Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Estrutura Fitossociológica e Raridade em Um Trecho de Floresta Estacional Semidecidual Primária na Zona da Mata de Minas Gerais

DOI: http://dx.doi.org/10.14688/1984-3801.v06n01a09

http://rioverde.ifgoiano.edu.br/periodicos/index.php/gst/index 

downloadpdf

Maria L. Santos1, João A. A. Meira Neto1, Alexandre F. Silva1, Sebastião M. Venâncio2 & Érica P. Campos3

 

Resumo: Este estudo objetivou descrever a estrutura e a proporção de espécies raras em um remanescente de Floresta Estacional Semidecidual primária em Viçosa, MG (20º45’S, 42º55’W). Para a estrutura foram plotados 20 transectos (50 x 10m), cada um composto por cinco parcelas contíguas (10 x 10 m) e foram inclusos indivíduos com diâmetro à altura do peito (DAP) ≥ a 15 cm. O material botânico coletado foi depositado no herbário da Universidade Federal de Viçosa (VIC). Foi considerada espécie rara aquela representada por único indivíduo na amostra. Foram amostrados 1623 indivíduos pertencentes a 52 famílias, 130 gêneros e 209 espécies. Na análise, as espécies mais representativas foram Euterpe edulis, Sorocea bonplandii e Siparuna guianensis. Das 209 espécies, 61 (29,18%) foram raras. Acrescentando os dados de outro estudo realizado no mesmo sítio, totalizaram 283 espécies, e destas 77 (27,20%) são raras. Entre as 61 espécies raras catalogadas Vernona diffusa, Tovomita saldanhae e Meliosma itatiaie estão ameaçadas de extinção para a flora de Minas Gerais. Para se determinar o número e a proporção de espécies raras, levantamentos em 1,0 hectare se mostraram inadequados quando comparadas com amostra de 2,0 hectares. Análise de raridade de espécies é muito complexo, visto que, no mesmo fragmento em uma amostra espécies que tiveram status de raras, na outra foram comuns.

Palavras-chave: espécies rara, Mata Atlântica, fitossociologia

 

Abstract: The aims of this study were to describe the structure and the proportion of rare species of a remnant of primary semideciduos seasonal forest in Viçosa, MG (20º45’S, 42º55’W). Twenty transects (50 x 10 m) were plotted for the structure, each one composed by five plots (10 x 10 m), and samples of individuals with a diameter at the chest height (DCH) ≥ 15 cm. The botanical material collected was kept in the Herbarium of the Federal University of Viçosa. A rare species was considered the one which is represented by one single individual in the sample. 1623 individuals from 52 families, 130 genera and 209 species were sampled. In the analysis, the most representative species were Euterpe edulis, Sorocea bonplandii e Siparuna guianensis. 61 (29.18%) out of the 209 species are rare. Combining the data from another study performed in the same site with this one, there was a total of 283, and 77 (27.20%) are rare. Among the 61 catalogued species, the Vernona diffusa, Tovomita saldanhae e Meliosma itatiaie ones are endangered in the flora from Minas Gerais. To determine the number and proportion of rare species, the data collection in 1.0 hectare were inadequate in comparison to samples in 2.0 hectares. Rarity species analysis is very complex since in the same sample fragment species that had rare status, in the other sample they had common status.

Key words: rare species, Atlantic forest, phytosociology

 

1 Universidade Federal de Viçosa – UFV – Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Biologia Vegetal. Av. PH Rolfs, s/n, Viçosa (MG). CEP: 36570-000. E-mail: luizasauk@bol.com.br. Autor para correspondência
2 Universidade Federal de Viçosa – UFV – Centro de Ciências Agrárias, Departamento de Engenharia Florestal. Av. PH Rolfs, s/n, Viçosa (MG). CEP: 36571-000
3 Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT – Campus Universitário de Rondonópolis. Rod. MT 270, km 6, Sagrada Família, Rondonópolis (MT). CEP: 78735-901

 

Literatura Citada

APG, Angiosperm Phylogeny Group III. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants. APG III. Bot. J. Linnean Soc., n.141, p.399-436, 2009.

BORÉM, R. A. T.; RAMOS, D.P. Estrutura fitossociológica da comunidade arbórea de uma topossequência pouco alterada de uma área de floresta atlântica, no município de Silva Jardim, RJ. Revista Árvore, v.25, n.1, p.13-140, 2001.

BRASIL. RES 001, de 31/01/1994. art. 6° do DECRETO 750 de 10/02/1983. Disponível em: http://www.socioambiental.org./inst/leg/amb.shtm. Acesso em: 20 agosto de 2011.

CAIAFA, A. N.; MARTINS, F.R. Forms of rarity of tree species in the southern Brazilian Atlantic Forest. Biodivers Conserv, may of 2010.

CAMPOS, E. P. Florística e estrutura horizontal da vegetação arbórea de uma ravina em um fragmento florestal no município de Viçosa, MG. 2002. 61p. Dissertação (Mestrado em Botânica) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2002.

CHAO, A.; CHAZDON, R. L.; COLWELL, R. K.; SHEN, T. J. A new statistical approach for assessing similarity of species composition with incidence and abundance data. Ecology. Letters, n.8, p.148-159, 2005. http://dx.doi.org/10.1111/j.1461-0248.2004.00707.x

COLWELL, R. K.; CODDINGTON, J. A. Estimating terrestrial biodiversity through extrapolation. Phil. Trans. R. Soc. Lond. B. Biol. Sci., n. 345, p.101-118, 1994. The Royal Society, 1994.

CONSERVATION INTERNATIONAL, BIODIVERSITY HOSTSPOTS. 2005. Disponível em: http://www.biodiversityhotspots.org/Pages/default.aspx. Acesso em: 03 outubro de 2012.

COSTA, C. M. R, HERRMANN, G., MARTINS, G., LINS, L. V. & LAMAS, I. R. Biodiversidade em Minas Gerais: um atlas para a conservação. Belo Horizonte: Fundação Biodiversitas, 1998.

DURIGAN, G.; RODRIGUES, R. R.; SCHIAVINI, I. A heterogeneidade ambiental definindo a metodologia de amostragem da floresta ciliar. In: RODRIGUES, R.R.; LEITÃO FILHO, H.F. (Eds.), Matas ciliares: conservação e recuperação. São Paulo: EDUSP e FAPESP, 2004.

EMMONS, G.; GENTRY, A. H. Tropical forest structure and the distribution of gliding and prehensile-tailed vertebrates. The American Naturalist, n.121, p.513-524, 1983. doi

GASTON, K. J. Rarity. New York: Chapman and Hall, 1994. doi

GUEDES, D.; BARBOSA, L. M.; MARTINS, S. E. Composição florística e estrutura fitossociológica de dois fragmentos de floresta de restinga no município de Bertioga, São Paulo, Brasil. Revista Acta Botânica Brasílica, v.20, n.2, p.299-311, 2006. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062006000200006

IRSIGLER, D. T. Composição florística e estrutura de um trecho primitivo de floresta estacional semidecidual em Viçosa, MG. 2002. 61p. Dissertação (Mestrado em Botânica) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2002.

IVANAUSKAS, N. M.; RODRIGUES, R. R.; NAVE, A. G. Fitossociologia de uma floresta semidecidual em Itatinga, São Paulo, para fins de restauração de áreas degradadas. Revista Árvore, v.26, n.1, p.43-57, 2002.

JOCA, A. M. S. Computação eletrônica do mapa da área de estudo (Sítio Bom Sucesso) no município de Viçosa, Minas Gerais. 2011.

KAGEYAMA, P.; LEPSCH CUNHA, N. M. Singularidade da biodiversidade nos trópicos. In: GARAY, I.; DIAS, B. F. S. (Eds.). Conservação da biodiversidade em ecossistemas tropicais: avanços conceituais e revisão de novas metodologias de avaliação e monitoramento. Petrópolis: Vozes, p.199-214, 2001.

LANGE, P. J. de; NORTON, D. A. The ecology and conservation of Kunzea sinclairii (Myrtaceae), a naturally rare plant of rhyolitic rock outcrops. Biology Conservation, 2003.

LEWIS, G.P.; SCHRIRE, B.D; MACKINDER, B.A.; LOCK, J.M. Legumes of the world. Published by the Royal Botanic Gardens, Kew., 2005.

MAGURRAN, A.E. Measuring biological diversity. 5. ed. Blackwell Science Ltd, a Blackwell Publishing Company, 2007.

MARTINS, F.R. Estrutura de uma floresta mesófila. Campinas: Unicamp., 1991.

MATA NATIVA. Versão 3. Instituto Econativa - Tecnologia em Recursos Naturais Ltda. Viçosa - MG., 2011.

MENDONÇA, M. P.; LINS, L. V. Lista vermelha das espécies ameaçadas de extinção da flora de Minas Gerais. FUNDAÇÃO BIODIVERSITAS, FUNDAÇÃO ZOO-BOTÂNICA (Org.). Belo Horizonte - Minas Gerais, 2000.

MORI, S. A., MATOS SILVA, L. A.; LISBOA, G.; CORADIN, L. Manual de manejo de herbário fanerogâmico. 2. ed. Ilhéus: CEPLAC, 1981.

MUELLER DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: John Wiley, 1974.

NIMER, E. Climatologia do Brasil, 2.ed. Rio de Janeiro, Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 1989.

OLIVEIRA FILHO, A. T.; FONTES, M. A. L. Patterns of floristic differentiation Among Atlantic forests in southeastern Brazil and the influence of climate. Lavras, Minas Gerais. Biotropica, n.32, p.793-810, 2000. http://dx.doi.org/10.1111/j.1744-7429.2000.tb00619.x

OLIVEIRA FILHO, A.T.; SCOLFORO, J.R.S.; MELLO, J.M. Composição florística e estrutura comunitária de um remanescente de floresta estacional montana em Lavras, Minas Gerais. Revista Brasileira de Botânica, v.17, p.167-182, 1994.

PAULA, A. SILVA, A.F.; SOUZA, A.L.; SANTOS, F.A.M. Alterações florísticas ocorridas num período de quatorze anos na vegetação arbórea de uma floresta Estacional Semidecidual em Viçosa, MG. Revista Árvore, v.26, n.6, p.743-749, 2002. doi

PRIMACK, R.; ROZZI, R.; FEINSINGER, P., 2001. Diseño de áreas protegidas: 477-496 (en) PRIMACK, et al., (eds.) Fundamentos de conservación biológica Perspectivas latinoamericanas. Fondo de Cultura Económica, México D.F.

RABINOWITZ, D. Seven forms of rarity. In Biological aspects of rare plant conservation (ed. H. Synge), Chichester, UK: John Wiley, p.205-217, 1981.

RABINOWITZ, D.; CAIRNS, S.; DILLON, T. Seven forms of rarity and their frequency in the flora of the British Isles. In: SOULÉ, M. E. (ed.). Conservation biology: the science of scarcity and diversity. Sunderland, MA: Sinauer, p.182-204, 1986.

ROLIM, S. G.; IVANAUSKAS, N. M.; RODRIGUES, R. R.; NASCIMENTO, M. T.; GOMES, J. M. L.; FOLLI, D. A.; COUTO, H. T. Z. Composição florística do estrato arbóreo da Floresta Estacional Semidecidual na Planície Aluvial do rio Doce, Linhares, ES, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Porto Alegre, v. 20, n. 3, p. 549-561, 2006. doi

SENRA, L. C. Composição florística e estrutura fitossociológica de um fragmento florestal da Fazenda Rancho Fundo, na Zona da Mata - Viçosa, MG. 2000. 66f. Dissertação (Mestrado em Botânica) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2000.

SEVILHA, A. C.; PAULA, A. de; LOPES, W. de. P.; SILVA, A. F. da. Fitossociologia do estrato arbóreo de um trecho de floresta estacional no Jardim Botânico da Universidade Federal de Viçosa (face sudoeste), Viçosa, MG. Revista Árvore, v.25, n.4, p.431-443, 2001.

SILVA, A. F.; FONTES, N. R. S.; LEITÃO FILHO, H. F. Composição florística e estrutura horizontal do estrato arbóreo de um trecho da Mata da Biologia da Universidade Federal de Viçosa - Zona da Mata de Minas Gerais. Revista Árvore, v.24, n.4, p.397-405, 2000.

TABANEZ, A. A. J.; VIANA, V. M. Patch structure within Brazilian atlantic forest fragments and implications for conservation. Biotropica, v. 32, p. 925-933, 1997. doi

VELOSO, H. P.; RANGEL-FILHO, A. L. R.; LIMA, J. C. A. Classificação da Vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro, Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 1991.

VIANELLO, R. L.; ALVES, A. R. Meteorologia básica e aplicações. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, MG., 1991.