Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Aspectos psicossociais da construção da identidade paterna

DOI: http://dx.doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v16n1p57-68

http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/index 

downloadpdf

Gabriela Teixeira Vieira1 & Adriano Roberto Afonso Nascimento

 

Resumo: A presente investigação buscou analisar, a partir da teoria da identidade social, os aspectos psicossociais envolvidos na construção da identidade paterna, segundo 14 sujeitos, com idade entre 20 e 50 anos, todos pais do primeiro filho, com idade entre 2 a 7 meses, residentes da região metropolitana de Belo Horizonte/MG. Com esse objetivo, a partir de um roteiro semiestruturado, realizaram-se entrevistas que, posteriormente, foram submetidas à análise de conteúdo. As categorias foram organizadas segundo os três componentes da identidade social: cognitivo (ser responsável; dar amor e carinho ), avaliativo (ser bom pai) e emocional (atividades prazerosas realizadas com os filhos). Em seu conjunto, os entrevistados procuram negociar, de formas variadas, os sentidos e as práticas tradicionais relacionados ao ser pai com as mais recentes expectativas sociais sobre tal função nas suas relações cotidianas.

Palavras-chave: paternidade; identificação social; grupo social; análise qualitativa; psicologia social

 

Abstract: This study aims to analyze from the perspective of Social Identity Theory the psychosocial aspects involved in the construction of fatherhood from the viewpoint of 14 fathers, between the ages of 20 and 50, all parents of their first child, aged 2-7 months, living in the metropolitan area of Belo Horizonte. Interviews were conducted from a semi-structured script, which subsequently were subjected to content analysis. The categories were organized according to the three components of social identity: cognitive (be responsible; to give love and affection), evaluative (be good father) and emotional (pleasurable activities carried out with the children). Global results show that respondents seek to negotiate in their daily relationships, in a wide range of ways, the traditional meanings and practices of being a father with the latest social expectations about that role.

Keywords: paternity; social identification; social group; qualitative analysis; social psychology

 

1 Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte – MG – Brasil. Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Faculdade de Filosofia e Ciência Humanas/Universidade Federal de Minas Gerais, Av. Antônio Carlos, 6627, Pampulha – Belo Horizonte – MG – Brasil. CEP: 31270-901. E-mail: gabriela.tvieira@gmail.com

 

Literatura Citada

Arilha, M. (1998). Homens: entre a “zoeira” e a “responsabilidade”. In M. Arilha, S. G. U. Ridenti & B. Medrado (Orgs.). Homens e masculinidades: outras palavras (pp. 185-214). São Paulo: Ed. 34.

Bardin, L. (1977). Análise do conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bornholdt, E. A., Wagner, A., & Staudt, A. C. P. (2007). A vivência da gravidez do primeiro filho à luz da perspectiva paterna. Psicologia Clínica, 19(1), 75-92. Recuperado em 25 abril, 2010, de http://www.scielo.br/pdf/pc/v19n1/06.pdf. doi

Brasileiro, P. G. L., Pontes, V. V., Bichara, I. D., & Bastos, A. C. S. (2010). A transição para a paternidade e a paternidade em transição. In L. V. C. Moreira, G. Petrini & F. B. Barbosa (Orgs.). O pai na sociedade contemporânea (pp. 145-165). São Paulo : Edusc.

Connell, R. W., & Messerschimidt, J. W. (2013). Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Estudos Feministas, 21(1), 241-282. doi

Deschamps, J. C., & Moliner, P. (2009). A identidade em psicologia social: dos processos identitários às representações sociais. Petrópolis: Vozes.

Jablonski, B. (1998). Paternidade hoje: uma metanálise. In P. Silveira (Org.). O exercício da paternidade (pp. 121-129). Porto Alegre: Artes Médicas.

Krob, A. D., Piccinini, C. A., & Silva, M. R. (2009). A transição para a paternidade: da gestação ao segundo mês de vida do bebê. Psicologia USP, 20(2), 269-291. Recuperado em 9 julho, 2011, de http://www.scielo.br/pdf/pusp/v20n2/v20n2a08.pdf.

Rotundo, A. E. (1985). American fatherhood: a historical pespective. American Behavioral Scientist, 29(1), 7-25. doi

Scott, R. P., Athias, R. M., & Longhi, M. R. (2005). Como nossos pais? Homens e gerações em três contextos diferentes em Pernambuco. In R. C. F. Adorno, A. T. Alvarenga & M. P. C. Vasconcelos (Orgs.). Jovens, trajetórias, masculinidades e direitos (pp. 241-263). São Paulo: Fapesp, Edusp.

Souza, C. L. C., & Benetti, S. P. C. (2009). Paternidade contemporânea: levantamento da produção acadêmica no período de 2000 a 2007. Paidéia, 19(42), 97-106. Recuperado em 10 janeiro, 2010, de http://www.scielo.br/pdf/paideia/v19n42/12.pdf.

Sutter, C., & Bucher-Maluschke, J. S. N. F. (2008). Pais que cuidam dos filhos: a vivência masculina na paternidade participativa. Psico/PUC-RS, 39(1), 74-78. Recuperado em 10 janeiro, 2010, de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/viewFile/1488/2799.

Tajfel, H. (1983). Grupos humanos e categorias sociais: estudos em psicologia social II. Lisboa: Livros Horizonte.

Torres, A. R. R., & Camino, L. (2011). Grupo social, relações intergrupais e identidade social. In L. Camino, A. R. R. Torres, M. E. O. Lima & M. E. Pereira (Orgs.). Psicologia social: temas e teorias (pp. 215-239). Brasília: Technopolitik.

Trindade, Z. A. (1998). Concepções de maternidade e paternidade: o convívio atual com fantasmas do século XVIII. In L. Souza, M. F. Q. Freitas & M. M. P. Rodrigues (Orgs.). Psicologia: reflexões (im)pertinentes (pp. 129-155). São Paulo: Casa do Psicólogo.