crosscheckdeposited

Âncoras de Carreira e Tecnologia na Percepção sobre Estresse no Ambiente de Trabalho

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v12n24p65-89

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/OC/index 

downloadpdf

Leonardo N. Trevisan1, Elza F. R. Veloso2, Rodrigo C. da Silva3 & Joel S. Dutra4

 

Resumo: A percepção a respeito desobre estresse no ambiente de trabalho e sua relação com a chegada das novas tecnologias, considerando as âncoras de carreira nessta composição, é o objetivo deste artigo. Pesquisa quantitativa descritiva, realizada com formandos em Administração, embasou este objetivo. O estudoA pesquisa mostrou que o debate entre os estudantes acerca dasobre a substituição das tarefas humanas pela tecnologia da informação não está consolidado. Os resultados da pesquisa sugerem distintas percepções de estresse com as novas tecnologias nas diferentes “âncoras de carreira”, e também nas diferenças distinções de gênero.

Palavras-chave: âncoras de carreira; carreira; tecnologia; estresse; ambiente de trabalho.

 

Abstract: The perception of stress in the workplace and its relationship with the arrival of new technologies, considering the career anchors in this composition, is the purpose of this article. A descriptive quantitative research held with undergraduate students in business underwrote this goal. The results has shown that the debate between students on the replacement of human tasks by technology information is unbound. The results also suggest distinct perceptions of stress with the new technologies in the different “career anchors”, as well as differences of gender.

Key words: career anchors; career; technology; stress; work environment.

 

1 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo- PUC/SP. É doutor em ciência política pela Universidade de São Paulo (USP) e professor titular da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. lntrevisan@pucsp.br
2 FMU. É pós doutora e doutora em administração pela Universidade de São Paulo (FEA-USP). É docente do mestrado acadêmico em administração das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU); coordenadora executiva do Programa de Estudos em Gestão de Pessoas (PROGEP) da Fundação Instituto de Administração (FIA) e professora em cursos de especialização da Universidade Presbiteriana Mackenzie. elzafr@uol.com.br
3 FIA. É doutor em administração pela Universidade de São Paulo (FEA-USP) e professor do Programa da Universidade Anhembi Morumbi e da Fundação Instituto de Administração (FIA). rdgcdasilva@gmail.com
4 Universidade de São Paulo. É doutor em administração pela Universidade de São Paulo (FEA-USP) e professor livre-docente na mesma instituição. É também coordenador do Programa de Estudos em Gestão de Pessoas (PROGEP) da Fundação Instituto de Administração (FIA). jdutra@usp.br

 

Literatura Citada

ALVES, M. G. M.; HÖKERBERG, Y. H. M. e FAERSTEIN, E. Tendências e diversidade na utilização empírica do Modelo Demanda-Controle de Karasek (estresse no trabalho): uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 1, n. 1, 2013.

AUTOR, D. H.; e PRICE, B. The Changing Task Composition of the US Labor Market: An Update of Autor, Levy, and Murnane (2003). MIT. Paper, June 21, 2013, disponível em <http://economics.mit.edu/files/9758>. Acesso em 10 de abril de 2015.

BARCAUI, A.; LIMONGI-FRANÇA, A. C. Estresse, enfrentamento e qualidade de vida: um estudo sobre gerentes brasileiros. Revista de Administração Contemporânea, v. 18, n. 5, p. 670-694, 2014.

CANOVA, K. R.; PORTO, J. B. O impacto dos valores organizacionais no estresse ocupacional: um estudo com professores do ensino médio. Revista de Administração Mackenzie, v. 11, n, 5, p. 4-31, 2010.

CODO, W.; SORATTO, L.; VASQUES-MENEZES, I. Saúde mental e trabalho. In: ZANELLI, J. C.; BORGES-ANDRADE, J. E.; BASTOS, A. V. B. (Orgs.). Psicologia, Organizações e Trabalho no Brasil, Porto Alegre, Artmed, 2004.

COHEN, S., KESSELER, R. C.; GORDON, L. U. Measuring Stress. Oxford, Oxford University Press, 1995.

CRUZ, R. “Para acreditar no hype.” In: O Estado de São Paulo, edição de 17 de agosto de 2014, disponível em <http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,para-acreditar-no-hype-imp-,1545178Renato>

DE LANGE, A. H. ; TARIS, T. W.,; KOMPIER, M. A. J.; HOUTMAN, I. L. D.; BONGERS, P. M. The very best of the millennium: longitudinal research and the demand control-(suport) model. Journal of Occupacional Health Psycology, v. 8, n. 4, p. 282-305, 2003.

DUTRA, J. S. Prefácio. In: DUTRA, J. S. (Org.). Gestão de carreiras na empresa contemporânea, São Paulo: Atlas, 2010.

DUTRA, J. S.; ALBUQUERQUE, L. G. Âncoras de Carreira. Apostila – Universidade de São Paulo, 2002.

FREY, C. B.; OSBORNE, M. A. The future of employment: how susceptible are jobs to computadorisation? Oxford University Engineering Sciences Department and the Oxford Martin. Programme on the Impacts of Future Technology. Paper September 17, 2013, disponível em: <http://www.oxfordmartin.ox.ac.uk/downloads/academic/The_Future_of_Employment.pdf> Acesso em 20 de abril de 2015.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social, São Paulo: Atlas, 1999.

GLOWINKOWSKI, S. P.; COOPER, C. L. Managers and professional in business/industrial setting: the research evidence. In: IVANCEVICHI J. M.; GANGSTER, D. C. (Orgs.). Job stress from theory to suggestion, Nova York, Haworth, 1987.

HAIR, Jr., J. F., BLACK, W., BABIN, B. J, ANDERSON, R. E., & TATHAM, R. L. Análise multivariada de dados, 6. ed., Porto Alegre: Bookman, 2009.

HAUSSER, J. A.; MOJZISCH, A.; NIESEL, M.; SHULZ-HARDT, S. Tenyears on: a review of a research on the job demand-control (support) model and psychological well-being. Work & Stress: An International Journal of Work, health & Organizations, v. 24, n. 1, p. 1-35, 2010.

IQBAL, M.; YLMAZ, A. K. Analysis of workplace stress and organizational performance in human resource management: a case study of air traffic controlleres of Pakistan. International Journal of Management and Sustainability, v. 3, n. 6, p. 360-373, 2014.

JEX S. M. Stress and Job Performance, London, Sage, 1998.

JOHNSON S.; COOPER, C.; CARTWRIGHT; S.; DONALD, I.; TAYLOR, P.; MILLET, C. The experience of work-related stress across occupations. Journal of Managerial psychology, v. 20, n. 2, p. 178-187, 2005.

JONES, F.; KINMAN, G. Approaches to studying syress. In: JONES F.; BRIGHT, J. (Orgs.). Stress, mit, theory and research, Londres, Prentice Hall, 2001.

KAHN, R. L.; BYOSIERE, P. B. Stress in organizations. In: M. D. Dunnette and L. M. Hugh (Orgs.). Handbook of Industrial and Organizational Psychology (p. 571-650), Palo Alto, CA: Consulting Psychologists Press, 1992.

KARASEK, R. A. Job demand, job decision latitude, and mental strain: implications for job redesign. Administrative Science Quarterly, v. 24, n. 2, p. 285-308, 1979.

KARASEK, R.; THEORELL, T. Healthy work: stress, productivity and the reconstruction of working life. Basic Books, Inc., Publishers, New York, 1990.

LIMONGI-FRANÇA, A. C.; RODRIGUES, A. L. Stress e trabalho: uma abordagem psicossomática, São Paulo, Atlas, 2002.

MCCLENAHAN, C. A.; GILES, M. L.; MALLET, J. The importance of context specificity in work stress research: a testo f the demand-control suport model in academics. Work & Stress: An International Journal of Work, health & Organizations, v. 21, n. 1, p. 85-95, 2007.

PASCHOAL, T. TAMAYO, A. Validação da escala de estresse no trabalho. Estudos de Psicologia, v. 9, n. 1, 2004.

SCHEIN, E. H. Career Anchors: Discovering Your Real Values. San Diego: Pfeiffer & Company, University Associates, Inc., 1990.

SCHEIN, E. H. Identidade profissional: como ajustar suas inclinações a suas opções de trabalho, São Paulo: Nobel,1996.

SELLTIZ, C. et al. Métodos de pesquisa nas relações sociais, São Paulo: EDUSP, 1974.

STANDAGE Tom. “The return of the machinery question.” In: The Economist, edição de 25 de junho de 2016, disponível no endereço eletrônico: <http://www.economist.com/news/special-report/21700761-after-many-false-starts-artificial-intelligence-has-taken-will-it-cause-mass> <http://www.economist.com/news/special-report/21700761>

TREVISAN, L. N. Realidade virtual versus mundo corporativo. Revista da ESPM, set./out.,2014.