Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Brincar e problemas de comportamento de crianças com câncer de classes hospitalares

DOI: http://dx.doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v16n1p127-140

http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/index 

downloadpdf

Paula Coimbra da Costa Pereira Hostert1, Sônia Regina Fiorim Enumo & Alessandra Brunoro Motta Loss

 

Resumo: Brincar no hospital traz benefícios à criança e ao tratamento, servindo como uma estratégia de enfrentamento da hospitalização. O objetivo deste estudo foi descrever as preferências lúdicas de crianças com câncer, na classe hospitalar. Participaram 18 crianças (de 6 a 12 anos), avaliadas pelo instrumento computadorizado de avaliação do brincar no hospital (ABHcomp). Os pais responderam à escala comportamental infantil A2 de Rutter (ECI). As brincadeiras preferidas no ABHcomp foram: desenhar, assistir à TV e ler gibi. As crianças apresentaram problemas comportamentais e emocionais (61,1%) na ECI, como dor de cabeça e medo. A alta frequência de problemas indica a importância da assistência psicológica, que pode ser realizada por meio da associação de recursos lúdicos às técnicas psicológicas adequadas às demandas do contexto da doença e da hospitalização. Além disso, o brincar aparece durante o período na classe hospitalar, indicando possíveis benefícios dessa para a brincadeira no hospital e o tratamento dessas crianças.

Palavras-chave: brincar no hospital; hospitalização infantil; câncer infantil; classe hospitalar; estratégias de enfrentamento da hospitalização

 

Abstract: Playing in the hospital brings benefits to the child and to the treatment. It works as a hospitalization coping strategy. This study aims at describing play choices adopted by children with cancer at hospital classrooms. Eighteen children with cancer aged between 6 and 12 participated in the study. The children were evaluated using the computerized instrument for assessing play in the hospital (APHcomp) and their parents responded to Rutter’s child behavior scale-A2 (CBS). Their favorite play activities identified by the APHcomp were: drawing, watching TV and reading comic books. Presented behavior problems and emotional problems (61.1%) – according to the CBS. Of these, problems such as headache and fear stood out. The high frequency of problems shows the importance of psychological care, which can be provided by associating play activities and psychological techniques that are adequate to the demands in the context of this disease and hospitalization. Besides, to play appear during the hospital classrooms term, which pointed to possible benefits to play in the hospital and to the treatment of these kids.

Keywords: play in the hospital; child hospitalization, child cancer; hospital classroom; coping hospitalization

 

1 Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória – ES – Brasil. Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Espírito Santo, Av. Fernando Ferrari, 514, Goiabeiras – Vitória – ES – Brasil. CEP: 29073-919. E-mail: paulahostert@gmail.com

 

Literatura Citada

Almeida, E. C. S., & Albinati, M. E. C. B. (2009). Práticas pedagógicas em ambientes hospitalares: Potencializando a saúde através da educação. Pedagogia em Ação, 1(1), 1-141.

Associação Capixaba contra o Câncer Infantil. (2009). Acacci 21 anos: a construção de um sonho coletivo. Vitória: Espaço Livros.

Bersch, A. A. S., & Yunes, M. A. M. (2008). O brincar e as crianças hospitalizadas: contribuições da abordagem ecológica. Ambiente & Educação, 13(1), 119-32.

Brown, C. D. (2001). Therapeutic play and creative arts helping children cope with ilness, dead, and grief. In A. Armstrong-Daily & S. Zarboch (Eds.). Hospice care for children (pp. 251-283). New York: Oxford University Press.

Carnier, L. E. (2010). Stress e coping em crianças hospitalizadas em situação pré-cirúrgica e stress do acompanhante: estabelecendo relações. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Bauru, SP, Brasil.

Carvalho, A. M., & Begnis, J. G. (2006). Brincar em unidades de atendimento pediátrico: aplicações e perspectivas. Psicologia em Estudo, 11(1), 109-117. doi

Ferreira, E. A. P. (2006) Adesão ao tratamento em psicologia pediátrica. In M. A. Crepaldi, M. B. M. Linhares & G. B. Perosa (Eds.). Temas em psicologia pediátrica (pp. 147-190). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Fonseca, E. S. (2003). Atendimento escolar no ambiente hospitalar. São Paulo: Memnon.

Furtado, M. C. C. (1999). Brincar no hospital: Subsídios para o cuidado de enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 33(4), 364-369. doi

Graminha, S. S. V. (1994). A escala comportamental infantil de Rutter A2: estudos de adaptação e fidedignidade. Estudos de Psicologia, 11(3), 34-42.

Kiche, M. T., & Almeida, F. A. (2009). Brinquedo terapêutico: estratégia de alívio da dor e tensão durante o curativo cirúrgico em crianças. Acta Paulista Enfermagem, 22(2), 909-15. doi

Mitre, R. M. A., & Gomes, R. (2004). A promoção do brincar no contexto da hospitalização infantil como ação de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 9(1), 147-154. doi

Moraes, E. O., & Enumo, S. R. F. (2008). Estratégias de enfrentamento da hospitalização em crianças avaliadas por instrumento informatizado. PsicoUSF, 13(2), 221-231.

Motta, A. B. (2007). Brincando no hospital: uma proposta de intervenção psicológica para crianças hospitalizadas com câncer. Tese de doutorado, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil.

Motta, A. B., & Enumo, S. R. F. (2002). Brincar no hospital: câncer infantil e avaliação do enfrentamento da hospitalização. Psicologia Saúde & Doenças, 3(1), 23-41.

Motta, A. B., & Enumo, S. R. F. (2004). Câncer infantil: uma proposta de avaliação das estratégias de enfrentamento da hospitalização. Estudos de Psicologia, 21(3), 193-202.

Motta, A. B., & Enumo, S. R. F. (2010). Intervenção psicológica lúdica para o enfrentamento da hospitalização para crianças com câncer. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(3), 445-454.

Parcinello, A. T., & Felin, R. B. (2008). E agora doutor onde vou brincar? Considerações sobre a hospitalização Infantil. Barbarói, 28, 147-166.

Pedro, I. C. S., Nascimento, L. C., Poleti, L. C., Lima, R. A. G., Mello, D. F., & Luiz, F. M. R. (2007). Brincar em sala de espera de um ambulatório infantil na perspectiva de crianças e seus acompanhantes. Revista Latino-americana de Enfermagem, 15(2), 290-297. doi

Sandroni, G. A. (2008). Classe hospitalar: um recurso a mais para a inclusão educacional de crianças e jovens. Cadernos da Pedagogia, 2(3). Recuperado em 20 março, 2010, de http://www.cadernosdapedagogia.ufscar.br.

Silva, L. F., Cabral, I. E., & Christoffel, M. M. (2008). O brincar na vida do escolar com câncer em tratamento ambulatorial: possibilidades para o desenvolvimento. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 18(3), 275-287.