento da mordida cruzada posterior com o aparelho de Perry – relato de um caso clínico. RBO, 2006;63:203-206.

Barreiro SLR, Santos SLP. Mordidas cruzadas: importância do tratamento precoce. RBO, v. XLIII 1986; 2:30-40.

Bezerra PKM, Cavalcanti AL, Características e distribuição das maloclusoes em pré-escolares. Revista de Ciências Medicas e Biológicas, Salvador. 2006;5:117-123.

Carvalho JC, Vinker F, Declerck D. Malocclusion, dental injuries and dental anomalies in the primary dentition of Belgian children. International Journal of Paediatric Dentistry, 1998;8:137-141(5).

Carvalho OOEBR; Silva ACP; Carlini MD. Estudo da prevalência de mordidas cruzadas em dentes decíduos e permanentes em pacientes examinados na disciplina de ortodontia da UFRJ. Revista Dental Press de Ortodontia e Ortopedia Facial,200;5:29-34.

Cavalcanti AL et al., C. Prevalência de Maloclusão em Escolares de 6 a 12 Anos de Idade em Campina Grande, PB, Brasil. Pesq Bras Odontoped Clin Integr, 2008;8:99-104. https://doi.org/10.4034/1519.0501.2008.0081.0018

Cavalcanti AL, Bezerra PKM, Moura C. Mordida Cruzada Posterior em Pré-escolares: Analise de 61 casos. Arquivos em Odontologia, BH, 2006;42:25-32.

Cohen MM. Ortodontia pediátrica preventiva. Rio de Janeiro: Interamericana, 1979.

Estacia A. Características das Oclusões Encontradas em Escolares de 12 a 15 anos na Cidade de Passo Fundo – RS. UFRJ, 2000.

Freitas MR, Freitas DS, Pinheiro FHSL, Freitas KMS. Prevalência Das Más Oclusões Em Pacientes Inscritos Para Tratamento Ortodôntico Na Faculdade De Odontologia De Bauru – Usp. Revista da Faculdade de Odontologia de Bauru. 2002;10:164-169.

Ghersel ELA et al. Mordidas cruzada posteriores: diagnóstico e tratamento. Revista de Odontopediatria, SãoPaulo,1992;1:73-82.

Heimer M, Silvestre LRA, Katz CRT. Prevalência da Mordida Cruzada Posterior em Crianças de 3 anos de Idade Matriculadas em Escolas Particulares da Cidade do Recife-PE no ano de 2003. Jornal Brasileiro de Ortodontia e Ortopedia Facial. 2004;9:612-615.

Infante PF. Malocclusion in the deciduous dentition in White, Black and apache Indian children. Angle Orthod, Appleton, 1975;45:213-218.

Kisling E, Krebs G. Pattens of occlusion in 3-year-old Danish children.: Community Dent Oral Epidemiol. 1976; 4:.152-159.

Kisling E. Occlusal intererences in primary dentition. J. Dent. Child., Chicago,1981; 48: 181-191.

Kutting G, Hawes RR. Postrior crossbite in deciduous and mixed dentition. Am. J Orthod., St. Louis,1969;56:491-504.

Locks A et al. Mordida crzada posterior: uma classificação mais didática. Rev. Dental Press Ortodon Ortop Facial Maringá. 2008;13: 146-158. https://doi.org/10.1590/S1415-54192008000200017

Maia FA, Maia NG. Prevalêcia e tratamento da mordida cruzada posterior na dentição decídua. Revista clínica de ortodontia Dental Press. Maringá. 2004; 2-62.

Mauro, ME et al. Avaliaçã radiográfica da(s) simetría mandibular em pacientes com mordida cruzada posterior comparados com jovens com oclusão normal. Rev. da Soc. Paulista de Ortod. 2003;36:25-39.

McDonald RE, Awvery DR. Dagnóstico e correção de pequenas irregularidades na dentição em desenvolvimento. Odontoped. ed. Rio de Janeiro: 1986;4:470-472.

Moyers RE. Classificação terminologia da má- -oclusão. Ortod. Rio de Janeiro. 1991;4:156-157.

Neto JV; Isaac FC; Pachec FC. Correção simultânea da mordida cruzada posterior e anterior: a incorporação de molas digitais ao expansor. Revista Goiana de Ortodontia. 2004;7:29-33.

Pacheco GFVI, Machado E. ordida cruzada posterior unilateral: consequências na posição condilar de pacientes portadores de desordens temporomandibulares. Rev. ABO 2003;10: 355-360.

Pastana SG, Costa SM; Lea ALM. Análise da mastigação em indivíduos que apresentam mordida cruzada unilateral na faixa etária de 7 a 12 anos. Revista CEFAC. 2007;9:1-10. https://doi.org/10.1590/S1516-18462007000300008

Rodrigues AMM, Bérzin F, iqueira VCV. Análise eletromiográfica dos músculos masseter e temporal na correção da mordida cruzada posterior. Revista Dental Press de Ortodontia. 2006;11:55-62. https://doi.org/10.1590/S1415-54192006000300007

Rosa AC, Coutinho BM, Mel GM, Teixeira LA. Mordida cruzada posterior – Síndrome de Brodie: Uma Revisão da Literatura. Disponível em: http://www.odontologia.com Data de Publicação do Artigo: 20 de mar. de 2007.

Silva FOG, Silva PRB, Reg MVNN; Capelozza FL. Epidemilogia da Mordida Cruzada Posterior na Dentadura Decídua. Jornal Brasileiro de Odontopediatria e Odontologia para Bebe. 2003;6:61-68.

Silva FOG, Freitas S, Cavssan AO. Prevalência de Oclusão Normal e Má Oclusão em Escolares da Cidade de Bauru (São Paulo). Relação Sagital. Rev. Odont. USP. SP 1990;4:130-137.

Souza IPR, Wilhelm RS. Modida cruzada e sua precoce repercussão gengival. Revista gaúcha de odontologia, POA 1987;35:101-106.

Tausche E, Luck O, HarzerW. Prevalence of malocclusions in the early mixed dentition and orthodontic treatment need. Eur J Orthod. 2004;26:237-244. https://doi.org/10.1093/ejo/26.3.237

Thomaz EBAF, Valenlça AMG Prevalência de Maloclusão e Fatores Relacionados à sua Ocorrência em Pré-Escolares da Cidade de São Luís – MA – Brasil. 2005;12:212-221.

Thomazine GDPA, Imparato CP. Prevalência de Mordida Aberta e Mordida Cruzada em Escolares da Rede Municipal de Campinas. Jornal Brasileiro de Odontopediatria & Odontologia do Bebe. 2000;3:29-37.

Torres NR. Correlación Enre Ancho Transpalatino em e Lancho Maxilar Y Facial em Escolares de 8 a 10 años de edad. Lima, Peru 2003.

Viana NS, Casa Grande FA,Camargo ES, França BS, Moyses ST. Prevalência da mordida cruzada posterior e sua associação com hábitos de sucção não nutritivos. Revista gaúcha de odontologia. POA 2004;52:246-248.

Vilella OV et al. Prevalêcia das mordidas cruzadas em escolares de Niterói. Revista Goiana de Ortodontia. 2001;29-34.

Yogosawa F. Case Report A: Non-Surgical correction of a Severe Class II mal Occlusion (Brodie Syndrome) The Angle Orthodontist, 1991;60:299-304.

Zhu JF, Crevoiser R, King DL; Henry R, Mills CM. Posterior Crossbites in children. Compend contin Educ. Dent. 1996;17:1051-1058.