Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Diferenças genéticas nas respostas fisiológicas de ovinos em ambiente tropical

DOI: http://dx.doi.org/10.14269/2318-1265.v02n01a01

http://www.jabbnet.com/ 

downloadpdf

Bonifácio B. Souza1, Nayanne L. Batista1, Ivanete Susin2, Iran J. O. Silva2, Rafael C. M. Meneghini2, Ariane C. Castro2 & Marlon R. H. Silva2

 

Resumo: Foram utilizadas 18 ovelhas de três grupos raciais diferentes, distribuídas em um delineamento inteiramente casualizado no esquema fatorial 3 x 3, sendo 3 grupos raciais: Santa Inês (SI); ½ Santa Inês + ½ Dorper (Do x SI) e ½ Santa Inês + ½ Texel (Tx x SI) e 3 horários de observação: 7:00, 13:00 e 19:00 horas, com 6 repetições. Dessa forma, objetivou-se com esta pesquisa avaliar as respostas fisiológicas da raça Santa Inês e seus mestiços com as raças Dorper e Texel frente às condições climáticas de Piracicaba - SP. A análise de variância não revelou interações (P>0,05) entre os fatores estudados. Verificou-se efeito do grupo racial para a temperatura retal (TR), temperatura superficial (TS) e frequência respiratória (FR). A raça SI apresentou TR e FR inferiores (P<0,05) ao grupamento Tx x SI. O cruzamento Tx x SI apresentou os menores valores de TS e os maiores índices de FR (P<0,05) entre os grupos genéticos. O tratamento Do x SI apresentou TS e FR semelhante ao SI, e as TR e TT não diferiram (P>0,05) dos demais. Houve efeito (P<0,05) do horário de observação para todas as variáveis estudadas. Foram registrados valores superiores (P<0,05) para TS, TT e FR no horário das 13:00 horas. Para a TR não se verificou diferença entre os horários das 13:00 e 19:00 horas. A raça Santa Inês apresenta alta capacidade de tolerância ao calor e quando cruzada com animais das raças Dorper e Texel produz mestiços bastante tolerantes às temperaturas elevadas.

Palavras-chave: bioclimatologia, estresse calórico, parâmetros fisiológicos

 

Abstract: Were used 18 ewes of three different breed group, distributed in a completely randomized design in a factorial diagram (3 x 3, 3 breed group: Santa Inês (SI); ½ Santa Inês + ½ Dorper (Do x SI), and ½ Santa Inês + ½ Texel (Tx x SI) and 3 times of observation: (07:00, 13:00 and 19:00 hours) with 6 repetitions. The aim of this research was to evaluate the physiological responses of Santa Ines and their crossbred with Dorper and Texel breeds to climate conditions of Piracicaba - SP. The variance analysis did not show significant interactions (P>0.05) between the studied factors. It was verified the effect of the breed group to the RT (rectal temperature), ST (skin temperature) and RR (respiratory rate). The SI breed presented RT and RR lower (P<0.05) than the other breed groups. While the Texel presented ST lower and the RR greater (P<0.05) than the other groups. The Dorper presented ST and RR similar to SI, and RT and TT were not different (P>0.05) to the others. There was effect (P<0.05) of the time of observation to the all studied variables. Were registered superior means (P<0.05) to ST, TT and RR at 13:00 o`clock in relation to the other times. To RT there was no difference between the times 13:00 and 19:00, and the means of these times were greater (P<0.05) than that registered at7:00. It can be concluded that Santa Inês breed should be used in crossbreed with breed with wool to improve the capacity of heat tolerance.

Key words: bioclimatology, heat stress, physiological parameters

 

1 Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Campus de Patos, Caixa Postal 64, 58708-110, Patos, PB, Brasil. E-mail: bonifacio@pq.cnpq.br
2 Universidade de São Paulo (USP), Avenida Pádua Dias, 11, PO Box 9, 13418-900, Piracicaba, Brasil

 

Literatura Citada

Amaral DA, Barbosa OR, Gasparino E, Akimoto LS, Lourenço FJ, Santello GA (2009) Efeito da suplementação alimentar nas respostas fisiológicas, hormonais e sanguíneas de ovelhas Santa Inês, Ile de France e Texel. Acta Scientiarum. Animal 31:403-410.

Andrade IS, Souza BB, Filho JMP, Silva AMA (2007) Parâmetros fisiológicos e desempenho de ovinos Santa Inês submetidos a diferentes tipos de sombreamento e à suplementação em pastejo. Ciência e Agrotecnologia 31:540-547. doi

Baêta FC, Souza CF (2010) Ambiência em edificações rurais: conforto animal. 2ª ed. Viçosa: UFV.

Bezerra WMAX, Souza BB, Sousa WH, Cunha MGG, Benicio TMA (2011) Comportamento fisiológico de diferentes grupos genéticos de ovinos criados no semiárido paraibano. Revista Caatinga 24:130-136.

Bonagurio S, Pérez JRO, Garcia IFF, Bressan MC, Lemos ALSC (2003) Qualidade da carne de cordeiros Santa Inês puros e mestiços com Texel abatidos com diferentes pesos. Revista Brasileira de Zootecnia 32:1981-1991. doi

Braz JRC (2005) Fisiologia da termorregulação normal. Revista Neurociências 13:12-17.

Burgos, J. J. Clima tropical y subtropical (1979) In: HELMAN, M.B. Ganaderia Tropical. Buenos. Aires: El Ateneo, pp 1-28.

Cordão MA, Souza BB, Pereira GM, Bakke AO, Silva AMA, Lopes JJ (2010) Respostas fisiológicas de cordeiros Santa Inês em confinamento à dieta e ao ambiente físico no trópico semiárido. Agropecuária Científica no Semiárido 6:47 - 51.

Costa Júnior GS, Campelo JEG, Azevêdo DMMR, Martins Filho R, Cavalcante RR, Lopes JB, Oliveira ME (2006) Caracterização morfométrica de ovinos da raça Santa Inês criados nas microrregiões de Teresina e Campo Maior, Piauí. Revista Brasileira de Zootecnia 35:2260-2267.  doi

Cunha EA, Santos LE, Bueno MS (2008) Atualidades na produção de ovinos para corte. Nova Odessa: Instituto de Zootecnia.

Cunningham JG (2004) Tratado de fisiologia veterinária. 3.ed. Guanabara Koogan.

Da Silva RG, Guilhermino MM, Morais DAEF (2010) Thermal radiation absorbed by dairy cows in pasture. Internacional Journal of Biometeorology 54:5-11. doi

Freire MTA, Nakao MY, Guerra CC, Carrer CC, Souza SC, Trindade MA (2010) Determinação de parâmetros físico-químicos e de aceitação sensorial da carne de cordeiros proveniente de diferentes tipos raciais. Alimentos e Nutrição 21:481-486.

Garcia IFF, Perez JRO, Teixeira LC, Barbosa CMP (2000) Desempenho de cordeiros Texel x Bergamácia, Texel x Santa Inês e Santa Inês Puros, terminados em confinamento, alimentados com casca de café como parte da dieta. Revista Brasileira de Zootecnia 29:564-572. doi

IBGE (2011) Produção da Pecuária Municipal. <ftp://ftp.ibge.gov.br/Producao_Pecuaria/Producao_da_Pecuaria_Municipal/2011/ppm2011.pdf>. Acessado em 10 de Maio de 2013.

Madruga MS, Araújo WO, Sousa WH, Cézar MF, Galvão MS, Cunha MGG (2006) Efeito do genótipo e do sexo sobre a composição química e o perfil de ácidos graxos da carne de cordeiros. Revista Brasileira de Zootecnia 35:1838-1844. doi

Quesada M, McManus C, Couto FAD (2001) Tolerância ao calor de duas raças de ovinos deslanados no Distrito Federal. Revista Brasileira de Zootecnia 30:1021-1026. doi

Silanikove N (2000) Effects of heat stress on the welfare of extensively managed domestic ruminants. Livestock Production Science 67:1-18. doi

Silva GA (2013) Avaliação do sistema de resfriamento adiabático evaporativo na melhoria do bem-estar de novilhas leiteiras em confinamento. Dissertação, Instituto de Zootecnia.

Souza BB, Andrade IS, Pereira Filho JM, Silva AMA (2011) Efeito do ambiente e da suplementação no comportamento alimentar e no desempenho de cordeiros no semiárido. Revista Caatinga 24:123-129.

Souza BB, Souza ED, Cezar MF, Souza WH, Santos JRS, Benicio TMA (2008) Temperatura superficial e índice de tolerância ao calor de caprinos de diferentes grupos raciais no semiárido nordestino. Ciência e Agrotecnologia 32:275-280. doi

Veríssimo CJ, Titto CG, Katiki LM, Bueno MS, Cunha EA, Mourão GB, Otsuk IP, Pereira AMF, Nogueira Filho JCM, Titto EAL (2009) Tolerância ao calor em ovelhas Santa Inês de pelagem clara e escura. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal 10:159-167.