Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Sobrevivência no Armário: Dores do Silêncio LGBT em Uma Sociedade de Religiosidade Heteronormativa

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1078/er.v30n3p129-154

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ER/index 

downloadpdf

Laionel V. Silva1 & Bruno R. S. N. Barbosa2

 

Resumo: A sociedade brasileira se desenvolveu em concepções morais e religiosas que estabeleceram preceitos e normas de “certo” e “errado”. A sexualidade humana também sofreu com o controle dessas concepções que se avaliou a partir dos dogmas religiosos, por meio da procriação e da criação divina, uma heteronormatividade compulsória. Os indivíduos que se desviam da norma imposta são considerados pecadores, passíveis de cura. O mecanismo para contornar essa perseguição é a invisibilização de sua sexualidade desviante, protegida pelo “armário”. O estudo foi desenvolvido a partir de uma pesquisa bibliográfica exploratória. Este trabalho possui por objetivo analisar as dificuldades vivenciadas no armário e a interferência da religiosidade dominante nesse espaço. Explora ainda algumas vivências tanto de indivíduos que saem, quanto dos que permanecem no “armário”. Foi possível encontrar ao final desta pesquisa uma influência religiosa determinista nos conceitos de normalidade relativos à sexualidade humana, padronizando e excluindo indivíduos, negando assim diversos direitos individuais como: educação, trabalho e convívio familiar.

Palavras-chave: Armário. Religião. Heteronormatividade. LGBT. Educação.

 

Abstract: The Brazilian society has developed into moral and religious conceptions, which established principles and rules of “right” and “wrong.” Human sexuality has also suffered from the control of these conceptions, which was considered from the religious dogmas, through procreation and of divine creation, a compulsory heterosexuality. Individuals who deviate from the standard imposed are considered sinners, be cured. The mechanism to circumvent this persecution is the invisibility of his deviant sexuality, protected by the “closet”. The study was developed from a bibliographical research. This work aims to analyze the difficulties experienced in the closet and the interference of the dominant religion in this space. Exploring some experiences both individuals leave, as those who remain in the “closet”. Be found at the end of this research, a deterministic religious influence in normal concepts related to human sexuality, standardizing and excluding individuals, thus denying many individual rights such as education, work and family life.

Key words: Closet. Religion. Heteronormativity. LGBT. Education.

 

1 Graduado em Psicologia e Mestre em Ciências das Religiões pela Universidade Federal da Paraíba. Pós-Graduando em Extensão Universitária e Desenvolvimento sustentável pela mesma instituição. E-mail: laionel.vs@gmail.com. Lattes: http://lattes.cnpq.br/3373462035116325
2 Graduando em Direito pela Universidade Federal da Paraíba. E-mail: bruno-dj15@hotmail.com. Lattes: http://lattes.cnpq.br/3337273480150523

 

Literatura Citada

BARBOSA, B. R. S. N; SILVA, L. V. “Os cães do inferno se alimentam de blasfêmia”: religião e transfobia no ciberespaço. Ciencias Sociales y Religión/ Ciências Sociais e Religião, Porto Alegre, v.18, n. 24, p. 110-133, 2016.

BENTO, B. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.19, n. 2, p. 549-559, 2011.

BORILLO, Daniel. Homofobia: História e crítica de um preconceito. Trad. Guilherme João de Freitas Teixeira. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

BOURDIEU, P. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BUTLER, Judith. El género en disputa: el feminismo y la subversión de la identidad. México: Editorial Paidos, 2001.

FARIA, Nalú; NOBRE, Miriam. O que é ser mulher? O que é ser homem? Subsídios para uma discussão das relações de gênero. Gênero e Desigualdade, São Paulo, p. 9-23, 2007.

FIGUEIRÓ, M. N. D. A Educação sexual presente nos relacionamentos cotidianos. In: FIGUEIRÓ, M. N. D. Em busca de mudanças. Londrina: UEL, 2009. p. 63 – 104.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1987.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6º ed. São Paulo: Atlas, 2008.

JEOLÁS, L. S. PAULILO, M. A. S. Representações sociais da homossexualidade entre professores do ensino público: continuidades e rupturas. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 266-285, 2009.

JESUS, F. W. Notas sobre religião e (homo)sexualidade: “Igrejas Gays” no Brasil. In: Reunião Brasileira de Antropologia, 26, 2008, Porto Seguro. Anais da 26ª Reunião Brasileira de Antropologia Bahia: ABANT, 2008, p.01-10.

JESUS, F. W. A Cruz e o Arco-Íris: Refletindo sobre Gênero e Sexualidade a partir de uma “Igreja Inclusiva” no Brasil. Ciencias Sociales y Religión/Ciências Sociais e Religião, Porto Alegre, v. 12, n. 12, p. 131-146, 2010.

JUNQUEIRA, R. D. Currículo heteronormativo e cotidiano escolar homofóbico. Revista Espaço do Currículo, João Pessoa, v. 2, n. 2, 2010.

LAPA, N. O preconceito contra transexuais no mercado de trabalho. 2013. Disponível em: <http://www.cartacapital.com.br/blogs/feminismo-pra-que/o-preconceito-contra-transexuais--no-mercado-de-trabalho-2970.html> Acesso em: 04 de abril de 2016.

LIONÇO, T. DINIZ, D. Homofobia, Silêncio e Naturalização: por uma narrativa da diversidade sexual. Psicologia Política, São Paulo, v. 8, n. 16, p. 307 – 324, 2008.

LOURO, G. L. O corpo educado, pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2000.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 2003.

MACHADO, R. W. G. População LGBT em Situação de Rua: Uma Realidade Emergente em Discussão. Revista EDUC-Faculdade de Duque de Caxias, Duque de Caxias, v. 1, n. 3, 2015.

MATÃO, M. E. L. et al. Ele ou ela? Experiência de transexual acerca do vocativo à sua abordagem cotidiana. Gestão e Saúde, Brasília, v. 4, n. 3, p. 1045-1062, 2013.

MISKOLCI, R. O Armário Ampliado – Notas sobre sociabilidade homoerótica na era da internet. Revista Gênero, Niterói, v. 9, n. 2, p. 171-190, 2009.

MOTT, L. Etno-história da homossexualidade na américa latina. In: Seminário-taller de história de las mentalidades y los imaginários, 1994, Bogotá. Disponível em: <http://www.academia.edu/7661369/ETNO-HIST%C3%93RIA_DA_HOMOSSEXUALIDADE_NA_AM%C3%89RICA_LATINA> Acesso em: 02 de outubro de 2016.

MOTT, L. Por que os homossexuais são os mais odiados dentre todas as minorias? Gênero & cidadania. Campinas: Pagu/Núcleo de Estudos de Gênero – UNICAMP, p. 143-256, 2002.

MOTT, L. O jovem homossexual: noções básicas para professores, jovens gays, lésbicas, transgêneros e seus familiares. In: FIGUEIRÓ, M. N. D. Em busca de mudanças. Londrina: UEL, p. 17 – 34, 2009.

MUSSOKOPF, A. Via(da) gens teológicas. Itinerários para uma teologia queer no Brasil. São Paulo: Ponte Editorial, 2012.

NATIVIDADE, M. Homossexualidade, gênero e cura em perspectivas pastorais evangélicas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v.21, n.61, p. 115-132, 2006.

PERSKE, R. C. F. Sistemas agroflorestais em pequenas propriedades no município de hulha negra. 2004. Monografia (Especialização em Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente /Gestão Ambiental) – URCAMP, Bagé, Rio Grande do Sul, 2004.

REIS, M. H.; VILAR, D. A implementação da educação sexual na escola: Atitudes dos professores. Análise Psicológica, Lisboa, v. 22, n. 4, p. 737-745, 2004.

RIOS, L. F. Corpos e prazeres nos circuitos de homossociabilidade masculina do centro do Rio de Janeiro. Ciência & Saúde Coletiva, Lisboa, v. 13, n. 2, p. 465 – 475, 2008.

SAGGESE, G. S. R. Quando o armário é aberto: visibilidade, percepções de risco e construção de identidades no coming out de homens homossexuais, In: Fazendo Gênero – Corpo, Violência e poder, 8, 2008, Florianópolis. Anais do Fazendo Gênero 8. Florianópolis, Santa Catarina: UFSC, 2008, 01-07.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, P. B. Metodología de la investigación. México: McGraw-Hill, 1991.

SEDGWICK, E. K. A epistemologia do armário. Cadernos pagu, Campinas, v. 28, n. 1, p. 19-54, 2007.

SILVA, V. G. O adolescente gay e a capacidade de resiliência da família (estudo de um texto biográfico). In: Psicologia.pt, 2012. Disponível em: <http://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0295.pdf> Acesso em: 01 de junho de 2014.

TORRÃO FILHO, A. Uma questão de gênero: onde o masculino e o feminino se cruzam. Cadernos pagu, Campinas, v. 24, p. 127-152, 2005.

VALENTE, G. A.; SETTON, Maria G. J. Notas etnográficas sobre a religiosidade na escola. Cadernos Ceru, São Paulo, v. 25, n. 1, 2014.

ZAGO, L. F. “Armários de vidro” e “corpos-sem-cabeça” na biossociabilidade gay online. Interface, Botucatu, v.17, n. 45, p. 419-431, 2013.