Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Corrida de Rua e Metabolismo Ósseo

DOI: http://dx.doi.org/10.15602/1983-9480/cmrs.v17nespp46-48

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ipa/index.php/RS/index 

downloadpdf

Laura L. Martins1, Viviane Elsner2 & Maristela Padilha2

 

Resumo: Introdução: O processo de envelhecimento está associado a uma série de alterações biológicas que podem comprometer a qualidade de vida do ser humano. Nesta fase, em especial nas mulheres,ocorrem alterações hormonais importantes que interferem significativamente no metabolismo ósseo. Estas alterações podem acarretar a diminuição da Densidade Mineral Óssea (DMO) que é denominada de osteopenia e se não tratada pode evoluir para a osteoporose. Dentro deste contexto, a literatura sistematicamente tem apontado o exercício físico como um importante aliado tanto na prevenção como na terapêutica de disfunções do metabolismo óssea. Atualmente, a corrida de rua é uma prática desportiva amplamente difundida, principalmente em função de seu baixo custo e de seus benefícios relacionados a saúde e bem-estar. Objetivo: Esta revisão tem como objetivo avaliar a influência da prática de corrida de rua nas alterações do metabolismo ósseo em mulheres na menopausa. Métodos: Foi usada a base de dados scielo e pumed onde foram revisados artigos a partir do ano de 2003. Utilizando os seguintes descritores osteopenia, densidade mineral óssea, menopausa, mulheres, corrida de rua e seus respectivos análogos em língua inglesa. Conclusão: A corrida de rua pode influenciar na manutenção ou no aumento da DMO, minimizando os efeitos da menopausa onde ocorrem significativas alterações hormonais.

Palavras-chave: Osteopenia, Densidade mineral óssea, Menopausa, Mulheres, Corrida de rua.

 

1 Mestranda em Biociências e Reabilitação¹. Centro Universitário Metodista – IPA Porto Alegre, RS, Brasil.
2 Programa de Pós-Graduação Mestrado em Biociências e Reabilitação². Centro Universitário Metodista – IPA Porto Alegre, RS, Brasil.

 

Literatura Citada

BALBINOTI, M; GONÇALVES, G; KLERING, R. et al.Perfis motivacionais de corredores de rua comdiferentes tempos de prática.Revista Brasileira de Ciências do Esporte. v.37, n.1, p.65-73. 2015.

BARBAT-ARTIGAS, S; DUPONTGAND, S; FEX, A. et.al. Relationship between dynapeniaand cardiorespiratory functions in healthy postmenopausal women: novel clinical criteria. Menopause. v.18, n. 4, 2010.

BURROWS, M; NEVILL, A; BIRD, S. et al. Physiological factors associated with low bone mineral density in female endurance runners. Br J Sports Med. v.37, p.61-67. 2003.

CADORE, E; BRENTANO, M; KRUEL, L. Efeitos da atividade física na densidade mineral óssea e na remodelação do tecido ósseo. Revista brasileira de medicina do esporte. v.11, n.6, p.373-379. 2005.

DALLARI, M. Corrida de rua: um fenômeno sociocultural contemporâneo. 2009. 129 p. Tese (Doutorado) - Faculdade de Educação, Universidade São Paulo. 2009.

LEITE, G. Avaliação do risco de fratura por desmineralização óssea. 2014. 106 p. Dissertação (mestrado)- Instituto Politécnico de Bragança, Escola Superior de Tecnologia e Gestão.

LIXANDRÃO, M; BONGANHA, V; CONCEIÇÃO, M. et al. Efeito do treinamento concorrente sobre a força e hipertrofia muscular de mulheres na pós-menopausa. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, v. 17, n. 4, p. 247-251. Ago/2012.

MARIANO, E; NAVARRO, F; SAUIAIA, B. et al. Força muscular e qualidade de vida em idosas. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. v.16, n.4, p.805-811. 2013.

MOSER, D; MELO, S; SANTOS, S.Influência da atividade física sobre a massa óssea demulheres. Revista brasileira de cineantropometria e desempenho humano. v.6, n.1, p.46-53. 2004.

NEVILL, A; BURROWS, M; ROGER L; HOLDER, R. et al. does lower-body bmd develop at the expense of upperbody BMD in female runners? Official Journal of the American College of Sports Medicine. p.1733-1739. 2003.

PENHA, J; PIÇARRO, I; NETO, T. Evolução da aptidão física e capacidade funcional de mulheres ativas acima de 50 anos de idade de acordo com a idade cronológica, na cidade de santos. Ciência e Saúde Coletiva. v.17. n.1, p. 245-253. 2012.

SALGADO, J; CHACON-MIKAHIL, M. Corrida de rua: análise do crescimento do número de provas e de praticantes. Conexões, revista da faculdade de educação física da unicamp. v. 4, n. 1, p.90-99. 2006.

SCALCO, M. Por isso corro demais... Notas etnográficas de uma corredora iniciante. RBSE 9 (25): 312-355, Abril de 2010.