crosscheckdeposited

Preparação para a adoção: grupo de apoio para candidatos

DOI: http://dx.doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v16n1p69-78

http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/index 

downloadpdf

Vania Conselheiro Sequeira1 & Claudia Stella

 

Resumo: A Lei da Convivência Familiar é a atual legislação sobre a adoção no país. Ela cria a obrigatoriedade da habilitação prévia para adotar e considera necessária a preparação psicossocial e jurídica do candidato a adotante. Este artigo busca refletir, a partir de uma experiência em grupo de apoio a candidatos à adoção, sobre a possibilidade de o grupo de apoio ser uma ferramenta de prevenção de conflitos com a criança a ser adotada. Para que possam acolher um filho, os pais precisam entender as filiações, as heranças e os desejos deste, e o grupo de apoio pode ser uma forma de sensibilização e preparação dos candidatos à adoção para temas que permeiam o processo de filiação.

Palavras-chave: adoção; grupo de apoio psicossocial; psicologia jurídica; filiação; psicanálise

 

Abstract: The Law of Family Living is the current law on adoption in the country. It creates an obligation of previous qualification to adopt and considers necessary to prepare adoptive parents in psychosocial and legal ways. This paper reflects, from an experience of support group to prospective adoptive parents, about the possibility of support group works as a tool to conflict prevention between parents and the child to be adopted. We can conclude, that to welcome a child, parents need understand their own filiations, inheritances and desires and the support group can be a form of awareness and preparedness of the adoptive parents for themes that permeate the filiation process.

Keywords: adoption; psychosocial support group; legal psychology; filiation; psychoanalyze

 

1 Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo – SP – Brasil. Curso de Psicologia (CCBS), Laboratório de Estudos da Violência e Vulnerabilidade Social (LEVV), Rua Piauí, 181, 7º andar, Consolação – São Paulo – SP – Brasil. CEP: 01241-000. E-mail: vaniacsequeira@gmail.com

 

Literatura Citada

Brasil (1990). O estatuto da criança e do adolescente. Lei n. 8.069/1990 de 13 de setembro de 1990.

Brasil (2009). Lei da convivência familiar Adoção. Lei n. 12.010/2.009 de 03 de agosto de 2009.

Dolto, F., & Hamad, N. (1998). Destinos de criança: adoção, famílias de acolhimento , trabalho social. São Paulo: Martins Fontes.

Hamad, N. (2002). A criança adotiva e suas famílias. Rio de Janeiro: Companhia de Freud.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. 2004. O direito à convivência familiar e comunitária: os abrigos para crianças e adolescentes no Brasil. Brasília: Ipea.

Koltai, C. (1998). O estrangeiro. São Paulo: Escuta, Fapesp.

Levinzon, G. K. (2000). A criança adotiva na psicoterapia psicanalítica (2a ed.). São Paulo: Escuta.

Osorio, L. C. (2003). Psicologia grupal: uma nova disciplina para o advento de uma era. Porto Alegre: Artmed.

Paiva, L. D. (2004). Adoção: significados e possibilidades. São Paulo: Casa do Psicólogo .

Queiroz, E. F. (2004) O “estranho”. Filho adotivo: uma leitura clínica do unheimlich na adoção. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 7(4), 100-111.

Sequeira, V. C. (2007). Família: uma crítica ao discurso técnico sobre a família desestruturada. In A. A. de S. Farina et al. Introdução à psicologia do cotidiano (pp. 37-65). São Paulo: Expressão e Arte Editora.

Schettini, L., Filho. (1998). Compreendendo o filho adotivo (3a ed.). Recife: Bagaço.

Scorsolini-Comin, F., Amato, L. M., & Santos, M. A. (2006). Grupo de apoio para casais pretendentes à adoção: a espera compartilhada do futuro. Revista da Spagesp, 7(2), 40-50.

Yamaoka, M. W. (2009). Grupo de estudos e apoio à adoção de São Bernardo do Campo. Periódico sobre adoção do GEAA-SBC, (8-9), 15-18. Recuperado de http://www.geaasbc.com.br/112009.pdf.

Zimerman, D. (2000). Fundamentos básicos das grupoterapias. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.