Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Teste de Condutividade Elétrica e Caracterização Fisiológica de Sementes de Capitão (Zinnia elegans)

DOI: http://dx.doi.org/10.12971/2179-5959/agrotecnologia.v7n2p1-7

http://www.prp.ueg.br/revista/index.php/agrotecnologia/index 

downloadpdf

Lara B. S. Ferreira1, Érica F. L. Araújo2, Sávio S. Silva3 & Rafael M. Barbosa4

 

Resumo: Para auxiliar empresas produtoras de sementes na identificação rápida do vigor de lotes existem testes a serem utilizados. Neste cenário, a condutividade elétrica é um teste rápido, de fácil execução e eficiente, apresentando assim potencial para ser empregado no controle de qualidade destas empresas, no entanto há fatores do teste que podem afetar os resultados obtidos. O objetivo do trabalho foi a caracterização do potencial fisiológico de um lote e avaliar o efeito do volume de água e do tempo de embebição na condutividade elétrica da solução, para avaliação do vigor em sementes de Zinnia elegans, espécie que tem se destacado no cenário de plantas ornamentais do Brasil. Incialmente foi determinado o teor de água das sementes utilizadas. Para caracterização das sementes foram realizados os testes de primeira contagem de germinação, germinação e índice de velocidade de germinação. Avaliou-se então o teste de condutividade elétrica com 25 sementes, variando o volume de água, 25 e 50 mL, bem como o período de embebição, de 2, 4, 6, 8, 24, 48 e 72 horas. O período de 24 horas mostrou-se promissor para avaliação da qualidade fisiológica. E o volume de água de 25 mL apresentou maior correlação com os testes de germinação e primeira contagem. Assim o teste de condutividade elétrica para sementes desta espécie deve ser realizado utilizando-se 25 sementes embebidas em 25 mL de água e a leitura da condutividade elétrica lida após 24 horas de embebição na temperatura de 25 °C.

Palavras-chave: Embebição, Plantas ornamentais, Qualidade fisiológica

 

Abstract: In order to aid seed companies in the quick identification of the seed vigor, some tests are used. In this scenario, the electrical conductivity is a fast, easy to perform and efficient test, thus presenting potential to be used in the quality control of these companies, however there are factors that may affect the results of this test. The objective of this work was to characterize the physiological potential of a seed lot and assess the effect of the water volume and soaking time on the electrical conductivity, to evaluate the vigor of Zinnia elegans seeds, species that has excelled in scene ornamental plants in Brazil. Initially we determined the water content of the seeds. To characterize the seeds were carried out the first count, germination and germination speed index. Was evaluated, the electrical conductivity test with 25 seeds, varying the volume of water, 25 and 50 mL and the immersion period of 2, 4, 6, 8, 24, 48 and 72 hours. The 24-hour period has shown promise for evaluation of physiological quality. And the water volume of 25 mL showed a higher correlation with the germination test and first count test. Thus the electrical conductivity test to Zinnia elegans should be conducted using 25 seeds soaked in 25 mL of water and the electrical conductivity reading read after 24 hours soaking at 25 °C.

Key words: Soaking, Ornamental plants, Physiological quality

 

1 Mestranda em Proteção de Plantas, IF Goiano/Urutaí – GO, larabernardes.ferreira@gmail.com, Rodovia Geraldo Silva Nascimento, km 25, Zona Rural, Urutaí, GO.
2 Profa. M.Sc. do Departamento de Agronomia, IF Goiano/Urutaí – GO. ³Graduando em Engenharia Agrícola, IF Goiano/Urutaí – GO. 4Prof. Dr. do Departamento de Ciências Agrárias e Ambientais, UESC/Ilhéus – BA.

 

Literatura Citada

AOSA - ASSOCIATION OF OFFICIAL SEED ANALYSTS. Seed vigor testing handbook. Ithaca: AOSA, 1983. 93p.

ARAUJO, R. F.; ZONTA, J. B.; ARAUJO, E. F.; DONZELES, S. M. L.; COSTA, G. M. Teste de condutividade elétrica para sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.). Idesia (Chile). v. 29, n. 2, p. 79-86, 2011. https://doi.org/10.4067/S0718-34292011000200010

ATAIDE, G. M.; FLORES, A. V.; BORGES, E. E. L.; RESENDE, R. T. Adequação da metodologia do teste de condutividade elétrica para sementes de Pterogyne nitens Tull. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 7, n. 4, p. 635-640. 2012. https://doi.org/10.5039/agraria.v7i4a1688

BARBOSA, R.M.; SILVA, C.B.; MEDEIROS, M.A.; CENTURIOM, M.A.P.C.; VIEIRA, R.D. Condutividade elétrica em função do teor de água inicial de sementes de amendoim. Ciência Rural, v. 42, n. 1, p. 45-51, 2012. https://doi.org/10.1590/S0103-84782012000100008

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Secretaria de Defesa Agropecuária. Regras para análise de sementes. Brasília, 2009. 399p.

CARDOSO, R. R.; NOBRE, D. A. C.; DAVID, A. M. S. S.; AMARO, H. T. R.; BORGHETTI, R. A.; COSTA, M. R. Desempenho de sementes de crambe expostas à tratamentos pré-germinativos. Acta biologica Colombiana, v. 19, n. 2, p. 251-260, 2014.

CARVALHO, M.V. Determinação do fator de correção para condutividade elétrica em função do teor de água de sementes de soja [Glycine max (L..) Merrill]. 1994. 36p. (Mestrado em Produção Vegetal) – Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias – UNESP, Campus de Jaboticabal, SP.

DIAS, M. A.; DIAS, D. C. F. S.; BORGES, E. E. L.; DIAS, L. A. S. Qualidade e compostos fenólicos em sementes de mamão alterados pela colheita e maturação dos frutos. Ciência Rural, v. 45, n. 4, p. 737-743, 2015. https://doi.org/10.1590/0103-8478cr20121353

FESSEL, S. A.; SILVA, L. J. R.; GALLI, J. A.; SADER, R. Uso de solução salina (NaCl) no teste de envelhecimento acerado em sementes de brócolis (Brassica oleracea L. var. itálica Plenk). Científica, v. 33, n. 1, p. 27-34, 2005. 

GASPARIN, E.; ARAUJO, M. M.; AVILA, A. L.; WIELEWICKI, A. P. Identificação de substrato adequado para germinação de sementes de Allophylus edulis (A. St.-Hil., A. Juss. & Cambess.) Radlk. Ciência Florestal, v. 22, n. 3, p. 625-630, 2012. https://doi.org/10.5902/198050986628

GEMTCHÚJNICOV, I. D. Manual de Taxonomia Vegetal: Plantas de interesse econômico. 1 ed. São Paulo: Editora Agronômica Ceres, 1976. 368p.

LEÃO, E. F.; BARBOSA, R. M.; DOS SANTOS, J. F.; VIEIRA, R. D. Soaking solution temperature, moisture content and electrical conductivity of common bean seeds. Seed Technology, v. 34, n. 2, p. 193-202, 2012.

LORENZI, H.; SOUZA, H. M. Plantas ornamentais no Brasil: arbustivas, herbáceas e trepadeiras. 3 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2001. 1104p.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, v. 2, n. 1, p. 176-177. 1962. https://doi.org/10.2135/cropsci1962.0011183X000200020033x

MARCOS FILHO, J.; VIEIRA, R. D. Seed vigor tests: principles - conductivity tests. p. 77-90. In: BAALBAKI, R.; ELIAS, S.; MARCOS FILHO, J.; MCDONALD, M. (Org.). Seed vigor tests handbook. Ithaca: AOSA, 2009.

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados na avaliação das plântulas. Cap. 2. p. 2-21. In: KRZYZANOWSKI, F.C., VIEIRA, R.D., FRANÇA NETO, J. de B. Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999.

PANOBIANCO, M. & MARCOS FILHO, J. Comparação entre métodos para avaliação do potencial fisiológico de sementes de pimentão. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 20, n. 2, p. 306-310, 1998.

PERES, W. L. R. Testes de vigor em sementes de milho. 2010. 50p. (Mestrado em Produção e Tecnologia de Sementes) – Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias – UNESP, Campus de Jaboticabal, SP. PESKE, S. T.; MENEGHELLO, G. E. Limites, tolerâncias e padrões. Seed News. Ano XVII, n. 5, 2013.

SILVA, B. A.; NOGUEIRA, J. L.; CARVALHO, T. C. PANOBIANCO, M. Adequação da metodologia do teste de condutividade elétrica para sementes de triticale. Scientia Agraria Paranaensis. v. 12, n. 4, p. 267-274, 2013. https://doi.org/10.18188/1983-1471/sap.v12n4p267-274

SILVA, V. N.; ZAMBIASSI, C. A.; TILLMANN, M. A. A.; MENEZES, N. L.; VILLELA, F. A. Condução do teste de condutividade elétrica utilizando partes de sementes de feijão. Revista de Ciências Agrárias, v. 37, n. 2, p. 206-213, 2014.

STMART, D. P.; BOYLE, T. H.; TERRY, L. Genetic and plysiological studies of Zinnia elegans, Z. angustifolia and their interspecific hybrids. Hort Scienc, v. 22, n. 4, p. 690-691, 1987.

VAZQUEZ, G. H.; CARDOSO, R. D. PERES, A. R. Tratamento químico de sementes de milho e o teste de condutividade elétrica. Bioscience Journal, v. 30, n. 3, p. 773-781, 2014.

VIEIRA, R. D.; KRZYZANOWSKI, F. C. Teste de condutividade elétrica. Cap. 4. p. 1-26. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999.