Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Partial Shrinkage and Proportion of Cracks in Juvenile and Adult Wood of Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden

DOI: http://dx.doi.org/10.12953/2177-6830.v04n02a06

http://www.ufpel.tche.br/revistas/index.php/cienciadamadeira/index 

downloadpdf

Djeison C. Batista1, Clovis E. N. Hegedus2, Vinnicius D. Pizzol3 & Rafael B. Corteletti4

 

Abstract: Drying defects which modify the structure and dimensions of wood are extremely harmful, causing limitations of use. It is known that the anatomical structure of wood has direct influence on the drying quality, in which weaker tissues lead to higher incidence of defects. As the wood drying process advances, it leads to the removal of bound water and, consequently, to the shrinkage of cell walls, which makes wood shorten its dimensions, causing defects related to this phenomenon, such as end and surface checks. The aim of this work was to evaluate the difference in partial shrinkage and proportion of cracks in Eucalyptus grandis juvenile (with pith) and adult wood (without pith) during natural air drying. The proportion of cracks was measured according to Brazilian Standard NBR 9487: Grading of hardwood lumber, and the partial shrinkage was obtained by direct measurement method. There was not a statistically significant difference of partial shrinkage between juvenile and adult wood. Lumber from juvenile wood presented worse quality in natural air drying than adult wood. The influence of wood position (juvenile or adult) in log exerted higher influence on drying quality than shrinkage.

Key words: natural air drying, drying defects, wood quality, physical properties of wood

 

Resumo: Defeitos de secagem que modificam a estrutura e as dimensões da madeira são extremamente prejudiciais, causando perdas e limitações de uso. É conhecido que a estrutura anatômica da madeira exerce influência direta na qualidade de secagem, em que tecidos mais frágeis tendem a apresentar mais defeitos. Conforme o processo de secagem avança, a madeira começa a contrair por causa da remoção da água higroscópica e, consequentemente, as paredes celulares começam a contrair, reduzindo as dimensões da madeira, levando a defeitos associados com o fenômeno de contração, tais como as rachaduras de topo e de superfície. O objetivo do trabalho foi avaliar a diferença na contração parcial e no nível de rachaduras de madeira juvenil (com medula) e adulta (sem medula) de Eucalyptus grandis durante a secagem natural. O índice de rachaduras foi medido de acordo com a norma NBR 9487: Classificação de madeira serrada de folhosas, e a contração parcial foi obtida pelo método da medição direta. Não houve diferença estatisticamente significativa de contração parcial entre madeira adulta e juvenil. A madeira juvenil apresentou pior qualidade na secagem natural do que a adulta. A influência da posição da madeira (lenho juvenil ou adulto) na tora exerceu maior influência na qualidade da secagem do que a contração.

Palavras-chave: secagem natural, defeitos de secagem, qualidade da madeira, propriedades físicas da madeira

 

1 Engenheiro Florestal, Dr., Professor Adjunto do Departamento de Ciências Florestais e da Madeira, Universidade Federal do Espírito Santo, Jerônimo Monteiro, Espírito Santo, djeison.batista@ufes.br
2 Engenheiro Eletricista, Dr., Professor Adjunto do Departamento de Ciências Florestais e da Madeira, Universidade Federal do Espírito Santo, Jerônimo Monteiro, Espírito Santo, hegedus@gerenco.com.br
3 Engenheiro Industrial Madeireiro, MSc., Doutorando em Engenharia de Estruturas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, vpizzol@hotmail.com
4 Engenheiro Industrial Madeireiro, MSc., rafaelbrco@hotmail.com

 

Literatura Citada

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PRODUTORES DE FLORESTAS PLANTADAS (ABRAF). Anuário estatístico da ABRAF 2013 ano base 2012. ABRAF: Brasília, 2013. 148 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 9487: Classificação de madeira serrada de folhosas. Rio de Janeiro: ABNT, 1986. 32 p.

BERGMAN, R. Drying and control of moisture content and dimensional changes. In: FOREST PRODUCTS LABORATORY. Wood Handbook: Wood as an Engineering Material. Madison: United States Department of Agriculture, Forest Service, Forest Products Laboratory, 2010. p. 13-1 – 13-20

BURGER, L. M.; RICHTER, H. G. Anatomia da Madeira. São Paulo: Nobel, 1991. 154p.

INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DE SÃO PAULO (IPT). Informações sobre madeiras. Disponível em: http://www.ipt.br/informacoes_madeiras3.php?madeira=13. Acesso em: 25 abril 2012.

LANGRISH, T.; WALKER, J. Drying of timber. In: WALKER, J. (Ed.). Primary wood processing: principles and practice. 2. ed. Dordrecht: Springer, 2006. p. 251-295.

LOPES, C. S. D. Caracterização da madeira de três espécies de eucalipto para uso em movelaria. 2007. 88 f. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais) - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2007.

RIBEIRO JÚNIOR, J. I. Análises estatísticas no SAEG. Viçosa: Editora da Universidade Federal de Viçosa, 2001. 301p.

SILVA, J. de C.; OLIVEIRA, J. T. da S.; XAVIER, B. A.; CASTRO, V. R. Variação da retratibilidade da madeira de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden, em função da idade e posição radial no tronco. Árvore, Viçosa, v. 30, n. 5, p. 803-810, 2006.

SPIEGEL, M. R. Estatística. 3. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 1994. 643.

TSOUMIS, G. T. Science and technology of wood: structure, properties, utilization. New York: Chapman & Hall, 1991. 494 p.

WIEDENHOEFT, A. Structure and function of wood. In: FOREST PRODUCTS LABORATORY. Wood Handbook: Wood as an Engineering Material. Madison: United States Department of Agriculture, Forest Service, Forest Products Laboratory, 2010. p. 3-1 – 3-18.