Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Um Estranho entre Nós – Perspectivas Teóricas para Um Estudo Sociológico do Ateísmo na Sociedade Brasileira

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1078/er.v30n3p63-87

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ER/index 

downloadpdf

Fernando Mezadri1

 

Resumo: A sociologia da religião configura uma sociologia da modernidade. Como efeito, ter-se-ia o processo de secularização e consequentemente o afastamento do religioso das diferentes esferas da sociedade. No Brasil, o processo de secularização, além da permanência da religião, trouxe consigo o aparecimento do ateísmo no cenário sócio-religioso. Reagindo à efervescência religiosa, assiste-se no país, manifestações de posturas ateístas individuais ou de grupos organizados. Para seu estudo, sugerem-se contornos teórico e conceitual específico. Muito já se sabe sobre os religiosos autodeclarados e estudos avançam em direção aos sem religião, mas pouco ainda se sabe sobre aqueles que nesse contexto se autodeclaram ateus. Por essa razão, um estudo sociológico sobre esse fenômeno, revelaria muito sobre a especificidade da secularização e da modernidade na sociedade brasileira atual. Eis a proposta do artigo.

Palavras-chave: Secularização. Ateísmo. Estudo sociológico.

 

Abstract: The sociology of religion configure a sociology of modernity. In effect, it would be the process of secularization and consequently the religious from withdrawal of the different spheres of society. In Brazil, the process of secularization brings with it the religious stay with the appearance of atheists with specific conceptual and practical boundaries. Reacting to the religious ferment, there has in the country, demonstrations of individual positions or atheistic groups. Much is known about the self-declared religious studies and advance towards the irreligious; but very little is known about those who declared themselves atheists in this scenario. For this reason, a sociological study of the atheists, would reveal a lot about the current Brazilian society and future developments. That is the purpose of the article.

Key words: Secularization. Atheism. Sociological study.

 

1 Universidade Federal de Santa Catarina

 

Literatura Citada

AUTRAN, Felipe. Análise da Campanha Pró-Ateísmo da Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 35, 2012, Fortaleza, Anais... Ceará, UFF, 2012, p. 1-10). EINSENSTADT, Shmuel N. Modernidades múltiplas. Sociologia, Problemas e Práticas, Lisboa, 2001, n. 35, p. 139-163.

BEAMAN, Lori G.; TOMLINS, Steven (Orgs.). Atheist Identities Spaces and Social Contexts. Boundaries of Religious Freedom: Regulating Religion in Diverse Societies. Vol 2. Springer, 2015.

BERGER, Peter. Dossel Sagrado: elementos para uma teoria sociológica da Religião. Tradução de José Carlos Barcellos. São Paulo: Paulinas, 1985.

BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. Modernidade, pluralismo e crise de sentido. Tradução Edgar Orth. 3 ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

CIMADON, Giordano. Os quatro cavaleiros do novo ateísmo. 20 jun. 2012. Disponível em <http://www.sgi.org.br/religioes/os-quatro-cavaleiros-do-novo-ateismo/>. Acesso em: 19 set. 2014.

CIMINO, Richard; SMITH, Christopher. Atheisms Unbound: The Role of the New Media in the Formation of a Secularist Identity. Tampa, Secularism and Nonreligion. v. 1, p. 17-31, 2012.

____________. Atheist Awakening: Secular Activism and community in America. New York: Oxford University, 2014.

____________. Secular humanism beyond progressive secularism. Sociology of Religion, n. 68, 2007, p. 407–424.

DULLO, Eduardo. Artigo bibliográfico após a (antropologia/sociologia da) religião, o secularismo?. Mana, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, p. 379-392, 2012.

DUTRA, Roberto. A Universalidade da Condição Secular. Relig. soc., Rio de Janeiro , v. 36, n. 1, p. 151-174, 2016.

FRANCE PRESSE. Os ateus no Brasil e seu medo de sair do armário. 06 jun. 2013. Disponível em: <http://g1.globo.com/mundo/noticia/2013/06/os-ateus-no-brasil-e-seu-medo-de-sair-doarmario.html>. Acesso em: 19 set. 2014.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: Ed. Unesp, 1991.

GORDON, Flávio. A cidade dos Brigths: Religião, Política e Ciência no Movimento Neo Ateísta, 2010, f.411. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

HABERMAS, Jürgen. Ay, Europa.? Que significa una sociedad “postsecular”? Una discusión sobre el islam en Europa. Madrid: Editoral Trotta, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo 2010. Disponível em: <http://www.Ibge.gov.br>. Acesso em: 26 jun. 2014.

KETTELL, Steven. Faithless: The politics of new atheism. Secularism and Nonreligion. Tampa, v. 2, p. 61-72, 2013.

LANGSTON, Joseph; HAMMER, Joseph; CRAGUN, Ryan T. Atheism looking in: on the goals and strategies of organized nonbelief. Tradução Mariana Fernandes de Souza. Último Andar, São Paulo, n.16, p. 128-155, 2016.

LATINOBARÔMETRO. Las religiones em tempos del Papa Francisco. Santiado de Chile, Corporación Latinobarómetro, 2014, p.1-34.

LE DREW, Stephen. Discovering Atheism: Heterogeneity in Trajectories to Atheist Identity and Activism. Sociology of Religion, Oxford, v. 74, p. 431-453, 2013.

LUCKMANN, Thomas. A religião invisível. São Paulo: Olho d’Água; Loyola, 2014.

MICHEL, Martin (Org). Introducción al ateísmo. Madrid: Akal, 2010.

MARIANO, Ricardo. Laicidade à brasileira. Católicos, pentecostais e laicos em disputa na esfera pública. In: Civitas, Porto Alegre, v. 11 n. 2, p.238-258, 2011.

MONTERO, Paula; DULLO, Eduardo. Ateismo no Brasil: da invisibilidade à crença fundamentalista. Revista Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n.100, 2014, p. 57-79.

SIMMEL, Georg. Simmel: Sociologia. Coleção Grandes Cientistas Sociais. São Paulo: Editora Ática, 1983.

NEGRÃO, Lísias Nogueira. Nem ‘jardim encantado’ nem ‘clube dos intelectuais desencantados’. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 20, n 59, 2005, p. 25-36

NOVAES, Regina. Jovens sem religião: sinais de outros tempos. In: TEIXEIRA, FAUSTINO, MENEZES, Regina. (Orgs). Religião em movimento. Petrópolis: Vozes, 2013. Cap. 9.

PIERUCCI, Antônio Flávio. Secularização em Max Weber: da contemporânea serventia de voltarmos acessar aquele velho sentido. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, n. 37, 1998, p.43-73.

PIERUCCI, Antônio Flávio. “Sociologia da Religião - Área Impuramente Acadêmica”. In: MICELI, S. (Org.). O que ler na Ciência Social brasileira (1970-1995). v.2 Sociologia. São Paulo/ Brasília: Ed. Sumaré/ANPOCS/CAPES, 1999, pp.237-286.

RIEZU, Jorge. Religion Y Sociedad. Salamanca: San Esteban, 1989.

SELL, Carlos Eduardo. Max Weber e a racionalização da vida. Petrópolis: Vozes, 2013.

SELL, Carlos Eduardo. A secularização como sociologia do moderno. Max Weber, a Religião e o Brasil no contexto moderno-global. Revista Brasileira de Sociologia. São Paulo, v.3, n.6, p.11-46, 2015.

SILVA, Antônio Leandro da. Indivíduos sem religião: desencantamento metafísico do mundo 2012, f.287 p. Tese (Doutorado em Ciências Sociais com concentração em Antropologia) -Pontifícia Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SIMMEL, G., A natureza sociológica do conflito, in Moraes Filho, Evaristo (org.), Simmel, São Paulo, Ática, 1983.

SMITH, Jesse. Becoming an atheist in America: Constructing identity and meaning from the rejection of theism. Sociology of Religion, Oxford, 72, p. 215–237. 2011

TAVOLARO, Sérgio B. F. Existe uma modernidade brasileira? Reflexões em torno de um dilema sociológico brasileiro” Revista brasileira de Ciências Sociais. v. 20, p.5-22, 2005.

TAYLOR, C. Uma era secular. Tradução: Nélio Schneider e Luiza Araújo. São Leopoldo: Ed. da Unisinos, 2010.

WEBER, Max. A Psicologia Social das Religiões Mundiais. In: WEBER, Max. Ensaios de Sociologia. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1982.

WEBER, Max. Ciência e Política. Duas Vocações. 12. ed. São Paulo: Cultrix, 2004.

WEBER, Max. Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. 3. ed. Brasília: UnB, 1994, vol. 1.

WILLAIME, Jean-Paul. Sociologia das Religiões. Tradução de Lineimar Pereira Martins. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

WIN-GALLUP INTERNATIONAL. Global index of religiosity and atheism. 2012, p.1- 25. Disponível em: <http://www.wingia.com/web/files/news/14/file/14.pdf>. Acesso em: 14 abr. 2014.

WOHLRAB-SAHR, Monika; BURCHARDT, Marian. Multiple secularities: Towards a cultural sociology of secular modernities. Comparative Sociology, Boston, 11, 2012, p. 875–909.

ZEPEDA, José de Jesús Legorreta. Secularização ou Ressacralização? O debate sociológico contemporâneo sobre a teoria da secularização. Tradução de Paula Carpenter. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, v. 25, n. 73. p. 129-141, jun. 2010.

ZUCKERMAN, Phil. Atheism, Secularity, and Well-Being: How the Findings of Social Science Counter Negative Stereotypes and Assumptions. Sociology Compass. New York, v. 3, 2009. p. 949–971.

ZUCKERMAN, Phil. Atheism: Contemporary Rates and Patterns. In: MARTIN, Michel. Companion to Atheism. Cambridge, University of Cambridge Press, 2007. p. 47-59.adução de Lineimar Pereira Martins. São
Paulo: Editora Unesp, 2012.