Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Levantamento dos Principais Fungicidas e Inseticidas Comercializados pelas Agropecuárias de Bento Gonçalves para Utilização na Cultura da Videira

DOI: http://dx.doi.org/10.18188/1983-1471/sap.v15n4p385-390

http://e-revista.unioeste.br/index.php/scientiaagraria/index 

downloadpdf

Eder A. Zaffari1 & Regina S. Borba2

 

Resumo: A videira é uma cultura em expansão no Brasil, e o Rio Grande do Sul compreende a maior área plantada com a cultura. A videira está sujeita ao ataque de inúmeros patógenos e pragas, e os tratamentos fitossanitários podem atingir 30% do custo de produção. Vários estudos são realizados com a finalidade de encontrar alternativas de controle, mas, o principal método utilizado ainda é o controle químico. Diante do exposto, objetivou-se com o presente trabalho, realizar um levantamento dos principais fungicidas e inseticidas comercializados nas agropecuárias de Bento Gonçalves, indicados para a cultura da videira em 2013. Realizou-se o levantamento nas agropecuárias em 2014, com a realização de entrevistas, sendo um total de seis agropecuárias consultadas. As análises foram realizadas calculando-se as frequências absoluta e relativa dos fungicidas e inseticidas mais comercializados, associados aos principais problemas fitossanitários da videira e às classificações toxicológicas e ambientais. Todos os fungicidas citados possuem registro para videira e são usados para o controle de Plasmopara viticola, causador do míldio. Em relação aos inseticidas, nem todos os citados possuem registro, sendo um sério problema na questão de resíduos nos frutos. A maioria dos produtos citados pertence à classe toxicológica III e classe ambiental II. Dentre os produtos citados, os inseticidas piretróides e organosfosforados não são seletivos aos inimigos naturais, e os neonicotinóides são extremamente tóxicos para abelhas.

Palavras-chave : agrotóxicos, uva, Vitis spp.

 

Abstract : The vine is a culture in expansion in Brazil and Rio Grande do Sul State comprises the largest area planted with the crop. The vine is subject to attacks by numerous pathogens and pests, and plant protection treatments up to 30% of the production cost. Several studies are performed with the purpose to find alternative control, but the main method used is still the chemical control. Thus, the objective of this work was a survey the main fungicides and insecticides sold in agricultural and animal production stores of Bento Gonçalves city, Rio Grande do Sul State, Brazil, suitable for the vine culture in 2013. It was performed the survey in agricultural and animal production stores in 2014, with the completion of interviews, with a total of six agricultural and animal production stores consulted. The analyzes were performed by calculating the absolute and relative frequencies of the most marketed fungicides and insecticides associated to the main phytosanitary problems of the vine and the toxicological and environmental classes. All mentioned fungicides are registered for the vine culture and are used for the control of Plasmopara viticola, causing the mildew. In relation to insecticides, not all which were cited are registered, being a serious problem in the matter of residues in fruits. Most cited product belongs to toxicity class III and environmental class II. Among the products listed, the organophosphates and pyrethroid insecticides are not selective to natural enemies, and neonicotinoids are highly toxic to bees.

Key words : pesticides, grapevine, Vitis spp.

 

1 Tecnólogo em Horticultura, especialista em Viticultura, Instituto Federal do Rio Grande do Sul, IFRS, campus Bento Gonçalves, Av. Osvaldo Aranha 540, Bairro Juventude, CEP 95700-000, Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: ederzaffari@yahoo.com.br
2 Engenheira Agrônoma, Dra. em Fitossanidade, IFRS. E-mail: regina.borba@bento.ifrs.edu.br *Autor para correspondência

  

Literatura Citada

BAUDOIN, A.; OLAYA, G.; DELMOTTE, F.; COLCOL, J.F.; SIEROTZKI, H. QoI resistance of Plasmopara viticola and Erysiphe necator in the Mid-Atlantic United States. Plant Health Progress, fev. 2008. 08p.

BORBA, R.S.; ZANCHET, C.R. Levantamento dos principais formicidas comercializados pelas agropecuárias da Serra Gaúcha no ano de 2011. In: XXIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA, 2012, Curitiba. Anais… Curitiba, 2012.

BOTTON, M.; HICKEL, E.R.; SORIA, S.J. In: FAJARDO, T.V.M. (Ed.). Uva para processamento: fitossanidade. Embrapa Informação Tecnológica, Brasília 2003. 128p.

BOTTON, M.; SANTOS, H.P.; GARRIDO, L.R.; ALMANÇA, M.A.K. Pérola-da-terra na cultura da videira e sua relação com doenças. In: XXIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA, 2012, Curitiba. Anais… Curitiba, 2012.

BOTTON, M.; VASCO, S.J.S.; HICKEL, E.R. Uvas sem sementes: cultivares BRS Morena, BRS Clara e BRS Linda. 2005. Disponível em: <http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Uva/UvasSemSementes/praga.htm>. Acesso em: 21 nov. 2014.

CHAVARRIA, G.; SANTOS, H.P. Cultivo protegido de videira: manejo fitossanitário, qualidade enológica e impacto ambiental. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.35, n.3, p.910-918, set. 2013.

FORMOLO, R.; RUFATO, L.; BOTTON, M.; MACHOTA JUNIOR, R. Diagnóstico da área cultivada com uva fina de mesa (Vitis vinifera L) sob cobertura plástica e do manejo de pragas. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.33, n.1, p.103-110, mar. 2011.

GIOVANNINI, E.; MANFROI, V. Viticultura e enologia. Elaboração de grandes vinhos nos terroirs brasileiros. 2.ed. Bento Gonçalves, 2009. 362p.

GIOVANNINI, E. Manual de viticultura. Porto Alegre, 2014. 253p.

IBRAVIN: Instituto Brasileiro do Vinho. Disponível em: <http://www.ibravin.org.br/dados-estatisticos>. Acesso em: 01 nov. 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Produção agrícola. Disponível em <http://www.sidra.ibge.gov.br/>. Acesso em: 10 ago. 2015.

MELLO, L.M.R.; MACHADO, C.E.; SILVA, S.M.R. Dados cadastrais da viticultura do Rio Grande do Sul: 2008 a 2012. Capítulo 1. Disponível em: <http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/104029/1/capituloI.pdf> Acesso em: 05 out. 2014.

OLIVEIRA, J.E.M.; MOREIRA, A.N. Manejo integrado de pragas da videira. Embrapa Semi-Árido, Petrolina – PE, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano, Petrolina, PE, 2009. (Comunicação oral).

PEREIRA, A.M. Efeitos de inseticidas na sobrevivência e no comportamento de abelhas. 2010. 125p. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas - Zoologia) - Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2010.

PROGRAMA DE ANÁLISE DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS EM ALIMENTOS – ANVISA. Disponível em: <https://goo.gl/ADbVdl>.Acesso em: 19 nov. 2014.

Sistema de Agrotóxicos Fitossanitários: Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Disponível em: <http://extranet.agricultura.gov.br/agrofit_agrofit_cons>. Acesso em: 10 abr. 2015.

SÔNEGO, O.R.; GARRIDO, L.R.; JÚNIOR, A.G. Principais doenças fúngicas da videira no Sul do Brasil. Circular Técnica 56, Embrapa, Bento Gonçalves, RS, 2005. 32p.

SOUZA, R.T.; PALLADINI, L.A. Tecnologia para aplicação de produtos fitossanitários em videira. Circular técnica 73, Bento Gonçalves, RS, 2007. 8p.

TARSITANO, M.A.A.; COSTA, T.V.; NAVES, R.L.; SOUZA, R.T. Aspectos fitossanitários da viticultura na região noroeste do Estado de São Paulo. Comunicado Técnico 136. Bento Gonçalves, 2013. 09p.

ZAMBOLIM, L.; CONCEIÇÃO, M.Z.; SANTIAGO, T. O que engenheiros agrônomos devem saber para orientar o uso de produtos fitossanitários. 3.ed. Viçosa: Suprema, 2008. 464p.